Home Economia e Política STF e redes sociais firmam acordo contra desinformação; vídeo

STF e redes sociais firmam acordo contra desinformação; vídeo

Segundo o STF, o acordo foi firmado na intenção de promover ações educativas e de conscientização para enfrentar a desinformação

por Reuters
0 comentário

Representantes das plataformas YouTube, Google (GOOGGOOGL), Meta (METAM1TA34), TikTok, Microsoft (MSFTMSFT34) e Kwai assinaram nesta quinta-feira um acordo com o Supremo Tribunal Federal (STF), aderindo ao Programa de Combate à Desinformação da corte, informou o tribunal em sua página oficial de notícias.

Segundo o STF, o acordo foi firmado na intenção de promover ações educativas e de conscientização para enfrentar a desinformação, mas a participação das instituições parceiras já são mais de 100 instituições é facultativo.

“Espero que esse acordo seja o início de uma relação cooperativa entre a Justiça e as plataformas digitais no enfrentamento de uma das piores epidemias do nosso tempo, que é a epidemia da desinformação e a disseminação do ódio”, disse o presidente do STF, ministro Luís Roberto Barroso, durante o evento que marcou a adesão das empresas.

Os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário têm enfatizado a necessidade de uma regulamentação das atividades das plataformas no país, justamente para conter a proliferação das chamadas fake news e de discursos de ódio.

Em uma polêmica mais recente, em abril, o bilionário Elon Musk, dono da rede social X, questionou decisões judiciais brasileiras e dirigiu críticas públicas e diretas a um dos ministros do STF, Alexandre de Moraes, responsável pela relatoria de processos que tratam da propagação de desinformação.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.