O assunto não poderia ser outro: a Reforma da Previdência. Não vou tratar da proposta em si, mas discuti-la em um contexto mais amplo, sem rodeios e com o objetivo único de fazê-lo despertar para o que interessa.

Atenção aqui: contribuindo por mais tempo ou não, a verdade inconveniente é que a aposentadoria do INSS não será suficiente para manter o seu padrão de vida (ainda que você contribua para receber o teto). Releia este parágrafo antes de continuar.

“Então não vai adiantar nada ter INSS?”, você pode estar se perguntando. Toda e qualquer quantia, ainda mais quando se trata de um direito, é fundamental e importante, mas a discussão precisa sair do “O que estão fazendo com minha aposentadoria?” para o que “O que eu posso fazer para melhorar minha aposentadoria?”.

Outro aspecto importante desta discussão e que pouco se tem falado diz respeito ao cenário sem reforma alguma e do Brasil como ele realmente é. A alternativa a tantas importantes reformas (a da Previdência é uma delas, mas há a trabalhista, a tributária e etc.) sempre é a mais direta e prejudicial possível, de diversas formas: mais imposto.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

Você conhece o Brasil real?

Há mais processos trabalhistas no Brasil do que a soma de todos os processos semelhantes no mundo. Em outras palavras, nenhum país do mundo cobra tantos impostos sobre o trabalho. Ainda assim, uma reforma trabalhista que mudasse estes “direitos” seria veementemente combatida.

Temos por aqui o pior retorno em impostos de todos os 30 países mais ricos do mundo. Traduzindo: cobramos mais e oferecemos menos do que qualquer outro.

Ainda assim, nenhuma reforma tributária avança no país há pelo menos 30 anos e, ironicamente, todas as contrapropostas incluem aumentos de impostos.

A aposentadoria do brasileiro chega mais cedo do que em qualquer país da OCDE. Não bastasse essa constatação, o que isso significa é que gastamos duas vezes mais com idosos do que com a educação de todos os nossos jovens. Faz sentido? Sem julgamentos, ok?

Um dado interessante e que talvez você não conheça: os 20% mais ricos do país se aposentam em média 7 anos antes e ganhando três vezes mais do que os 50% mais pobres.

Ainda assim, uma reforma previdenciária que mude todo este quadro esta sendo veementemente combatida. E em nome dos mais pobres, o que é típico de nossos políticos. Na prática, só o que vejo é negação e mimimi por todos os lados.

eBook gratuito recomendado: Ter uma Vida Rica Só Depende de Você

Seu futuro está condenado, a não ser que você faça alguma coisa agora

Se a reforma da previdência não passar, estaremos todos ferrados; se ela passar cheia de agrados daqui e de lá, para esse e aquele grupo (como anda acontecendo), estaremos todos ferrados; se não fizermos nada, estaremos todos ferrados.

A minha sugestão para você é simples: pare de discutir quem merece ou não se aposentar antes, depois, primeiro, mais novo ou mais velho e faça uma previdência complementar. Invista por conta própria em seu futuro e não dependa do INSS.

Acredite em mim: a conta não fecha de jeito nenhum, e como a coisa está indo, menos ainda. A solução será aumentar impostos (pois é, ainda mais), então é bom você ter um bom planejamento financeiro e patrimônio porque as coisas ficarão ainda mais caras, o padrão de vida cairá e o emprego vai desaparecer.

Na dúvida, pule fora das discussões sobre a reforma nas redes sociais e use todo o tempo que gastaria lendo e comentando bobagens para aprender sobre investimentos para o futuro. E faça-os o quanto antes, e de forma constante e disciplinada.

Ao final, se você cumprir seu dever de criar o próprio futuro e uma intervenção extraterrestre resolver a questão do INSS, você terá duas fontes de renda consideráveis (seu patrimônio e a previdência social). Se nem os ETs acharem graça na gente, você ainda terá qualidade de vida e dinheiro.

eBook gratuito recomendado: Educação Financeira no Ambiente de Trabalho

Mas nem todo brasileiro consegue investir, não é mesmo?

Um amigo, Maximiliano, levantou uma questão importante sobre os brasileiros: “Só tem um detalhe, o cidadão comum, representado pela imensa maioria da nossa população, não consegue nem o suficiente para sobreviver. Será bem difícil guardar algum dinheiro hoje em dia. Concordo 100% com seu pensamento, mas ‘na pratica, a teoria é outra’”.

Outro amigo, Rafael, disse ainda: “Pena que para a maioria massiva dos brasileiros a ideia de guardar dinheiro seja uma piada de mal gosto. Mal sobra para comprar comida. São os políticos e nós na internet (dois grupos privilegiados) falando por aqueles que mal tem saneamento básico. E parece que vai se formar um acordo para manter privilégios em detrimento dos que mais precisam”.

É verdade que ter as condições ideais de poupar e investir não é algo que faz parte da realidade da maioria, mas também temos que admitir que muita gente deposita na aposentadoria oficial uma esperança infundada.

Eu prefiro dizer para estas pessoas que é melhor ralarem muito antes da aposentadoria, trabalhando mais e buscando outras fontes de renda do que depois se aposentarem e chegarem à conclusão de que não adiantou nada e terem que voltar a ralar “P da vida”.

Sim, ambos têm razão sobre a dificuldade de apenas sobreviver, mas acredito que todo esforço vale a pena para ter dignidade em uma das fases mais complicadas e caras da vida.

Felizmente, não estou apenas sonhando. Perto de mim estão pessoas que ganham salário mínimo, possuem ao mínimo mais duas atividades além do emprego e cujas famílias constroem casas para alugar em terrenos que compram na periferia.

Todos os filhos trabalham e colaboram com o projeto da família, comprometendo seu tempo e dinheiro. Eles passam um tempão economizando, vivendo de forma muito simples, então compram um terreno pequeno e aos fins de semana levantam uma casinha também simples. E alugam.

A vida destas pessoas é difícil, ralada, quase sem tempo para qualquer coisa que não seja trabalho, mas aqui neste país o futuro só se resolve assim. Infelizmente. Portanto, concordo com os amigos sobre a situação da maioria, mas as únicas variáveis que podemos controlar agora são a nossa energia e disposição: há que tentar e lutar.

Canal de áudios recomendado: DinheiramaCast, o seu podcast de educação financeira

Conclusão

Não investir no seu futuro e ainda por cima não aceitar a importância da reforma da previdência é ser ingênuo, para dizer o mínimo. Na lata, é ser irresponsável e fanfarrão. Não é de hoje que sabemos que a aposentadoria dos trabalhadores (de verdade) não dá conta do padrão de vida. Nunca deu.

Nossa capacidade de honrar compromissos enquanto país é proporcional à nossa capacidade de criar oportunidades enquanto cidadãos. Você confiaria o seu futuro ao seu vizinho? Eu não. Definitivamente não. Se você também está nessa, pratique a educação financeira. Ela é a única saída. Sempre foi e sempre será.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários