Essa é uma pergunta que praticamente todas as pessoas respondem de forma positiva. Ainda assim, há muita gente que fica só na vontade. E o principal motivo está num fato simples, até obvio: precisa sobrar dinheiro para isso.

Mas como fazer sobrar dinheiro no fim do mês? Antes de responder algo do tipo “é só ganhar mais”, vem algo muito importante: você precisa ter um bom controle sobre sua vida financeira. Isso explica porque tem gente ganhando menos que outras e ainda assim constroem dia a dia um patrimônio maior.

Se você quer virar um investidor, então precisa antes ter consciência do quanto você gasta e quanto dispõe, efetivamente, para aplicar mês a mês.

Se as contas não estão fechando, algo precisa ser mudado. É preciso, portanto, deixar a preguiça de lado e assumir um compromisso com você mesmo.

Nossa proposta: uma vez por mês, você vai sentar em frente ao seu computador e dedicar o tempo necessário para preencher uma planilha (clique aqui para baixá-la) com todos os seus gastos e suas receitas, ou seja, o dinheiro que entrou na sua conta, ao longo de um mês.

Ah, mas já estamos em fevereiro, agora não dá mais tempo. Nada disso! Passou apenas um mês e ainda é possível recuperar as últimas semanas! Basta atualizar os dados de janeiro e incorporar de uma vez por todas essa nova tarefa ao seu dia a dia.

Para entender seu orçamento mensal, é preciso ter em mente que tudo, tudo, tudo deve ser anotado. A ideia não é perder tempo com o dia em que você gastou, mas  sim dedicar tempo ao destino de seu dinheiro. Só assim você poderá mapear as principais despesas mensais e ter condições para reduzir os gastos de maneira eficiente.

Separamos a planilha nos 12 meses do ano. A primeira categoria é a de “Renda Familiar” e é nela que você deve anotar todo o dinheiro que entrou no período em sua conta, seja com o recebimento de dinheiro ou por meio de depósito em conta. O subtotal dessa categoria representa o montante que você tem disponível para o mês.

Em seguida, há nove categorias referentes a possíveis grupos de gastos: Investimentos/Serviços Financeiros; Habitação; Saúde; Transporte; Despesas Pessoais; Lazer; Educação; Dependentes; e Animais de Estimação.

Há ainda as subcategorias. Selecionamos mais de 100 itens que costumam aparecer nas despesas de todo mês, mas que também podem (e devem) ser adaptados ao seu próprio orçamento. As fórmulas serão reajustadas automaticamente (confira as instruções na abertura da planilha).

É possível checar o “peso” de cada subcategoria dentro do grupo (veja a última coluna de cada item). Essa separação é importante para saber se determinadas áreas estão representando parte maior do que o desejado em seu orçamento. Será que seu aluguel não está pesando muito dentro das despesas com Habitação, por exemplo? Será que o gasto com restaurantes está sobrecarregando as contas de lazer?

Esperamos que a ferramenta lhe ajude a transformar uma tarefa ainda vista como complicada em algo cotidiano, para que você possa mapear seu dinheiro e aprender a melhorar as economias.

Feito isso você estará preparado para começar a investir. E aproveitando que estamos falando de controle e administração das finanças pessoais, nada melhor do que você mesmo aprender a controlar e administrar os seus investimentos também!

Ainda tem gente demais “terceirizando” os investimentos, deixando essa responsabilidade, por exemplo, para seu gerente do banco ou mesmo para algum amigo ou familiar. Entenda uma coisa: ninguém, ninguém mesmo, fará a administração do seu dinheiro melhor e com mais zelo do que você.

Então leia também um relatório que criamos, e que aponta os investimentos mais ofertados pelos bancos, e que nem sempre (ou quase nunca) são bons para você (mas são muito bons para eles).

Comece aprendendo a se proteger desses “micos”. Clique aqui para ser direcionado para nossa página exclusiva com instruções sobre como baixar o relatório, e bons investimentos!

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “personal budget”, Shutterstock.

Criando Riqueza
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários