Home Finanças Pessoais Redes Sociais e Status, uma combinação perigosa para o bolso

Redes Sociais e Status, uma combinação perigosa para o bolso

por Ricardo Pereira
0 comentário

Neste fim de semana, durante um bate-papo com amigos, o assunto que tomou espaço foi a forma como algumas pessoas lidam com as redes sociais. O comentário foi de que em seus perfis ninguém de fato mostra a sua vida como ela é, mas como gostaria que fosse.

Atendo-me ao tema de nosso interesse neste espaço, observei que quem tem problemas financeiros muitas vezes acaba criando um personagem fictício em seus perfis virtuais, alguém que só demonstra felicidade e ostenta o melhor da vida.

Confesso que nunca havia pensado a fundo na questão, mas durante nossa conversa entendi que seria um ótimo tema para um texto. Vou compartilhar algumas ideias por aqui e a partir delas abrir mais uma discussão. Gostaria muito de saber a sua opinião sobre o assunto.

Redes Sociais e status, uma combinação perigosa para o bolso

Existe um grande mal que faz parte de nossa sociedade e que sempre se renova: a necessidade e a pressão para ter e ostentar cada vez mais. Se não bastasse ter, é necessário ter o melhor (mais caro e mais moderno) e, ainda por cima, exibir tais “conquistas”.

E que lugar é mais apropriado para tanta qualidade de vida artificial e ostentação do que as redes sociais? Navegando por determinados perfis, é clara a intenção de mostrar-se absolutamente diferente da realidade.

Em 2007, ainda no começo do Dinheirama, o Conrado Navarro escreveu o texto “Ego, Dinheiro e Status? Cuidado!”, em que trouxe um ponto de vista muito interessante sobre o assunto, acompanhe um trecho do texto muito relevante:

“Status é importante? Claro que é. Como sabem, odeio hipocrisia. O ser humano é movido por muitas forças e uma delas é o ego. Sim, o ego. Status é bacana, fala sério! Quem não quer ser reconhecido, ser tido como uma referência, ser respeitado, comentado? Todos queremos. Eu quero.

O problema está em fazer dessa necessidade um projeto de vida, viver em função do status. Desfrutá-lo depois de um merecido esforço é uma coisa, criar um status artificial é outra. Ter dinheiro não tem nada a ver com ter status, embora muitos façam essa perigosa associação. Sinto desapontá-los, mas status é muito mais que isso”.

Leitura sugerida: Ego, Dinheiro e Status? Cuidado!

Só o ego pode te fazer uma pessoa pior

A verdade é que as redes sociais e a exposição característica de uma vida desejada serve como uma fuga da realidade, uma tentativa de diminuir o sofrimento com a vida real e seus inúmeros problemas e desafios.

Essa tentativa de fuga pode ser muito cruel, tanto para si como para os outros, já que alimenta a necessidade de ostentar, infla o ego e desperta inveja. O sapato, o carro e o celular novo que estão exibidos nas fotos não retratam, em boa parte dos casos, a real situação das pessoas.

Como acontece com muita gente e (quase um traço cultural por aqui), há nas redes sociais uma exploração da característica de não admitir as dificuldades, fingindo e se escondendo atrás de uma realidade que não existe. Alguém precisa pagar a conta (salgada!).

Ao começar essa reflexão sobre a ostentação que existe em boa parte dos perfis, também percebi que parece existir uma disputa, uma competição entre amigos tipo “quem tem mais e melhor”. Uma espécie de avaliação de quem pode mais, ainda que “só” na Internet.

Leitura sugerida: Status: suas festas precisam ser melhores que as do vizinho?

A educação financeira pode te fazer uma pessoa melhor

Posso parecer chato ao abordar esse assunto, afinal sei que a Internet é, para muita gente, um mundo à parte, um lugar de diversão e de acontecimentos distantes da realidade. Apesar de achar a visão muito simplista e ingênua, respeito quem pensa dessa forma.

No entanto, como alguém que gosta de observar o comportamento das pessoas, me vejo em condições de fazer uma análise crítica dessa situação. É simples: para manter um status artificial na Internet, muita gente acaba partindo para decisões precipitadas e que conduzem ao endividamento.

Um bem de alto valor comprado sem reais condições, usando linhas de crédito com juros altos, é sinônimo de muitos problemas, e problemas bem reais, difíceis de resolver aqui do lado de fora do monitor.

Dentro desse contexto, a educação financeira é grande aliada das pessoas porque age justamente no cerne do problema: só através do consumo consciente é possível construir uma relação duradoura e sustentável com as finanças. Ou seja, não se trata de dinheiro, mas de prioridades de vida e escolhas.

Via de regra, a ostentação demonstrada nas redes sócias mais prejudica que beneficia o indivíduo que opta por essa estratégia. Ao esconder uma realidade desagradável, isso acaba se tornando um problema difícil de admitir e enfrentar; é fácil acreditar na vida criada online e defendê-la, quando o certo seria lembrar do que acontece, de fato, no mundo real.

Porque, convenhamos, não somos apenas o que publicamos; somos quem somos. Redes sociais, no meu entender, são plataformas, ferramentas de comunicação e interatividade, não um trampolim para o Mundo Encantado dos Prazeres Realizados. O que você pensa disso tudo? Registre sua opinião no espaço de comentários. Obrigado.

Foto “Trapped in laptop”, Shutterstock.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.