Helder comenta: “Navarro, recebi recentemente uma proposta de demissão voluntária da empresa onde trabalho. Fiz carreira lá, com 27 anos de trabalho. Cresci, conquistei um bom patrimônio e uma vida confortável para minha família, mas estou preocupado. Acho que não conseguirei manter este padrão de vida quando deixar a empresa e tenho medo da reação de minha família, dos amigos; confesso que por mim mesmo seria um alívio. Por vezes invejo a vida mais simples de alguns conhecidos que, mesmo com pouco, são muito felizes”.

Que paradoxo, hein? Trabalhamos feito loucos, ganhamos dinheiro, compramos boas casas, carros bacanas, mas muitas vezes o custo de tudo isso é um enorme desgaste físico e psicológico, além de um relacionamento familiar difícil.

Riqueza é também aprender a refletir sobre a simplicidade da vida. Poético? Autoajuda? Romântico? Nada disso! O papo que proponho tem tudo que ver com o racional, além de ser uma peça importante na sua jornada rumo à independência financeira.

Meu amigo milionário

Há alguns meses, um amigo me procurou para pedir uns conselhos. Havia tempo que não nos víamos. Ele morara em outro estado e veio visitar seus pais, que morava na mesma cidade onde moro.

Ele estava preocupado com o rumo da economia e queria saber o que eu pensava disso tudo. Não demorou muito para entrarmos nos assuntos das finanças pessoais e ele foi logo detalhando sua situação.

Era um profissional qualificado, por volta dos 45 anos, disciplinado, oriundo de família de classe média baixa. Sempre havia trabalhado para grandes corporações e estava acostumado a receber seu salário mensal, que era bem acima da média brasileira, além de bonificações extras por atingir as metas semestrais.

Ele nunca havia experimentado o desemprego, embora estivesse apreensivo com algumas manobras que estavam ocorrendo na empresa em que trabalhava. Lá ele exercia um cargo de diretoria, tendo sob sua responsabilidade uma equipe de algumas centenas de pessoas.

Cuidadoso com seu desenvolvimento profissional, foi criando os alicerces adequados para galgar posições de maior responsabilidade. Seu plano deu certo. Lá estava ele, gozando as regalias (e enormes responsabilidades) que sua posição proporcionava. Mas havia um “probleminha”: ele não estava nada satisfeito com tudo aquilo (aliás, algo muito comum hoje em dia, não?).

Leitura recomendada: Trabalhar por amor, dinheiro ou pelos dois? Como equilibrar essa equação?

O volume de trabalho era insano, as pressões por resultados eram massacrantes e o tempo era escasso a ponto de prejudicar seu relacionamento familiar (ele é casado e pai de um menino). A situação estava caminhando para a rota do divórcio – era a empresa ou a família.

Foi então que fiz a pergunta: qual o valor do seu patrimônio líquido? Sim, esta é a pergunta adequada e não aquela tradicional “Qual o valor de sua renda líquida?” (ou sua variação “Quanto você ganha?”).

Se você leu o livro “Os Segredos da Mente Milionária”, então já aprendeu que o patrimônio líquido é o que interessa. Para minha surpresa (e alegria), eu estava diante de mais um milionário! Sim, o amigo possuía um patrimônio líquido de mais de um milhão e meio de reais – um belo número que refletia a sua disciplina financeira.

Fazendo seu patrimônio trabalhar para você

A maior parte deste valor estava associado a um imóvel de quase 300m2 (era um apartamento de cobertura, com direito à uma piscina particular e, de brinde, uma taxa condominial na casa dos 4 dígitos).

Foi nesse momento que discutimos a possibilidade de ele gerar renda a partir de seu patrimônio, transformando seu bem imóvel em dinheiro e colocando-o para “trabalhar para ele”, através de investimentos com retornos anuais expressivos e adequados ao seu perfil de risco.

Dessa forma, ele poderia planejar uma transição de carreira, deixando seu bem pago (mas infeliz) emprego e garantindo tranquilidade e felicidade na busca por novas oportunidades.

Leitura recomendada: Tesouro Direto: Aprenda tudo sobre este investimento sem pagar nada!

Desapegar não costuma ser fácil

Vender o imóvel fazia todo o sentido, mas morar onde? Um apartamento de três quartos, com cerca de 100m2, parece suficientemente confortável para alojar uma família com três pessoas, e o valor do aluguel seria pouco mais que a taxa condominial que ele já pagava em sua super cobertura.

Um “downgrade”? O que os outros iriam pensar? E o “amor” por todos aqueles 300m2 tão luxuosos? E os restaurantes com culinária internacional a menos de 200 metros de casa? E o padrão de consumo da família? Agora, com um modelo financeiro mais “limitado”, alguns desses lazeres precisariam ser revistos.

Cuidado com seu padrão de vida

A esta altura, você, leitor atento que é, já entendeu onde quero chegar: independente se você é ou não um milionário, o fato é que a grande maioria das pessoas comete o erro de sofisticar suas vidas na mesma proporção do aumento de sua renda – Robert Kiyosaki chama isso de “corrida dos ratos” no seu best-seller “Pai Rico Pai Pobre”.

Para estes, não importa o quanto se ganha, o valor nunca será o suficiente. Depois do hábito instalado, a reversão desse processo é complicada.

Cultivando a simplicidade

O “segredinho” para resolver essa questão e evitar esta armadilha (que nos desvia de nossa tão sonhada independência financeira) é a simplicidade, ou o que alguns chamam de frugalidade. Já ouviu falar disso?

Calma, não estou dizendo que você não deve usufruir de seu dinheiro. O que estou dizendo é que o melhor é você usufruir de seu dinheiro sem ter que se preocupar com ele; ou ainda: usufruir de seu dinheiro a partir da liberdade proporcionada por sua correta administração. Viva a independência financeira!

Mas atenção: neste processo você precisará vencer alguns de seus “apegos” e “vícios”. No caso do meu colega, optar por viver numa cidade menor e criar um sistema de geração de renda capaz de criar R$ 10.000,00 mensais não parece difícil. Para muitos, isso seria um sonho realizado; para ele, ainda era algo inconcebível devido às “prisões” que o cercavam. Percebeu a dinâmica da coisa?

Leitura recomendada: Aprenda a construir a sua independência financeira (sim, você também pode!)

Conclusão

Em maior ou menor escala, isso acontece com muita gente, e talvez você seja uma delas. Portanto, reflita com carinho sobre tudo o que eu escrevi neste texto e avalie com as pessoas que você ama a possibilidade de vocês darem mais valor ao que é simples. Juntos!

Logo você vai perceber que não precisa de muito para experimentar a felicidade a partir do próprio patrimônio! E, mais legal que isso, você vai notar que é mais rico do que pensa! De repente você já pode se considerar uma pessoa financeiramente independente, mas ainda não se deu conta disso. Será? Até a próxima!

Foto “simple life”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários