Recentemente recebi um e-mail curioso cujo o assunto era “Tem algo errado em ser medíocre?” – quem me mandou foi o Edmílson, que, infelizmente, não disse mais nada sobre ele.

O assunto me chamou a atenção e li todo o texto, que não era muito longo. Em resumo, o nosso leitor me questionou o seguinte:

“Acompanho seus textos e vídeos desde o Café com Finanças e sempre gostei da maioria deles, mas percebo que vocês (educadores financeiros) sempre falam de sucesso, ganhar mais e mais, não se acomodar e isso me perturba um pouco. Quer dizer que não posso estar satisfeito com minha vida, preciso sempre querer mais?”

Como é de costume, respondi o e-mail com um sonoro “Não”. Você não precisa e, para mim, nem deve querer sempre mais. Aliás, é um enorme privilégio estar satisfeito com sua vida. A maioria absoluta de nós vai passar a existência toda procurando exatamente essa satisfação.

Ferramenta gratuita recomendada: Dinheirama Organizze – Controle financeiro que faz sentido

Contentamento e felicidade

Isso me leva a um conceito que, sempre que eu tenho chance, trago para a pauta, que é a noção de “felicidade versus contentamento”. E, numa dessas coincidências da vida, certa vez li uma entrevista com o cantor britânico Billy Joel e ele disse algo assim:

“Estou contente com minha vida, e não há nada errado nisso. Felicidade é um estado extremo, como a tristeza. Ninguém fica feliz nem triste o tempo todo, pois simplesmente não é natural.

O mundo ocidental tem aversão ao contentamento pois o confundem com comodismo, daí essa frustração geral pois a busca se concentra em algo idealizado e muito efêmero, quando o contentamento é algo real e que pode ser duradouro. Estou contente com minha vida, pois sabemos como a condição humana pode ser miserável”

Houve alguma licença poética, pois não me lembro exatamente do que ele disse, mas a essência está aí. Isso, por si só, já responde ao e-mail do amigo Edmílson e o que eu, Renato, penso sobre o assunto.

Falamos repetidamente sobre gratidão, mas é impossível ser grato sem estar satisfeito. E há de fato essa neurose coletiva sobre estar satisfeito com o que se tem. Ao mesmo tempo que se fala muito de gratidão, muito pouco se pratica; sempre querer mais e melhor é visto como padrão de comportamento esperado.

Leitura recomendada: 10 dicas para alcançarmos educação financeira e qualidade de vida

Não minta para si mesmo

É importante também não mentir para si mesmo. Não adianta repetir mil vezes que está satisfeito com o que tem, que suas aspirações param por aí, mas a todo momento amaldiçoar aqueles que conquistam mais do que você ou reclamar da vida, do governo, da falta de dinheiro e por aí vai.

Se você está de fato contente, não há do que reclamar. Não há porque se vitimizar se a vida é boa, e ponto!

Portanto, se acomodar não tem nada de errado, desde que esta decisão seja genuína e se tenha em mente que se há benesses, claro que também existem consequências. Caso esteja tudo bem com os dois lados da moeda, vida plena é o que vale.

Estar contente não é acomodar-se

Ao mesmo tempo que acomodar-se não é errado e nem ruim, estar contente não significa (nem de longe) acomodar-se. Falando de mim: embora eu não seja financeiramente o cara mais rico do bairro, nem sequer do prédio em que moro, do ponto de vista material, sou uma pessoa satisfeita.

Mesmo com a plena consciência que não posso ter tudo, eu e minha esposa já conquistamos muito além de nossos sonhos. Quando perguntado “o que quero ganhar de aniversário?”, minha resposta é sempre a mesma: “não sei, me surpreenda”.

Sei que parece demagogia, mas, do alto dos meus quase 40 anos, para mim ficou claro que, depois de determinado ponto, carro bom é aquele que proporciona conforto, segurança, seja confiável e custe pouco para manter.

Vinho bom é aquele que eu gosto, e não o que o “master bonzão dos vinhos” diz que é o melhor. O sommelier pode entender de vinho, mas não entende lhufas do meu paladar e da minha vida.

Vídeo recomendado: Sonhar para investir: que papo é esse?

Mais do que ter, eu quero ser

Assim, do ponto de vista material, pode me chamar de acomodado (isso não seria mentira). Mas a parte material é só um pedaço muito pequeno da vida. Eu tenho muito a conquistar além disso: quero, até meu último suspiro, chegar o mais próximo possível da minha melhor versão.

Partindo dessa premissa, quero ser o “melhor eu”, para ser o melhor pai, melhor marido, melhor amigo e deixar algo relevante para esse mundo complicado. Nessa caminhada, quero ajudar a transformar vidas através da Psicanálise aliada à Educação Financeira.

Como pode ver amigo, ainda tenho muito a fazer. Vai vir mais dinheiro com tudo isso? É provável que sim. Mas não é mais o que me motiva. Sim, um dia o dinheiro já me motivou (muito) e também tive meus dias de consumista. Talvez por ter experimentado tudo isso, eu tenha alguma propriedade para escrever esse texto para você hoje.

Conclusão

Por fim, o ponto central é: não há certo e nem errado. Você pode estar satisfeito financeiramente, mas ainda em busca de outras realizações. Você pode estar satisfeito com tudo e acomodar-se; você pode simplesmente não concordar com nada do que eu falei.

O que não vale é ficar atrás das fórmulas prontas, do que os outros (seja eu ou o Papa) pensam, do que a sociedade espera. Não entre nessa. O que vale é o que você sente, o que você pensa.

A internet está cheia de “gurus” dizendo o que você deve pensar, como de se sentir, vestir, viver! Como se houvesse uma fórmula ou regra que servisse para todo mundo, quando justamente a diferença e a complexidade das pessoas é que fazem da vida algo tão interessante.

Seja o que for que você quer para a sua vida, liberte-se! Somente a liberdade mental é que nos permite evoluir e, assim, conquistar as coisas que nos movem todos os dias, mesmo que essa conquista seja aproveitar o que já se tem.

Ler, ouvir, aprender é fundamental, mas apenas como caminho para formar sua própria opinião e construir sua própria história (e patrimônio, por que não?). Pronto para quebrar as amarras mentais? Um abraço e até breve!

Renato De Vuono
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários