Rio +20: sustentabilidade ou apenas um festival de retóricas?Por Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Se o objetivo da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio +20, era o de servir como um encontro que garantisse espaço e eco para a melhor expressão da diversidade terrestre, tanto no campo cultural, como no ideológico, ou mesmo para a revisão de antigos ou novos posicionamentos do universo politicamente correto, então, seguramente podemos afirmar que foi mesmo um sucesso[bb].

Rio +20: sucesso ou fracasso?
Um grande workshop multicultural, multi-ideológico. Uma verdadeira festa das multicausas. Para ficar em um exemplo, o discurso do líder iraniano – o mesmo que pregou a necessidade da extinção do estado de Israel – sobre paz, harmonia e renovação espiritual dos povos foi imperdível. A todo o tempo e para qualquer circunstância, as respostas parafraseavam a campanha de Obama em 2008: “Sim, nós podemos”.

Em meio a um ou outro protesto paralelo ou a uma ou outra manifestação mais nervosa sobre posições não integralmente respeitadas nos textos oficiais, a reação dos organizadores era a contemporização empática, tolerante e, em muitos casos, o recuo em atendimento.

Dizem as boas e as más línguas que a melhor maneira de se esquivar de uma “saia justa” é sempre dizer a palavra mágica, “Sim”. E desta forma se desenvolveu o evento, em “banho maria”. Sem decisões[bb], sem uma agenda futura com o mínimo de concretude, mas com muitos, muitos discursos e muitas, muitas encenações.

A sustentabilidade carece de engajamento?
O leitor me perdoe pelo tom ácido e um tanto irônico. Mas saiba que não faço isso por desdenhar da causa ambiental ou da importância da sustentabilidade. Muito pelo contrário, acho o tema relevante, sério e merecedor de atenção e preocupação.

Mas é importante também entendermos que o fraco engajamento da sociedade não existe por acaso. Ele é fruto dos exageros da narrativa que envolve o assunto, da patrulha ideológica que não admite uma discussão séria e crítica (nem sequer qualquer questionamento) – e acaba operando, na verdade, como uma norma comportamental. Experimente dizer em uma entrevista de emprego que você não perde o sono quando pensa na questão ambiental. Pois é…

Alguns críticos afirmam que a reunião do G20 prejudicou a efetividade do evento carioca por conta da urgência da problemática econômica que ali seria tratada, absorvendo a atenção total dos chefes de estado. De fato, em algum aspecto isso pode ter acontecido, mas na minha modesta opinião a questão é mais profunda.

Falar é fácil, fazer…
A sociedade de forma geral, seus cidadãos comuns, assim como muitos de seus líderes, simplesmente não suportam mais o festival retórico no qual foram mergulhados (pulando de cabeça). Ao mesmo tempo, sentem-se massacrados pela Patrulha Politicamente Correta que lhes cobra posições estáticas comumente aceitáveis, sem espaço para o contraditório e nem para críticas mais estruturadas.

O fato é que nesse ritmo, sem uma abordagem clara, científica, econômica, direta e focada, em pouco ou nada avançaremos além de performances. Um cenário onde as respostas serão sempre superficiais, pasteurizadas e encenadas para mascarar ceticismo e cansaço, quando não para o palco político[bb] e sua frenética busca por popularidade e votos.

E, no meio do caos, brincando na corda bamba, um joguinho divertido (mas perigoso) de empurrar a batata quente pelo único, óbvio e simples motivo: ninguém quer pagar a conta da sustentabilidade sem compensações efetivas. O jeito é esperar pela Rio +40…

E você, o que achou da Rio +20? Avançamos, de fato? O que podemos fazer para, cada um a seu modo, contribuir com a agenda proposta (ou o que deveria ter sido melhor resolvido)? Use o espaço de comentários abaixo. Até a próxima.

Foto: divulgação.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários