Uma pesquisa divulgada realizada recentemente pelo GEM – Global Entrepreunership Monitor – revelou que estamos empreendendo cada vez mais. Atualmente, de cada dez pessoas na fase adulta, quatro – 39,3% – possuem ou pretendem abrir empresa em breve. Esse dado é o maior dos últimos doze anos e quase o dobro do que tínhamos em 2002 – 20,9%.

No entanto, nem tudo são flores! Do total de empreendedores, 44% empreendeu por necessidade. Ou seja, quase a metade dos empresários brasileiros abriu sua empresa não por vontade própria, por ter enxergado novas oportunidades ou algo assim. Essa imensidão de gente resolveu abrir o negócio próprio simplesmente por falta de opção!

Trabalhadores que perderam seus empregos com a crise, outros que já estavam desempregados e não conseguiram se recolocar no mercado, além daqueles que estão iniciando a vida profissional e não conseguem oportunidades no atual cenário compõem esse mar de empreendedores.

Leitura recomendada: Empreender: um estilo de vida com alguns desafios e muitas recompensas

Empreender, em qualquer circunstância, não é fácil! Quando se empreende por obrigação, as coisas tendem a se tornar ainda mais difíceis, portanto, é preciso tomar muito cuidado na hora de abrir a sua empresa.

Uma empresa é como um filho: requer planejamento, preparo e dedicação dos pais. Infelizmente, a maioria das pessoas deixa de observar esses aspectos, achando que depois tudo se resolve. Mas, será que se resolve?

Segundo dados do IBGE, atualmente metade das empresas sobrevivem após o quarto ano de vida. Você consegue perceber a magnitude desses números? Após apenas quatro anos, de cada 100 empresas que abriram as portas, mais de 50 – 52,5% – estarão de portas fechadas… Definitivamente.

Para fugir da perversa estatística, é necessário que se tome algumas providências:

  • Estudar detalhadamente o seu ramo de atividade;
  • Conhecer bem o seu público-alvo;
  • Analisar a melhor localização para o seu ponto comercial – se for o caso de ter um;
  • Definir as estratégias de marketing e vendas;
  • Planejar e cuidar muito bem das finanças da empresa.

Parece muita coisa? Pois tem bem mais! Aqui listei apenas uma pequena amostra do que devemos levar em consideração na hora de abrir uma empresa e iniciar um negócio.

Não estou falando isso para desestimulá-lo, caro leitor. Lido diariamente com empresários que possuem ou estão abrindo o seu negócio e espero que você também consiga realizar este importante feito.

Entretanto, sinto-me na obrigação de alertá-lo quanto aos riscos dessa empreitada. Não para que você fuja deles, mas para que você se prepare para abrir um negócio de sucesso e não tenha seu sonho de ter um negócio próprio transformado em um pesadelo.

Leitura recomendada: 3 dicas para empreender com sucesso em um pequeno negócio

Empreender não é uma ciência exata! Por melhor que seja seu planejamento, por maior que seja seu preparo e dedicação, ainda assim pode ser que a coisa não dê certo. Mas, vá por mim, as chances de dar errado nesse caso são muito, muito menores. Então, já que se trata de probabilidades, melhor tê-las a nosso favor, não é verdade?

Samuel Magalhães
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários