Home Economia e Política Análise: Copom faz novo corte de 0,5 e Selic vai a 12,25%

Análise: Copom faz novo corte de 0,5 e Selic vai a 12,25%

por Reuters
0 comentário

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira cortar a taxa básica Selic em 0,5 ponto percentual, para 12,25% ao ano, e afirmou que prevê reduções no mesmo ritmo nas próximas reuniões.

Veja abaixo comentários de especialistas sobre a decisão do Copom.

João Savignon, Head de Pesquisa Macroeconômia da Kínitro Capital:

“O comunicado veio em linha com as nossas expectativas e pode ser recebido pelo mercado como dovish (suave), na medida em que havia uma possibilidade de o BC sinalizar a manutenção do ritmo de corte apenas na próxima reunião.

O único elemento que pode ser considerado um sinal mais duro (hawkish) foi a preocupação com a conjuntura internacional, que na avaliação do Copom está mais adversa.

Mas em nossa visão, como a taxa de câmbio tem se comportado de forma relativamente benigna, isso não traz implicações imediatas sobre a condução da política monetária doméstica.”

Andrea Damico, Economista-Chefe da Armor Capital:

“Ele usa a palavra ‘cautela’ duas vezes nesse comunicado sempre fazendo referência ao cenário externo. Sobre a questão fiscal, ele tentou reforçar, mas de uma forma muito sutil, praticamente mudando uma palavra só. Eu acho que (o tema) vai pesar sim, até mais do que o cenário externo, na minha visão, mas o Copom, até mesmo porque não tem nenhuma decisão tomada, preferiu, não se pronunciar muito a respeito disso. Eu acho que talvez na ata venha algo mais explícito em relação a como o risco fiscal pode afetar a condução da política monetária. Mas o comunicado queria passar um tom talvez mais duro e acabou fazendo isso, mas usando o cenário externo, que de fato piorou bem mesmo.”

Laura Moraes, Economista, Neo Investimentos:

“Dado o que aconteceu com a curva de juros americana e com o fiscal aqui no Brasil, um dos principais pontos de atenção em relação ao comunicado era o balanço de riscos, uma vez que, traz luz sobre a visão do comitê sobre a evolução desses dois riscos. Nesse sentido, o comunicado não alterou o balanço de riscos, mantendo-o simétrico. No entanto, nota-se a ênfase na incerteza advinda do cenário internacional.”

Paulo Gala, Economista-Chefe do Banco Master:

“Não fazia sentido acelerar o ritmo para 0,75, até porque as expectativas estão desancoradas para o ano que vem e para 2025. Além disso há uma deterioração fiscal nova no horizonte, com dúvidas sobre o cumprimento da meta fiscal no ano que vem, e um cenário mais conturbado lá fora, com o conflito no Oriente Médio, com as Treasuries de 10 anos indo a 5% e as dúvidas em relação à política monetária americana. Por outro lado, desacelerar para 0,25 não faria sentido, dado que a inflação está convergindo. Inflação este ano deve ficar abaixo do teto da meta. Então o juro real brasileiro não precisa ficar tanto acima do neutro para garantir essa convergência. A decisão foi acertada.”

Leonardo Costa, Economista da ASA Investiments:

“Dos três pontos do balanço de riscos que apontávamos como importantes, dois vieram em linha com a nossa expectativa. O Copom comentou mais detidamente sobre a piora do cenário externo, com elevação da curva longa nos Estados Unidos e com a escalada do conflito no Oriente Médio. Com dados mais fracos na margem, o BC passa a ver o ritmo da atividade doméstica como consistente com a desaceleração esperada. O Copom não celebrou os dados correntes de inflação, que vieram mais baixos no núcleos, especialmente nos serviços — o que pode ser lido como mais hawk.”

Daniel Cunha, Estrategista-Chefe, BGC Liquidez:

“No comunicado, o comitê endureceu o tom ao atualizar o balanço de riscos que absorveu maior incerteza advinda do cenário externo.

Quanto aos desdobramentos domésticos, o Copom sinalizou que estes (atividade + inflação) estão se desenrolando em linha com o esperado…

“Apesar de antecipar os próximos passos de 50bps, parece haver menor visibildiade/confiança quanto a extensão total do ciclo.”

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.