Seja Empreendedor por apenas R$ 9,90. Aproveite!Olá leitor e colega de Dinheirama, tudo bem? Imagino que você tenha ficado um pouco assustado com o título do artigo de hoje – já aproveito para pedir desculpas àqueles cujo interesse ao começar a ler este texto era de se tornar empreendedores por tal pechincha. Vou ser sincero: estou um pouco cansado de ler, em revistas, sites e em livros, as diversas definições de empreendedorismo[bb], divagações a respeito do tema e conclusões por vezes simplistas demais. Empreender é tão fácil assim? Que reflexões devemos fazer a respeito dessa perigosa conclusão?

O título de hoje está impresso aos montes por ai. O pior é que, ao fim dos textos e das apresentações que apenas tratam de teoria, sempre existe uma pequena mensagem motivadora que, geralmente, não funciona. Algo tipo: “seja empreendedor! Faça, aconteça!”. Mas não funciona porque não tratam das questões práticas, do como fazer.

Embora algumas empresas estejam lucrando muito com a venda dessas informações, a verdade é que ninguém se torna empreendedor apenas decorando teorias e definições lidas em revistas, blogs ou ouvidas em palestras. É preciso, antes de tudo, atitude para se aprender a empreender.

Para poupá-los desse tipo de “perda de tempo”, colocarei aqui uma das melhores definições desse assunto, obtida através do site da Semana Global do Empreendedorismo e que foi elaborada pela Harvard Business School:

“Empreendedorismo é a busca incansável por oportunidades, independente dos recursos disponíveis”

Simpatizo muito, também, com o que disse o Sr. Luiz Seabra (fundador e atual Co-Presidente do Conselho de Administração da Natura), durante um vídeo da campanha do Movimento “Bota Pra Fazer”. Neste vídeo, ele fala que “o que nos faz progredir na vida são as necessidades” e que “empreendedorismo é o jeito que cada um descobre de atender certas necessidades da sociedade ou de alguém”.

Analisando essas duas definições, percebe-se que o empreendedor é aquela pessoa que possui forte motivação – ou a desenvolve, ao realizar uma atividade, seja ela qual for. Motivação, a mesma desculpa usada por muitos artigos e materiais, sempre como forma de incentivo, lembra? Então o que é realmente importante sobre isso?

Convido você a uma reflexão acerca da palavra motivação: é fácil perceber que ela provém de uma união entre as palavras motivo e ação, certo? Isso quer dizer que toda ação ocorre para atingir determinado motivo, seja ele qual for (acumular riquezas[bb], aprender mais, auto-realização ou aumento de poder, por exemplo).

Logo, é possível afirmar que empreender é ter um motivo para praticar uma ação. Isto é, ter um objetivo e, a partir do entusiasmo e da autoconfiança, agir para alcançá-lo. Assim funciona para o lançamento de um novo produto, fundação de uma empresa, para conseguir a tão sonhada vaga em uma companhia ou universidade e para muitas outras coisas.

Outro ponto que merece nossa atenção é o entusiasmo. No mesmo vídeo, o Sr. Luiz Seabra fala que “o entusiasmo é a matéria-prima imprescindível para nós transformarmos a nossa realidade e a nossa vida”. Se lembrarmos que Isaac Newton, um grande físico, afirmou, em uma de suas leis, que nada se move se não sofrer uma força, vemos como a frase tem sentido: que tal lembrarmos da força de vontade no dia-a-dia dos exemplos de sucesso que tanto perseguimos?

Para você, que lê muito sobre empreendedorismo e pensa que é difícil se tornar um empreendedor, fica o recado: apague isso de sua cabeça. Execute suas tarefas com entusiasmo (e isso não é complicado), aprenda a gostar do que você faz e faça melhor ainda o que você já gosta de fazer, mas sempre pensando em alcançar objetivos. Pronto, assim você já estará empreendendo. Ah, claro, tente também sempre melhorar a cada atividade, seguindo o lema “melhoria contínua”, ou Kaizen.

E aí? Essa tarefa é muito difícil? Minha vontade aqui é tentar colaborar para ver surgir, em você, um perfil capaz de trazer auto-realização e felicidade[bb] a partir daquilo que você faz e realiza, sendo com sucesso ou não. Vamos lá, comece desenvolvendo esse perfil através de uma pequena tarefa e veja se sua atitude durante sua execução é empreendedora segundo as definições discutidas aqui.

Comece com calma, devagar, mas sempre com autoconfiança e com força de vontade. Certo dia, ouvi uma frase de um amigo meu, proferida enquanto ele ministrava um curso de marketing, que acredito se encaixa muito bem neste nosso papo. Ele disse: “Não se preocupe se é difícil, mas sim se é possível, e se for, vá atrás de seus sonhos e faça acontecer!”

Termino, como não poderia deixar de ser, com uma frase motivacional e de impacto (no parágrafo anterior). Mas, espero, também com uma discussão amplamente alimentada pelo genuíno interesse de aprender a empreender, aqui humildemente representado pela disposição em arriscar-me nesta seara e a publicar o presente artigo. Obrigado pela leitura. Até a próxima.

——
Bruno Biscaia
é estudante de Engenharia de Produção, interessado em finanças, em gestão de pessoas e em inovação. Atua diretamente com marketing na empresa júnior da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) e edita a seção de Empreendedorismo do Dinheirama.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários