Por Carlos Jenezi, articulista da Plataforma Brasil Editorial, especialista em marketing e desenvolvimento de produtos.

Não bastasse o nome, impossível de traduzir, e da adaptada nomenclatura daquele que faz dessa atividade seu ganha-pão (marketeiro nunca me soou bem), agora o Marketing possui mais um inimigo poderoso em sua breve e conturbada existência: a política.

Não podemos dizer que o fenômeno seja novo, afinal regimes totalitários e eficientes estratégias de marketing sempre andaram juntos ao longo da história (com grande destaque para o Nazismo).

Mas é fato que a recente atividade política tem contribuído de forma consistente para que a nuvem de conceitos negativos e definições errôneas sobre essa atividade se tornem cada dia mais espessas na mente dos brasileiros.

O marketing é, por definição, meio, nunca fim. A exceção, obviamente, são as empresas provedoras deste serviço. Montadoras fazem carros e usam o marketing para divulgá-los – e principalmente desenvolvê-los –, mas sempre serão montadoras de veículos.

A mesma lógica simples se deve para qualquer empresa em qualquer ramo de atividade, usando o marketing como ferramenta (meio) de diálogo com seus clientes para gerar a venda (fim) de seus produtos ou serviços.

A inversão dessa lógica básica produz companhias vazias, fadadas ao rápido desaparecimento do mercado. É a benfazeja lógica do capitalismo, onde os melhores sobrevivem e os piores ficam pelo caminho (vale lembrar que estamos falando essencialmente de empresas privadas, competindo pelos mesmos consumidores).

Se tal lógica de inversão de papéis do marketing é temerária no ambiente privado, no ambiente público a coisa se torna ainda mais perigosa, como temos visto de forma crescente em governos de muitos países, com destaque para o Brasil.

Quando vemos marketeiros mais influentes que ministros e secretários, ou quando ações de governo são pautadas primeiramente pelos efeitos positivos que irão causar nas campanhas eleitorais, é sinal que atravessamos a perigosa fronteira da inversão de funções que irá acarretar de forma inexorável em prejuízo para os cidadãos e, porque não, à própria atividade do marketing como ferramenta de comunicação.

Como profissional de marketing, posso afirmar que não me sinto confortável ao ver meu trabalho associado à caricata imagem do marketeiro aproveitador e espertalhão, ou de práticas danosas de governança pública, que mancham e deturpam o real sentido de nossa atividade profissional e sua contribuição à sociedade.

O marketing feito de forma correta (como meio e não fim) é ferramenta essencial de transparência e comunicação, além de garantia perene de benefícios aos consumidores em muitos sentidos.

Utilizar tal ferramenta como recurso ilimitado de ilusão ou simples enganação vazia é mais uma forma que alguns de nossos políticos encontraram de se apropriar de forma indevida daquilo que não lhes pertence.

O que você acha dessa minha opinião? Concorda? Deixe seus comentários no espaço abaixo. Até o próximo.

Foto marketing compass, Shutterstock.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários