Gustavo diz: “Antes quero parabenizá-lo pelo seu blog bastante interessante, muito legal! Eu tenho uma poupança, e pretendo investir agora em CDB, gostaria de saber se é uma boa escolha e quais as vantagens e desvantagens desse tipo de investimento. Para você qual a melhor forma de começar a aplicar, visto que não tenho muitos recursos no momento”?

Olá Gustavo. Obrigado pela visita e pelas palavras de apoio e reconhecimento. Começo o comentário devolvendo-lhe uma pergunta: por que optou pelo CDB? Como ficou sabendo dele? Essas perguntas são importantes pois tratam de identificar possíveis agentes externos com capacidade de influenciar decisões. E parabéns pela sua atitude. Investigar, aprender mais sobre um tipo de aplicação é essencial e tenho certeza que, com essa prática, fará sempre bons negócios.

CDB significa Certificados de Depósito Bancário. São títulos de dívida emitidos pelos bancos que normalmente possuem prazo de vencimento que variam de 30 dias a 2 anos. A aplicação em CDB normalmente traz rentabilidade próxima ao CDI, que acompanha de perto a taxa Selic. Depois de entender melhor o que é o CDB, vamos a algumas perguntas importantes que elaborei e que são as mais comuns neste caso.

Como contrato um CDB? Existe um fundo CDB?
Aqui a confusão é comum. Não existe um fundo CDB. Ele é essencialmente um fundo de renda fixa que opta por compor sua carteira com um grande percentual de títulos bancários (CDB). Normalmente existem modalidades do tipo: rentabilidade pré-fixada (períodos curtos), rentabilidade pós-fixada (normalmente usa-se TR ou uma taxa de juros negociada no ato da contratação) e rentabilidade próxima ao CDI. Tome cuidado, os planos CDB dos bancos normalmente rendem de 70% a 100% do CDI e pode ser que haja alternativas melhores. A porcentagem de retorno em relação ao CDI é negociada no ato da contratação, portanto negocie!

Como é a tributação do IR para o CDB?
Como vimos que ele é um fundo de renda fixa, ele segue a mesma regra, que diz:

  • Até 6 meses, a alíquota é de 22,50%;
  • De 6 meses a 1 ano, a alíquota é de 20%;
  • De 1 a 2 anos, a alíquota é de 17,50%;
  • Acima de 2 anos, a alíquota é de 15%.

Existe algum risco?
Se o banco emissor do título quebrar, a sua garantia de recebimento limita-se ao montante que o FGC (Fundo Garantidor de Crédito) determinar. Este valor normalmente vai de R$ 20 mil até R$ 60 mil. Mas informe-se antes de aplicar seu dinheiro. Não hesite em questionar o profissional do banco.

Vale a pena mesmo? Se ele apenas se aproxima do CDI, será que investir num fundo referenciado DI não é melhor?
O raciocínio usado na pergunta é perfeito. Para a resposta há de se levar em consideração a taxa de administração do fundo DI. Ou seja, se um fundo DI garante os quase 13% do CDI mas cobra 3% de taxa de administração, significa que a rentabilidade será de 10%, ou quase 80% do CDI. Assim, se você negociar a aplicação em CDB de maneira a conseguir mais do que 80% do CDI, estará fazendo um bom negócio. Normalmente digo que para aplicar em CDB, o ideal é buscar pelo menos 85% do CDI ou então partir para um referenciado DI ou renda fixa com baixa taxa de administração.

Conclusão
Então mostrei o básico para entender o que é o CDB e suas características como investimento. Como sempre, deixando a preguiça de lado e fazendo algumas continhas, podemos chegar à uma decisão mais sensata e racional. E, diferente de quase tudo na vida, investir deve ser uma atitude desprovida de emoção, sentimentalismo ou compaixão. Todo e qualquer tipo de aplicação pode ser uma boa opção, mas pode não ser. A diferença está no que você sabe sobre ele, sobre a conjuntura econômica do país e sobre as outras opções disponíveis. Um abraço.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários