A crise hídrica nos estados do Sudeste, principalmente em São Paulo, toma a cada dia contornos mais dramáticos. Não sabemos de fato o que acontecerá com a população a partir do momento em que o racionamento aumentar (e ele vai aumentar, com certeza!).

Medidas que possam de fato causar impacto, como transposições de rios e mesmo dessalinização da água do mar necessitam de obras que além de serem muito caras demorariam muito para trazer benefícios à população.

Se você quer saber um pouco mais sobre a realidade desse assunto, sugiro a leitura do artigo “Ensaio sobre a cegueira hídrica” (clique para ler), material detalhado e realista sobre o problema. Vale conferir.

Acompanhe no gráfico abaixo a situação dos reservatórios que atendem São Paulo.

Gráfico - Reservatórios

A verdade é que as pessoas precisam se conscientizar de que a realidade é preocupante e que nossa relação de consumo com os recursos naturais precisa mudar definitivamente (e para sempre).

Suas finanças também precisam de um Volume Morto

Durante a crise, o termo “Volume Morto” foi muito utilizado. Em São Paulo, o sistema Cantareira já utiliza a segunda cota do chamado Volume Morto, que nada mais é do que uma reserva técnica disponível para atravessarmos períodos críticos como o atual.

Ao tratar desse assunto, conseguimos fazer uma ponte para o lado da educação financeira, nossa área de estudos diários, pois também para finanças pessoais é importante a manutenção de uma reserva financeira para que a travessia por momentos de crise seja realizada mais facilmente.

Criando o Volume Morto para suas finanças será possível, por exemplo, deixar de usar linhas de crédito que estão cada dia mais caras (lembre-se que os juros estão subindo). O cheque especial alcançou a maior taxa desde 1999, chegando em dezembro de 2014 a (inacreditáveis) 200,6% ao ano, de acordo com dados apresentados pelo Banco Central.

A reserva financeira precisa ser prioridade

Muita gente não possui a reserva financeira para emergências porque a mesma não é um objetivo. Óbvio, não? Alguns ainda confundem reserva com os investimentos. A reserva, como o próprio nome já diz, tem o propósito de prover tranquilidade nos momentos de crise.

A reserva será a “mão estendida” para ajudá-lo quando você ou alguém de sua família perder o emprego ou mesmo necessitar de um valor adicional para uma situação inesperada (uma doença que o impeça de trabalhar, por exemplo, fato comum principalmente na vida dos profissionais liberais e autônomos).

No artigo Reserva de Emergência: por que é importante ter uma e como montar (clique para ler), o autor Marcel Gugoni mostra como montar sua reserva financeira:

A montagem da reserva de emergência deve começar com um cálculo das contas mensais. Para quem já tem um controle financeiro eficiente, com anotações dos gastos fixos e do consumo eventual, não há muito com o que se preocupar.

“Com emprego ou sem emprego, contas de água, luz, telefone, condomínio ou aluguel e muitas outras continuam a chegar. A reserva de emergência deve ser feita para que, em meio a eventos imprevistos, estas contas continuem sendo pagas. Anotar todos os gastos fixos (esses citados acima) é o primeiro passo para transformar o fundo de emergência em algo palpável. Alguns gastos variáveis, como as compras no supermercado ou na farmácia, também devem entrar na conta – afinal, a família precisa continuar se alimentando. Uma estimativa aproximada das compras mensais ajuda a mensurar essas despesas.”

Se a reserva de emergência precisa ser um objetivo, você precisa de fato saber qual é seu verdadeiro padrão de vida para, assim, ajustar os valores que serão necessários na composição da reserva.

Situações emergências requerem medidas austeras

A reserva de emergência é criada para garantir o padrão de vida em momentos de crise, ok, mas é importante lembrar que situações emergências pedem adoção de medidas austeras – portanto, antes de sair gastando a reserva, é fundamental olhar com cuidado o orçamento pessoal, identificar despesas que não são indispensáveis e cortá-las, sem dó.

Tomar medidas de contenção de despesas não é uma tarefa tão fácil, eu sei. Pode ser que muita gente se incomode e surjam reclamações de pessoas que você gosta. Se isso acontecer, a melhor solução é o diálogo: mostre que a atual situação requer contenção de gastos e que a ação é pensada para que todos sejam beneficiados.

Quando está tudo bem, a maioria não tem a consciência de olhar com cuidado o orçamento e ver como certos pequenos gastos (que somados fazem diferença) comprometem as finanças.

Extrato bancário: espelho dos gastos

O extrato bancário é um documento importante para análise dos gastos, você pode começar por ele. Olhando-o com atenção, você saberá identificar suas despesas mais comuns e os padrões mensais. Muita gente paga diretamente via débito algumas despesas que nem se lembram que existem, portanto atenção!

Depois de olhar o extrato, é hora de trabalhar e buscar a redução das despesas selecionadas. Para isso, negocie novos valores com prestadores de serviço e busque outras opções para superar o período de crise.

Onde colocar minha reserva financeira?

No livro best seller “Dinheiro é um Santo Remédio”, os autores Conrado Navarro e André Massaro defendem que as pessoas precisam poupar pelo menos 10% da renda mensal primeiramente para formar a reserva de emergência e, claro, para investir para realizar os sonhos.

Ainda no livro, os autores defendem que a reserva garanta a manutenção do padrão de vida por pelo menos 10 meses. Então, se o padrão de vida da família é de R$ 5 mil, é importante guardar pelo menos R$ 50 mil como fundo de emergência.

Para guardar esse dinheiro (já sabemos que ele não pode ficar junto com os demais investimentos) é importante encontrar um produto que tenha três características fundamentais: segurança, baixo risco e liquidez imediata.

Traduzindo, para a reserva de emergência as pessoas jamais devem optar por imóveis, por não possuírem liquidez, nem devem alocar o dinheiro em produtos de renda variável, que possuem grande volatilidade e podem comprometer a utilização da reserva em determinados períodos.

O ideal é a renda fixa. Se optar por um fundo, escolha aquele que possui resgate que não ultrapasse dois dias, sem esquecer de se atentar aos custos e taxas envolvidos. CDBs de liquidez diária também são uma boa opção. Mesmo com rentabilidade comprometida, a caderneta de poupança pode ser uma alternativa a se considerar para a reserva de emergências (talvez apenas para isso).

Reponha o que usar e ajuste sempre sua reserva

Não esqueça que a reserva de emergência precisa ser reposta sempre que for utilizada. Assim você garante que ela sempre estará lá quando for preciso. Outro detalhe importante é ajustá-la sempre que padrão de vida aumentar.

Se você montou sua reserva de emergência cinco anos atrás, é bem provável que nesse período seu padrão de vida tenha se elevado e hoje, em razão dessas mudanças, a reserva já não garanta a tranquilidade necessária.

Conclusão

Infelizmente, os recursos hídricos para serem repostos não dependem somente de nossas ações e vontade. Economizando e usando os recursos naturais com consciência permitirá à população atravessar esse grave e preocupante momento de forma mais fácil, mas de antemão sabemos que os próximos meses serão delicados.

Agir sempre de maneira planejada e consciente é fundamental para alcançar o sucesso financeiro, por isso procure olhar o orçamento sempre com cuidado e zelo. Aproveite para tratar o assunto de forma séria em casa, provocando uma discussão sadia que envolva todos da família.

Aborde também a crise hídrica e a importância de criar o Volume Morto das finanças familiares. Nossa capacidade de superação será colocada à prova no que tange aos recursos naturais e economia, e mais uma vez a população vai precisar arregaçar as mangas e fazer, hoje, o que não foi feito no passado. É a vida!

Foto “Protecting money”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários