Dinheirama - Foto geralSegundo notícia veiculada pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, quem fizer compras em estabelecimentos paulistas, a partir de outubro, poderá receber de volta parte do ICMS que pagou. O governador José Serra, do PSDB, sancionou ontem a lei que implementa a Nota Fiscal Paulista, que determina a devolução de 30% do ICMS pago pelos contribuintes. A idéia, muito boa por sinal, é diminuir a sonegação de impostos, fazendo com que consumidores peçam a nota fiscal no ato da compra.

A expectativa é que mais de 750 mil estabelecimentos estejam dentro do esquema até o final de 2008. Os primeiros a aderir serão os restaurantes, já em outubro, seguidos pelos bares, lanchonetes e padarias em novembro. O comércio em geral e demais tipos de lojas terão participação garantida a partir de janeiro de 2008. Segundo a lei, estes estabelecimentos deverão enviar, pela internet, os arquivos das notas e cupons fiscais emitidos no mês anterior para efeitos de apuração e recolhimento dos impostos.

Por que é bom?
Porque você poderá usar o crédito devolvido (30%) para abater parte do IPVA, além de poder recebê-lo diretamente em sua conta corrente, caderneta de poupança ou cartão de crédito.

Como funciona?
Para que você esteja apto a receber a restituição, é preciso que:

  • você peça a nota (ou cupom) fiscal no ato da compra e informe à loja seu CPF ou CNPJ;
  • a empresa vendedora recolha o ICMS e transmita à Fazenda um arquivo das notas fiscais emitidas;
  • você se cadastre no site da Fazenda e indique como quer usar o crédito.

Quando os créditos ficam disponíveis? Como os acompanho?
Para as compras realizadas entre janeiro e junho, o crédito estará disponível a partir de outubro do mesmo ano. Para compras realizadas entre julho e dezembro, o crédito estará disponível a partir de abril do ano seguinte. Os créditos não são vitalícios e têm validade de cinco anos, desaparecendo depois deste período.

Para acompanhar seus créditos basta preencher um cadastro e informar seu CPF no hotsite da Nota Fiscal Paulista. Toda a verificação é feita online, de forma rápida e fácil.

Quais as exceções?
Segundo a Secretaria da Fazenda, o crédito não será gerado:

  • para consumidores que sejam contribuinte não enquadrado no SIMPLES Nacional;
  • para consumidores que sejam órgão ou entidade da administração pública direta ou indireta da União, Estados e Municípios,
  • exceto instituições financeiras;
  • em operações não tributadas pelo ICMS;
  • em operações de fornecimento de energia elétrica, gás canalizado ou de serviços de comunicação;
  • em operação em que o documento emitido pelo estabelecimento não for hábil, não indicar corretamente o adquirente ou tiver sido emitido mediante dolo, fraude ou simulação;
  • em operações em que houve emissão do documento fiscal no momento da venda sem o respectivo registro no portal da Nota Fiscal Paulista pelo estabelecimento comercial.

O governador, José Serra, completa:

“É uma ação pioneira. É a primeira vez que se reduz a carga tributária individual. Vamos reduzir a carga tributária do consumidor que faz suas compras no Estado de São Paulo. Nota Fiscal Paulista é a nota fiscal que gera créditos para os cidadãos”

Acredito que a iniciativa é inteligente e nós, consumidores, temos que passar a exigir a nota fiscal e usufruir destes benefícios. Por enquanto é só em São Paulo, mas pode ser que algum outro estado decida “copiar” essa prática. Para mais detalhes, consulte o guia de perguntas e respostas criado pelo Estado de São Paulo. E você, o que achou da iniciativa?

Crédito da foto para Marcio Eugenio

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários