Home Agronegócio Raízen inaugura 2ª planta de etanol 2G; planejando 2025

Raízen inaugura 2ª planta de etanol 2G; planejando 2025

O etanol celulósico tem sido bastante demandado por países que buscam acelerar sua transição energética, notadamente da Europa

por Reuters
0 comentário

A Raízen (RAIZ4) está inaugurando nesta sexta-feira sua segunda planta de produção de etanol de segunda geração, passo importante de um plano que prevê a entrega de mais quatro unidades produtivas até a safra 2025/26, elevando sua capacidade total de produção do combustível para 440 milhões de litros por ano, disse a companhia à Reuters.

Localizada no Parque de Bioenergia Bonfim em Guariba (SP), a nova planta da Raízen para o etanol celulósico, produzido a partir de resíduos de biomassa do processo de fabricação do etanol comum, recebeu 1,2 bilhão de reais em investimentos.

A unidade tem praticamente o dobro da capacidade da primeira já em operação, em Piracicaba (SP), e aumentará a produção total da companhia para um volume de 112 milhões de litros por ano.

“Já temos no total de nove plantas 80% (de produção) comercializada, pelo menos. Tivemos uma demanda muito grande, principalmente para destino Europa, para essa solução de etanol celulósico, que é competitiva e única no mundo”, disse Paulo Neves, vice-presidente de Trading.

A expectativa é inaugurar mais duas unidades produtivas do E2G neste ano, em Araçatuba e Bauru, no interior paulista, e outras duas em 2025, cada uma com capacidade de 82 milhões de litros anuais.

Com isso, a companhia deve chegar a um volume de produção de 452 milhões de litros por ano na safra 25/26.

“Nesse momento, como a demanda veio muito forte e muita rápida…, a gente deu um tempo, uma parada na comercialização (de contratos para novas plantas) nesse momento, porque temos toda essa jornada de construção para concluir.”

A companhia pode voltar a comercializar contratos a partir do ano que vem para prosseguir com o plano de crescimento na área e atingir a meta de 20 plantas de E2G, indicou o executivo.

“É uma decisão comercial apenas de a gente esperar o melhor momento… Tem um olhar cuidadoso nosso de fazer a tecnologia funcionar muito bem nessas primeiras plantas antes de continuar a partir da nona.”

“Cada negócio novo que fomos fazendo ao longo do tempo, fomos fazendo comercialmente em condições melhores. O melhor negócio foi a nona planta, é uma questão realmente de gestão de portfólio”, acrescentou o executivo.

O etanol celulósico tem sido bastante demandado por países que buscam acelerar sua transição energética, notadamente da Europa, mas também Japão e Estados Unidos, disse Neves.

O principal uso do combustível nesses mercados está associado à matriz de transportes, com adição na gasolina para uso de carros de passeio.

Mas também cresce o interesse do E2G como insumo para fabricação de novas soluções energéticas, a exemplo do combustível sustentável de aviação (SAF, na sigla em inglês), além de outras aplicações em setores como transporte marítimo e químicos.

Já no Brasil, dada a elevada penetração do etanol comum entre os consumidores, a perspectiva é de que a demanda pelo E2G se desenvolva mais para a frente, diante de mudanças de mercado que devem vir com projetos como o “Combustível do Futuro”, apontou Neves.

“É um exemplo de uma empresa que está investindo para industrializar e produzir uma solução de alto valor agregado para o mundo a partir do Brasil, com tecnologia líder”, finalizou.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.