Na última semana, durante um bate-papo com amigos, o assunto que tomou espaço foi a forma como algumas pessoas lidam com as redes sociais. O comentário foi de que em seus perfis ninguém de fato mostra a sua vida como ela é, mas como gostaria que fosse.

Atendo-me ao tema de nosso interesse neste espaço, observei que quem tem problemas financeiros muitas vezes acaba criando um personagem fictício em seus perfis virtuais, alguém que só demonstra felicidade e ostenta o melhor da vida.

Confesso que nunca havia pensado a fundo na questão, mas durante nossa conversa entendi que seria um ótimo tema para um texto. Vou compartilhar algumas ideias por aqui e a partir delas abrir mais uma discussão. Gostaria muito de saber a sua opinião sobre o assunto.

Redes Sociais e status, uma combinação perigosa para o bolso

Existe um grande mal que faz parte de nossa sociedade e que sempre se renova: a necessidade e a pressão para ter e ostentar cada vez mais. Se não bastasse ter, é necessário ter o melhor (mais caro e mais moderno) e, ainda por cima, exibir tais “conquistas”.

E que lugar é mais apropriado para tanta qualidade de vida artificial e ostentação do que as redes sociais? Navegando por determinados perfis, é clara a intenção de mostrar-se absolutamente diferente da realidade.

Em 2007, ainda no começo do Dinheirama, o Conrado Navarro escreveu o texto “Ego, Dinheiro e Status? Cuidado!”, em que trouxe um ponto de vista muito interessante sobre o assunto, acompanhe um trecho do texto muito relevante:

“Status é importante? Claro que é. Como sabem, odeio hipocrisia. O ser humano é movido por muitas forças e uma delas é o ego. Sim, o ego. Status é bacana, fala sério! Quem não quer ser reconhecido, ser tido como uma referência, ser respeitado, comentado? Todos queremos. Eu quero.

O problema está em fazer dessa necessidade um projeto de vida, viver em função do status. Desfrutá-lo depois de um merecido esforço é uma coisa, criar um status artificial é outra. Ter dinheiro não tem nada a ver com ter status, embora muitos façam essa perigosa associação. Sinto desapontá-los, mas status é muito mais que isso”.

Leitura sugerida: Ego, Dinheiro e Status? Cuidado!

Só o ego pode te fazer uma pessoa pior

A verdade é que as redes sociais e a exposição característica de uma vida desejada serve como uma fuga da realidade, uma tentativa de diminuir o sofrimento com a vida real e seus inúmeros problemas e desafios.

Essa tentativa de fuga pode ser muito cruel, tanto para si como para os outros, já que alimenta a necessidade de ostentar, infla o ego e desperta inveja. O sapato, o carro e o celular novo que estão exibidos nas fotos não retratam, em boa parte dos casos, a real situação das pessoas.

Como acontece com muita gente e (quase um traço cultural por aqui), há nas redes sociais uma exploração da característica de não admitir as dificuldades, fingindo e se escondendo atrás de uma realidade que não existe. Alguém precisa pagar a conta (salgada!).

Ao começar essa reflexão sobre a ostentação que existe em boa parte dos perfis, também percebi que parece existir uma disputa, uma competição entre amigos tipo “quem tem mais e melhor”. Uma espécie de avaliação de quem pode mais, ainda que “só” na Internet.

Leitura sugerida: Status: suas festas precisam ser melhores que as do vizinho?

A educação financeira pode te fazer uma pessoa melhor

Posso parecer chato ao abordar esse assunto, afinal sei que a Internet é, para muita gente, um mundo à parte, um lugar de diversão e de acontecimentos distantes da realidade. Apesar de achar a visão muito simplista e ingênua, respeito quem pensa dessa forma.

No entanto, como alguém que gosta de observar o comportamento das pessoas, me vejo em condições de fazer uma análise crítica dessa situação. É simples: para manter um status artificial na Internet, muita gente acaba partindo para decisões precipitadas e que conduzem ao endividamento.

Um bem de alto valor comprado sem reais condições, usando linhas de crédito com juros altos, é sinônimo de muitos problemas, e problemas bem reais, difíceis de resolver aqui do lado de fora do monitor.

Dentro desse contexto, a educação financeira é grande aliada das pessoas porque age justamente no cerne do problema: só através do consumo consciente é possível construir uma relação duradoura e sustentável com as finanças. Ou seja, não se trata de dinheiro, mas de prioridades de vida e escolhas.

Via de regra, a ostentação demonstrada nas redes sócias mais prejudica que beneficia o indivíduo que opta por essa estratégia. Ao esconder uma realidade desagradável, isso acaba se tornando um problema difícil de admitir e enfrentar; é fácil acreditar na vida criada online e defendê-la, quando o certo seria lembrar do que acontece, de fato, no mundo real.

Porque, convenhamos, não somos apenas o que publicamos; somos quem somos. Redes sociais, no meu entender, são plataformas, ferramentas de comunicação e interatividade, não um trampolim para o Mundo Encantado dos Prazeres Realizados. O que você pensa disso tudo? Registre sua opinião no espaço de comentários. Obrigado.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários