Quem é assinante da série Imóveis tem acesso a material extremamente bem elaborado e detalhado preparado na Empiricus, empresa parceira do Dinheirama, em um relatório completo enviado mensalmente. E mais quatro cartas (ou newsletters, se você preferir) mensais. O que aconteceu neste mês de fevereiro é que apareceram em nossa pauta dois assuntos tão importantes que mereceram dois relatórios completos.

O primeiro tema foi a crise hídrica: “Imóveis: como lucrar e não perder com a falta de água”. O outro assunto tomou proporções tão grandes que mereceu um relatório bônus (exclusivo para os assinantes da série de Imóveis).

A realidade é que recebemos aqui, literalmente, centenas de perguntas enviadas por nossos leitores que já formam um grande grupo. Na maioria das vezes o otimismo impera. As pessoas querem saber como podem ganhar mais com imóveis. Este desejo é justo. Sendo um pouco poético, todo mundo tem direito à felicidade (apesar de eu achar que felicidade não tem nada a ver com isso).

E as pessoas simplesmente não querem receber notícias sobre perdas, potenciais ou realizadas. 99,9% das correspondências não lidam com este tema.

A gente pode buscar explicação para este fenômeno na psicologia. Às vezes alguns cenários são tão dolorosos que a gente simplesmente prefere ignorá-los. Ter uma perda ou mesmo pensar na possibilidade de uma perda é um processo tão dolorido que as pessoas fazem tudo para evitar este sentimento. Isto está provado cientificamente.

O que a gente não pergunta é tão importante quanto o que a gente pergunta

E, por isso, não me espanta que, apesar de toda esta “paradeira” que estamos vivenciando no setor de incorporação imobiliária, a gente não ter sequer uma indagação de compradores atuais e futuros sobre o que aconteceria com seu imóvel se a incorporadora quebrasse.

Do ponto de vista de um comprador de imóvel na planta este é o maior risco que se está correndo. Para quem é mais jovem, talvez não se recorde ou não saiba que em 1999 a maior incorporadora do país à época, a Encol, teve a falência decretada. Foram 42.000 clientes e 700 obras em andamento deixados na mão.

Então, sim, este é um cenário possível. A Encol foi um caso à parte porque envolveu fraude, como ficou provado pelo síndico da massa falida. Mas uma incorporadora pode perfeitamente perder a mão e se enrolar toda com a complexidade que é conceber, aprovar, vender e entregar centenas de projetos imobiliários.

Como uma incorporadora quebra?

É bom saber quais são os fatores que levam uma incorporadora a quebrar. A incorporação é um negócio muito estranho. Você pode ter um empreendimento lucrativo que a partir de hoje só vai te consumir caixa e um empreendimento com prejuízos que vai te dar muito caixa a partir de agora. É tudo uma questão do momento que se olha o empreendimento. E a empresa como um todo é um conjunto enorme de empreendimentos.

Há pelo menos dois principais fatores que poderiam levar uma incorporadora a uma situação complicada – e estão explicados no relatório.

Quais modelos jurídicos são seguros?

Pode ser que tenhamos que lidar com uma quebra. E é bom saber que as incorporadoras hoje em dia operam em ambiente jurídico diferente daquele da Encol. O sistema como um todo melhorou. Entretanto, há um sistema que a incorporadora pode escolher que dará maior segurança jurídica e tem um outro sistema que parece tão seguro quanto o primeiro, mas que na realidade te protegerá menos. A dica aqui é ficar atento, pois o sistema mais usado não é o mais seguro juridicamente.

Mesmo com a melhor segurança jurídica, posso ter problemas?

A resposta é um sonoro “SIM”. Pode ser que você tenha um pepino na mão. Existem casos em que valerá mais a pena perder o dinheiro investido até o momento. E haverá casos em que os compradores precisarão se juntar e coletar dinheiro a mais. Entenda o que está envolvido nestes casos e aprenda a fazer a conta para poder decidir qual rumo tomar.

Você pode ter acesso a esse e mais materiais completos, detalhado e específicos sobre o mercado de imóveis (clique aqui para conhecer mais). Nosso compromisso é oferecer sempre informações relevantes para você que deseja comprar, vender ou simplesmente investir.

Até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto: House and backyard in women’s hands, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários