Homem, entre 36 e 45 anos de idade, natural do estado de São Paulo. Este é o perfil majoritário das cerca de 570 mil pessoas físicas hoje habilitadas a comprar e vender ações no Brasil.

São 75% homens e 25% mulheres. Um contingente cujas contas somadas totalizavam R$ 113 bilhões até abril deste ano. Que dinheirama, hein?

Na distribuição dos CPFs por unidade federativa, São Paulo (43%) e Rio de Janeiro (17%) lideram de longe a quantidade de investidores e de valores em estoque sob custódia das corretoras.

Nada mais óbvio. As duas regiões carregam uma cultura de investimento relativamente mais desenvolvida. A Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ) chegou a viver anos dourados até perder importância na década de 1990 perante a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) que, a partir de 2000, passaria a concentrar toda a negociação de ações do Brasil em um só ambiente.

O nível de renda agregado também explica o interesse dos cidadãos pela Bolsa. Segundo a última apuração do IBGE, de 2011, a ordem de maiores participações dos estados no PIB do Brasil começa por São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Exatamente da mesma forma, MG (8%) e RS (7%) aparecem logo depois de SP e RJ em termos de número de investidores pessoas físicas.

Fora do eixo Rio-São Paulo, onde está sediada a maioria das gestoras de fundos e instituições financeiras, Minas Gerais e Rio Grande do Sul têm características interessantes de perfil de aplicadores.

Na hora de procurar uma gestora ou corretora faz uma enorme diferença ao mineiro o fato de a empresa também ser mineira e localizada em Belo Horizonte, por exemplo. Outro detalhe é o valor do “boca a boca” para atrair gente nova ao mercado de ações.

Já no Rio Grande do Sul, um competente gestor de Porto Alegre contou-me que o gaúcho dificilmente opta por investir por meio de fundos. Prefere ele próprio colocar a mão na massa do que relegar a um terceiro.

A propósito, embora fique atrás em quantidade, Rio Grande do Sul supera Minas Gerais na fatia do bolo de R$ 113 bilhões na conta de pessoas físicas no Brasil. São R$ 7,34 bilhões contra R$ 6,77 bilhões, bem menos do que em São Paulo (R$ 56,03 bilhões) e Rio de Janeiro (R$ 25,84 bilhões).

Considerando o potencial do Brasil, essas cifras devem aumentar de tamanho nos próximos anos. Ou pelo menos assim espero.

Ao escrever o boletim “Minha Primeira Ação”, tenho a missão de apresentar como funciona a Bolsa de Valores por meio de uma rotina investidora. Todos os meus movimentos são monitorados e disponibilizados em relatórios mensais e quem assina para receber o material pode descobrir como tudo funciona, de forma simples e direta.

Esse curso em que a prática é a mãe das teorias cabe em qualquer perfil de novo investidor. Quem já embarcou na nave investidora (clique aqui para assinar) sabe que pode conversar comigo por e-mail a qualquer momento.

Porque no fim das contas, o aprendizado lhe permitirá aplicar em Bolsa com autonomia, como muitos destes investidores que retratei neste texto de hoje. Até a próxima.

Foto “Male investor”, Shutterstock.

Conrado Mazzoni
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários