Rumos da economia brasileira: depois do sol, a chuvaDizem que na vida, assim como na dinâmica econômica, logo após as tempestades vem a bonança; e que o inverso também é verdadeiro. Honestamente, não sei se a sentença tem algum fundamento e, aparentemente, não há lógica alguma em seu raciocínio. Infelizmente.

Observem o Haiti, por exemplo. Após décadas de holocausto socioeconômico e absurdos políticos, justamente quando iniciativas internacionais começavam a gerar alguma luz (mesmo que apagadinha) no fim do túnel, como resultado dos esforços de pacificação e saneamento geral, a natureza, que não entende nada de economia ou política, resolveu se fazer presente, castigando uma nação já tão castigada com um terremoto sem precedentes. Existe lógica nisso? Certamente não.

Mas, deixando de lado aquilo que alguns pensadores batizam como o efeito da “miserável condição humana”, que insiste em nos jogar de encontro ao imponderável, ao ocaso e suas vicissitudes, lembro o leitor de que alguns eventos são, evidentemente, previsíveis. E é nesse contexto que a sentença apresentada no começo do texto faz todo sentido.

Nos últimos tempos, vivenciamos o sol onde, sustentados pelo avanço das commodities e pelo desenvolvimento do mercado interno, firmamos resistência aos efeitos do vendaval financeiro de 2008, observando uma retumbante retomada do crescimento ao longo dos dois últimos anos, contribuindo desta forma para consolidar a crença no nosso destino rumo ao olimpo das nações desenvolvidas.

Não nos faltaram alguns acontecimentos e convincentes certificações: recomendação de investimento pelas mais renomadas agências de rating do mundo (o chamado grau de investimento), elevação ao patamar de 7ª economia mundial, a descoberta de imensas reservas petrolíferas, a adesão de uma significativa camada populacional à classe média e o reconhecimento de um sistema financeiro (de fato) sólido.

O problema é que o calor do sol entorpece e traz certa preguiça.
De tantos raios solares, o nosso querido Brasil deitou-se na espreguiçadeira e, entre um bocejo e outro, cochilou. Enquanto sonhava com seu protagonismo crescente no concerto das nações, caiu no sono e descuidou-se. Não deixou de ser uma economia essencialmente extrativista, não enxugou a cansativa burocracia cartório-institucional, não aplicou choques de gestão e eficiência à máquina governamental.

Deixou de lado o processo educacional, não só para aqueles que lutam pela oportunidade de ter o mínimo de instrução, mas também para aqueles que se preparam para instruir. Pouco investiu em ciência e tecnologia, se esqueceu de realizar investimentos em infraestrutura e manteve a sua engrenagem tributária de forma tão caótica como sempre esteve.

Então, gradualmente, o sol foi se sentindo desperdiçado, subutilizado e foi sumindo, triste e decepcionado. Em seu lugar surgiram algumas nuvens e, com elas, alguns desconfortos: câmbio sobrevalorizado, inflação encostada no topo da meta e uma indústria assustada, perdendo espaço e divisas para outras nações.

Outras nações que não se acomodaram na espreguiçadeira e que, durante o sol, lutaram e lutam para se tornar potências em produtividade, desenvolvimento tecnológico e científico. Pragmáticas, se protegeram do sol, pois não queriam ser ofuscadas por sua luminosidade.

O interessante é que mesmo observando que dele se protegem, o sol lá permanece, feliz e satisfeito. Ele é histérico e foge daqueles que facilmente o aceitam. Vamos torcer (e trabalhar) para que ele volte ou ao menos que não nos abandone por completo. Se ele voltar de vez, que possamos quebrar a espreguiçadeira e continuar trabalhando.

Até o próximo.

Foto de sxc.hu.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários