Juros CompostosCristiano escreveu: “Navarro, olhando os posts antigos não vi você falar sobre a Regra do 72. Daria um excelente artigo, não acha? O que exatamente podemos extrair deste raciocínio? Ele é verdadeiro e tem base nas fórmulas de juros compostos? Sei que você gosta de novas idéias para desenvolver seus textos, portanto taí um grande desafio. Obrigado”.

Olá Cristiano, obrigado pela visita. Desafio é uma palavra que me motiva, você tem toda razão. A regra do 72 é simples, fácil de usar, mas muito esquecida no cotidiano dos cidadãos comuns. Com ela, é possível detectar facilmente como anda a velocidade do nosso dinheiro, especialmente no que diz respeito ao poder de multiplicação do patrimônio ao longo dos anos. Obrigado pela sugestão. Permita-me desenvolvê-la.

Regra do 72? Traduzindo…
Quantas vezes você já ouviu o seu amigo dizer que suas aplicações rendem 15% ao ano? Várias, eu sei. E daí? E daí que ele resolve calcular, usando a matemática do primeiro grau, quanto tempo ele precisa manter assim seu portfólio para que seu patrimônio dobre de tamanho. Ele divide 100 por 15 e está tudo certo. “Ele dobrará em pouco menos de 7 anos” diz ele. Certo que nada. Onde ficaram os juros compostos? Seu amigo é meu amigo. Não se preocupe, ele vai aprender.

A regra do 72 permite, ainda usando a matemática de primeiro grau, que você calcule em quanto tempo seu patrimônio dobrará. Divida 72 pela taxa de juros (rentabilidade) e voilá! Bingo! Ah, ela também permite o inverso: se você quer dobrar seu patrimônio em 10 anos, precisa saber qual a rentabilidade anual mínima para que isso aconteça. Divida 72 pelo número de anos desejado e você encontra a taxa. Vamos ver dois exemplos:

Exemplo 1: Fulano possui uma carteira composta de cotas em fundos de ações, renda fixa e algum dinheiro na caderneta de poupança. Sua rentabilidade média anual é de 12% e ele quer saber em quanto tempo poderá dobrar o dinheiro de seu portfólio. Fácil: 72 dividido por 12 é igual a 6. Isso significa que o patrimônio dele dobrará em 6 anos, se tudo permanecer como está agora.

Exemplo 2: Beltrano quer dobrar seu dinheiro aplicado em apenas 5 anos, mas não sabe como ajustar sua carteira porque desconhece a rentabilidade mínima para que isso aconteça. Fácil: 72 dividido por 5 é igual a 14,4%. Beltrano, se seu portfólio rende 14,4% ao ano, fique tranquilo.

Mais simples, impossível.

É só isso?
Pior (ou melhor) que é. Mas não pense que tudo são flores. A regra do 72 não é exata para todos os valores. Taxas maiores que 20% darão resultado diferente do correto e isso tem explicação. O ideal é usar uma calculadora de valores exatos (usando pura matemática financeira) e de valores encontrados através da divisão por 72. Isso evita problemas e me exime de qualquer resultado indesejado (ufa!).

No entanto, o mais importante não é entender o “matematiquês” da coisa, mas sim sua aplicação no seu dia-a-dia. Muitos não conhecem a regra do 72, alguns não acreditam em suas respostas e outros nem sabem o que são juros compostos. Lembre-se que sabe e se interessa por esse tipo de coisa costuma receber juros. O resto costuma pagar!

Créditos da foto para Marcio Eugenio

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários