Ao longo da nossa vida financeira, cometeremos incontáveis erros. Erros ao gastar, poupar e ao investir. Erros, erros e mais erros. Olhando assim, você pode até se assustar e pensar que com tantos erros nessa trajetória, seu futuro financeiro corre sérios riscos. Felizmente, não é bem assim.

Errar faz parte

O primeiro ponto que precisamos entender é: por que erramos tanto? Para essa pergunta, existem duas respostas. A primeira, e mais óbvia, é que não estamos capacitados para acertar. A esmagadora maioria da nossa população não tem, nunca teve e dificilmente terá acesso à educação financeira.

Conceitos básicos como orçamento, poupança, inflação, juros, dentre outros, não passam de “economês” para muita gente. Não por acaso, essas pessoas acabam metendo os pés pelas mãos quando o assunto é dinheiro.

A segunda razão pela qual cometemos tantas falhas nessa área da vida é que somos submetidos, diariamente, a decisões financeiras:

  • Qual supermercado optar para as compras?
  • O que comprar? Quanto de cada item?
  • Comprar aquela camisa linda ou não?
  • Devo pagar à vista ou a prazo?
  • Quanto de desconto realmente vale a pena?

Essas e muitas outras escolhas estão presentes no nosso cotidiano. Até aí, nenhum problema; a questão é não estar preparado para fazer as escolhas corretas. Resultado? Uma sucessão de más escolhas.

Leitura recomendada: 3 atitudes para não terminar o mês sem dinheiro

Aprender é uma escolha

Imagine um aluno que entende muito pouco de uma matéria e todo santo dia é submetido a uma prova da disciplina. O que irá acontecer com ele? Uma sucessão de notas baixas, provavelmente. Afinal, todo dia é dia de uma prova de um conteúdo que ele desconhece, certo?

Com as nossas finanças acontece a mesma coisa. Diariamente, tomamos decisões ruins simplesmente porque não nos capacitamos para tomar as decisões corretas e, mesmo assim, as provas não param de chegar (e não vão parar nunca).

Como você já deve ter percebido, quer você goste ou não, quer você saiba da matéria ou não, as provas serão realizadas quase que diariamente. Ou seja, se não é possível livrar-se delas, a única solução que nos resta é aprender e praticar para tirar boas notas. Ah, a boa notícia é que os erros cometidos até aqui podem ajudar bastante nesse aprendizado.

Se você errou é porque já fez e não deu certo. Você pode não saber ainda o que fazer, mas é provável que já saiba muitas coisas que não deve repetir com relação ao seu dinheiro. O que não comprar, onde não investir, todos esses “nãos” podem te ajudar a chegar ao “sim”. Para isso, cabe a você se preparar adequadamente para encontrar essa resposta.

Quanto aos erros do passado, você nada pode fazer, a não ser utilizá-los como aprendizado para o seu futuro. Não importa a sua idade, você ainda tem uma vida inteira pela frente. Tomar as decisões adequadas ao administrar seus recursos irá ajudá-lo a atingir seus objetivos.

Para que esse processo se torne real, a única coisa que você precisa fazer é dedicar um pouco do seu tempo a adquirir a habilidade de lidar melhor com seu dinheiro.

Leitura recomendada: 5 erros que podem acabar com o seu sonho de ficar rico

Conclusão

Sei que muita gente tem calafrios quando se trata de finanças, poupança e investimentos. Se esse é o seu caso, não tem problema. Esqueça a matemática e os números! Aprender a lidar com seu dinheiro tem a ver com seu futuro, seus objetivos, sonhos e, principalmente, com o seu propósito de vida.

Acima de qualquer outra coisa, os erros podem te ajudar a construir um futuro melhor e mais promissor do que foi seu passado. Pense nisso! Obrigado e até a próxima.

Foto “Learn from mistakes”, Shutterstock.

Samuel Magalhães
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários