LiquidezEzequiel comenta: “Conrado, vejo que muitos especialistas sugerem que devemos manter uma reserva de emergência, para imprevistos como doenças, ser despedido, etc. O principal requisito é que ela tenha alta liquidez. Porém, minha dúvida é a seguinte: se eu tenho dinheiro investido em títulos e ações, é realmente útil essa reserva? Em minha opinião essa reserva só é importante pra quem investe em aplicações de baixa liquidez, como imóveis. Qual sua opinião sobre o assunto”?

Ezequiel, obrigado pela visita. As emergências são parte da vida e nenhum consultor pode deixá-la de lado, por uma simples razão: imprevistos podem colocar todo seu conhecimento e reputação à prova. Assim, sempre recomendamos que seja dada a devida atenção aos percalços inesperados do desafio de viver. Tenha absoluta certeza de que eles também irão apresentar-se diante de você. Em maior ou menor intensidade, todos sofremos com gastos, problemas e questões emergenciais e(ou) inesperadas.

O que significa ter ou não ter liquidez?
É simples. Imagine que você comprou um carro série especial fabricado apenas em 2004, com uma motorização exclusiva daquele ano (sim, porque em 2005 ele recebeu um motor mais moderno) e, ainda por cima, amarelo. Sem dúvida um carrão e você o ama. Mas eis que surge uma emergência e você agora precisa do dinheiro. Não tendo nenhuma reserva financeira, você decide vender o carro. Entra em cena a tal liquidez.

Gostei de contar história, vou continuar. Seu colega comprou um carro semelhante, porém já ano 2005, motorização padrão e na cor prata. Ele precisou vender o carro para dar entrada na casa própria. Note que ele já está morando nessa casa e você ainda não conseguiu vender seu carro. E como você precisava muito do dinheiro, acabou se endividando junto ao cheque especial e agora passa por um momento desesperador. A emergência passou, mas ficaram-se as contas e os carnês. Ah, e o carro.

Mas o carro é tão lindo…
Posso imaginar. Independente de sua beleza, ele tem liquidez baixa. Concorda? Como vimos, ele não pôde ser transformado rapidamente em dinheiro. Viu como é fácil? Seu investimento só tem boa liquidez quando ele pode ser rapidamente resgatado. Se ele “empaca” em sua mão, sua liquidez é baixa. Aqui cabe uma pequena observação: liquidez baixa não significa que o investimento é ruim. Ele apenas carece de velocidade e no médio e longo prazos essas aplicações podem ser interessantes.

A liquidez está entendida! E a reserva? Onde ela deve estar guardada?
A ordem é usar o bom senso e um pouco de informação. As reservas devem existir sempre e, para evitar que seu próprio patrimônio lhe aplique uma peça, devem ser mantidas em investimentos ou aplicações de boa liquidez. Quanto guardar vai depender de seu padrão de vida e gastos correntes. Como exemplo, imóveis não são considerados como portadores de boa liquidez. Já a caderneta de poupança seria o extremo oposto, com ótima liquidez. Fundos oferecem boa liquidez, mas é preciso estar atento às regras de adesão.

E ações?
Perguntar se ações possuem boa liquidez é algo vago demais. Como acontece com o carro, existem ações com melhor liquidez e ações com pior liquidez. Traduzindo, observe que existem ações que muita gente quer comprar (e compra) e ações pouco procuradas. Neste terreno é preciso saber o que está fazendo para não micar na hora de vender seu ativo. A prática mais adequada é manter sempre parte de seu dinheiro em um investimento de baixo risco que, normalmente, possuem boa liquidez.

Ezequiel, está por aqui ainda?
Seu caso é interessante. Sem conhecer que tipo de ações você administra em sua carteira, fica difícil garantir qual seu nível de liquidez. Já no caso dos títulos públicos, existem sempre leilões por parte do governo para recompra dos papéis, o que garante melhor liquidez. Ainda assim, você precisa reservar parte do que tem para uma eventual emergência. Espero que reconsidere sua opinião sobre não precisar de reserva nenhuma, a menos que ela já esteja contabilizada nestes seus atuais investimentos.

Por fim, sugiro uma simples reflexão: caso precise de metade deste dinheiro hoje aplicado, conseguiria facilmente obtê-lo através da liquidação de parte de seus investimentos? Se não, procure tratar melhor a Sra. Liquidez. Certamente ela será sua melhor amiga quando, e se, você precisar. Que tal discutir a relação?

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários