Sabemos que há momentos na vida em que a impressão é que temos que recomeçar do zero, não é mesmo? E independente do setor que exija uma transformação, sobreviver em meio ao caos requer que juntemos todos os cacos e todas as melhores energias para seguir em frente.

Se você já passou por problemas como perdas de entes queridos, separações complicadas, relacionamentos tóxicos, doenças, falências, desastres, e outras situações do tipo, sabe o que quero dizer. Recentemente li o livro “Sobreviver: Instinto de Vencedor”, da empresária e psicoterapeuta Claudia Riecken, e este artigo traz alguns pontos ressaltados na obra.

O livro “Sobreviver: Instinto de Vencedor” resultou de oito anos de pesquisas e entrevistas da autora com pessoas que passaram pelas mais tremendas adversidades na vida, tais como uma bailarina que sobreviveu a campos de concentração nazista, um atleta que perdeu a perna, e etc.

Todas elas têm características comuns, que Cláudia Riecken agrupou e chamou de “os 12 portais da resiliência”. E como aqui no Dinheirama acreditamos que nossos leitores merecem conseguir não apenas sucesso financeiro, mas também sucesso emocional e em todas as outras áreas da vida, resolvi citar estas características que devem ser objeto de nossa reflexão constante. Você se considera um sobrevivente?

Obviamente a leitura do livro é essencial para quem quiser saber mais, mas provavelmente este artigo já lhe mostrará alguns exemplos a seguir! Quer saber os pontos comuns de quem conseguiu se recuperar das adversidades e ficar ainda mais forte? Vamos lá!

1 – Reconhecer que há uma oportunidade ou um problema e estar com o canal aberto para buscar novas soluções

O primeiro canal é estar em contato com os próprios recursos. Entender que existe um problema e mapear soluções. É preciso fazer a si mesmo algumas perguntas como: “Quem já passou por isso?”, “O que posso fazer de diferente?”, “Do que preciso me desprender?”, “Quem pode me aconselhar, orientar?” Deve-se admitir eventuais impotências diante de uma adversidade, mas aceitá-las como uma oportunidade de fazer diferente. Trata-se, como diz a autora, de uma forma completa de saber que “há males que vêm para o bem”.

2 – Agradecer altos e baixos e ter jogo de cintura 

 Como você se adapta quando a coisa aperta e a vida exige? Os melhores sobreviventes acreditam que a mais importante característica da sobrevivência é a flexibilidade, a adaptabilidade às novas circunstâncias. “Tudo, para poder melhorar, precisa de contraponto. Costumamos chamar de centrada uma pessoa que lida bem com a vida; portanto, a resiliência só é experimentada em sua melhor fase quando permitimos que nossos traços bifásicos se manifestem saudavelmente”, escreve a autora.

3 – Reconhecer seu valor pessoal e gostar de si mesmo 

 A auto-estima pode e deve ser desenvolvida, e uma crise acaba funcionando como oportunidade de reconhecer o que você gosta em si mesmo. Reconhecer o sentimento positivo sobre si mesmo é o primeiro passo para fazê-lo crescer e fundamental para enfrentar adversidades na vida.

4 – Reconhecer fraquezas e erros e livrar-se de culpas 

 Aqui é importante reconhecer atos e pessoas invalidadoras ou seja, entender que há casos onde o outro somente quer nos invalidar independente do motivo. Para lidar melhor com isso, é importante fazer uma espécie de inventário moral de si mesmo, entender que todos têm fraquezas e cometem erros, mas que a pessoa de ontem não é a mesma de hoje, portanto não temos que ficar carregando culpas, apenas usar as experiências para melhorar.

5 – Ter coragem e dar novo significado às experiências

 O foco não deve estar no problema, mas na necessidade de fazer as coisas funcionarem bem. Sobreviventes costumam agir com coragem, fazem o que precisa ser feito, mantêm a calma em situações adversas. E depois dão novos significados às experiências. Pense bem: existem coisas em príncipio ruins que lhe aconteceram e pelas quais você foi grato depois?

6 – Aprender e praticar, sendo responsável pela própria felicidade 

 Os melhores sobreviventes, diz a autora, sentem-se responsáveis por suas chances de tornarem-se mais felizes. Não são perfeitos, têm consciência das intenções atrás de um comportamento destrutivo, e procuram aprender novas formas de satisfazer os ganhos de maneira positiva.

7 – Persistir, aprimorar, reinventar e integrar sentimentos

Depois de perceberem a importância de aprender, sobreviventes sabem que é preciso continuar, persistir, melhorar, reinventar. Ou seja, um trabalho longo e para toda a vida.

8 – Disposição para seguir e sinergia

Os melhores sobreviventes aprendem a ser mais seletivos e usam a energia na medida necessária, não fazendo interferências quando está tudo bem. Por outro lado, também costumam ser empáticos, sabendo estabelecer sincronia com o interlocutor.

9 – Fazer rapport e reparações

Sobreviventes são conscientes sobre as pessoas a quem prejudicaram, tem uma grande concepção da realidade e buscam fazer reparações sempre que possível. Também têm a humildade para recomeçar e não se importam em não agradar a todos.

10 – Mudar a energia, se restaurar

Sobreviventes admitem que estão ou estiveram errados, mas descarregam a culpa, se desculpam, procuram se restaurar no mapa mental e na vida. Também sustentam uma fé inabalável, sendo que o ato de “não desistir” está baseado nessa fé.

11 – Confiar em Deus, encontrar conforto espiritual, meditar

São os valores superiores que nos dão um sentido para ser, e sobreviventes sabem bem disso. É preciso nos desafiar a confiar em um poder superior a quem demos a guarda de nossas vidas. “Quando você duvidar da sua fé, peça sinais. Deus será o primeiro a entender. Peça sinais e, em sua relação pessoal com você, Ele irá confirmar surpreendentemente a Sua presença”.

12 – Apostar no amor e transmitir essa mensagem aos outros

Finalmente, sobreviventes apostam no amor,pois só há sentido em viver quando o amor está presente, percebe? Seja o amor por nós mesmos, pelos outros, pelo nosso trabalho, por um bichinho de estimação, pela vida em si. O último portal fala de amor e de compartilhamento da mensagem. Para que isso aconteça é preciso saber que em alguns casos será necessário nos desligar de pessoas e pensamentos compulsivos para poder manter o sentimento de amor, centrando-se e compartilhando com os outros o que funciona.

Lindo, não? Por isso, da próxima vez em que algo parecer ter o poder de te tirar do rumo, acalme-se, reflita sobre estes pontos e continue seguindo. Afinal, estamos todos em constante aprendizado e melhoria! Vamos juntos!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários