Muitas vezes nos gabamos de excelentes negócios recém realizados. Uma compra em diversas prestações a juro zero, uma troca de carro, uma nova roupa com desconto à vista. Mas será que estamos realmente fazendo bons negócios? Você sabe explicar matematicamente a razão do negócio ter sido tão bom? Para a maioria das pessoas, só interessa saber se a prestação cabe ou não no seu orçamento mensal. Você é assim? Conhece alguém assim? Ainda há tempo para mudar.

Certa vez recebi uma lição inesquecível sobre preço justo: enquanto estiver tratando do preço com o vendedor da loja, você ainda está longe do preço ideal à vista. Se a negociação chegar ao gerente da loja, então a conversa começa a ficar interessante. E o preço também. Quantas vezes você não pagou com desconto por pura preguiça de pechinchar? Ora, então acorde! Barganhe e lute por cada centavo. Afinal de contas, é o seu dinheiro, lembra? Veja a história que vem a seguir.

O juro zero é tão real quanto o coelhinho da Páscoa e o Papai Noel. Eles devem ser vizinhos. Aquela bela promoção da TV de Plasma por R$ 4000,00 à vista ou em 10 prestações de R$ 400,00 é tão atraente quanto perigosa. Como assim? Simplesmente, os juros já estão no preço à vista da TV e como grande parte do ganho da empresa deriva deles, o vendedor vai querer convencê-lo do bom negócio e negar o desconto à vista até você ameaçar ir embora. Imaginemos de outra forma. O cartaz da loja agora explica que a TV está anunciada por R$ 3000,00 à vista ou em 10 vezes com juros de apenas 2% ao mês. Se você não tem dinheiro para comprar à vista, como a imensa maioria de brasileiros, qual será sua reação? “Poxa, que roubo, 20% mais caro no final? Tô fora”!

Ficou claro? Tudo isso é apenas uma estratégia comercial. Cair nela é uma escolha sua, nossa, da sociedade. Fica o alerta: cuidado com os tais anúncios de juro zero. E fica a dica: compre, sempre que possível, à vista e barganhando bastante. Estou sendo repetitivo demais? Valeu a pena? Viva seu padrão de vida e se não pode pagar o bem à vista é porque ainda não tem condições de possui-lo. Drástico demais? Pode ter certeza de que funciona…

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários