Salário, cinco em cada 10 pessoas estão insatisfeitas com o salário que recebem, segundo pesquisa do Instituto Locomotiva, publicada em 2017.

A insatisfação, entretanto, não tem se transformado em ações para alcançar uma nova remuneração ou alternativas para melhorar a qualidade de vida. Pelo contrário. A cada 10 pessoas, apenas três tentam pleitear um rendimento melhor.

Um dos motivos é o medo da negociação. Melhorar o salário passa pela etapa de construção de soluções com o gestor, e é aí que entra o rótulo que a negociação infelizmente carrega. Muitas pessoas encaram esse processo como um embate, no qual para uma pessoa ganhar, a outra, necessariamente, tem que perder.

A negociação é, na verdade, um jogo de quebra-cabeça, no qual os dois lados possuem peças que se complementam. Precisam apenas encaixá-las. E para isso, o diálogo é o mais importante.

Leia também: Ficar rico: para chegar lá você precisa entender o que é riqueza

Salário: Poucos se sentem à vontade para negociar

É natural se sentir pouco à vontade para negociar o salário. Essa percepção é ainda mais comum entre as mulheres.

Segundo pesquisas, elas encaram a negociação como algo associado à ganância e se preocupam em como serão observadas no ambiente de trabalho. Independente do gênero, o medo não deveria ser fator impeditivo na busca por uma remuneração adequada. É natural ter receio de colocar em risco o emprego ou prejudicar a relação com o chefe, por isso é preciso entender a dinâmica que envolve a negociação salarial.

A preparação é uma das principais etapas. Muitas pessoas esbarram na falta de visão ampla sobre o processo em si e deixam escapar uma boa possibilidade de melhorar os rendimentos porque não se prepararam para o momento de valorizar o próprio passe frente à frente com o chefe.

Assista: GANHO POUCO, MEU SALÁRIO É BAIXO! E agora, o que eu devo fazer para FICAR RICO?

Salário: é fundamental a pesquisa do mercado

Outras questões também precisam de atenção, como fazer uma pesquisa de mercado para ter conhecimento sobre a média salarial do cargo e apresentar as contribuições para a empresa nos últimos anos, por exemplo.

Mas não adianta olhar o contracheque e questionar os rendimentos se o aumento não for realmente algo merecido. Analisar a sua trajetória profissional é um bom ponto de partida para refletir sobre as reais chances de ter o seu pedido atendido.

Encare a negociação salarial como a chance de construir um formato que seja justo e motivador para você, ao mesmo tempo em que seja viável para a empresa.

Está pronto para dar um novo passo? Considere algumas dicas:

1. Você realmente merece o aumento?

Todo profissional entende que é merecedor de uma remuneração melhor, mas a resposta deve estar em como a empresa avalia os seus resultados e a sua postura no ambiente de trabalho. Reflita de forma profunda sobre seu histórico, resultados, visibilidade, relacionamento interpessoal e nível de importância na empresa, para, então, avaliar a viabilidade do aumento.

2. A preparação é primordial

É preciso ter uma visão macro para embasar o seu pedido. Solicitações vazias, que desconsideram a forma como você é visto na empresa, seu valor de mercado e a viabilidade da sua proposta dificilmente serão aceitas. Faça uma pesquisa salarial para comparar a sua remuneração com a praticada pelo mercado, escolha o momento mais propício para conversar com o seu gestor, entenda as possíveis restrições da empresa e identifique quais são os tomadores de decisão.

Leia também: Quer um aumento de salário? Pare de reclamar e faça você mesmo

3. Prepare o seu gestor para a conversa

Conversar sobre remuneração requer uma reflexão prévia do seu gestor.  Ao abordá-lo de surpresa, sem que tenha tido a oportunidade de considerar o tema, a tendência é que ele diga “não” como reação natural de defesa. Apresente a ele a necessidade que você tem de conversar sobre o assunto e marque um bate-papo para colocar na mesa o seu pedido e os argumentos necessários.

4. Conduza a conversa de forma construtiva

Não se esqueça que a negociação salarial demanda um equilíbrio entre buscar seus objetivos e preservar o relacionamento profissional com seu gestor. A postura em relação ao chefe precisa ser construtiva, para desenharem juntos caminhos que sejam viáveis para ambos. Não conduza o diálogo de forma agressiva, colocando o seu gestor contra a parede. É necessário medir as palavras e entender que ser impositivo pode, inclusive, colocar em risco seu emprego.

Leia também: Salário das mulheres corresponde a 80% do salário dos homens

5. Pense em benefícios além do ganho financeiro

Existem vários fatores no trabalho que estão ligados à satisfação e possibilidade de crescimento. O salário é um deles, mas não o único. Dependendo das limitações financeiras da empresa ou questões internas, manter uma conversa fixa apenas no valor monetário pode inviabilizar o seu pedido. Existem itens que podem custar menos para a empresa e gerar alto benefício para você, como maior flexibilidade, trabalho remoto, upgrade no plano de saúde, banco de horas, pagamento de cursos, melhor descrição do cargo e possibilidade de novos projetos. Crie alternativas.

6. Não encare a primeira negativa como algo definitivo

Mesmo após seguir todos os passos, embasar o pedido levando em consideração seu histórico na empresa e conquistas, o aumento pode ser negado. Decisões de aumento salarial geram impactos no orçamento ou causar desconforto na situação de outros funcionários. A negociação é um processo com várias etapas e nem sempre a solução acontece na primeira conversa.

Breno Paquelet
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários