Olá amigo! Há um tema com o qual venho flertando já faz um tempo, e temos planos de explorá-lo mais ainda aqui no Dinheirama. Tudo na vida nasce das nossas próprias necessidades e experiências e, assim sendo, posso dizer que o tema já tem muito material bom, aguarde!

Uma das relações mais complicadas que existe, é entre filhos e dinheiro. E tudo isso por tabus que são passados de geração para geração, sem qualquer questionamento. Pior que isso, ainda se parte da velha premissa de que crianças são “bobinhas” e acabamos subestimando os pequenos. Erro “infantil”.

Os olhinhos que tudo veem! 

Ah, como se subestima a criança quando o assunto é dinheiro… Isso é algo que jamais deve ser feito. Crianças são muito mais espertas e observadoras do que eu e você. Mentir ou omitir a verdade ao dizer para o filho que não tem dinheiro é repetir uma falácia secular que, além de promover outros desserviços, serve para quebrar a confiança entre pais e filhos.

Como assim? Simples. Você acaba de sair do cinema, onde pagou pelos ingressos, pipocas e bebidas. Em seguida, vocês tomam um sorvete, para, na sequencia, pagar o estacionamento do shopping.

Porém, ao passar pela loja de brinquedos, após o pedido de “compra pai”, você̂ solta aquele sonoro “Não, papai não tem dinheiro!”. Ele pode até não falar por medo ou respeito, mas dentro daquela cabecinha rolou algo como: “Ueeeepaaaa! Tá pensando que sou bobo? Pagou cinema, pipoca, sorvete e não tem dinheiro para o brinquedo?”.

Leitura recomendada: Livros ensinam crianças a lidar com dinheiro (presenteie-os com educação financeira)

A beleza rara da mente infantil é que a lógica dela é binária: “sim ou não”. Ela não entende ainda aspectos subjetivos como “caro ou barato”.

É aí que entra a maturidade na relação: a explicação para a negativa deve se embasar em fatos que possam ser compreendidos e não conflitem com uma mentira óbvia – já que, pela simples observação, seu filho sabe que você tem dinheiro.

Por exemplo: diga que há datas específicas para ganhar brinquedos, como Natal e aniversário; mostre que ele tem muitos brinquedos; fale sobre o acúmulo de lixo no planeta, questione-o, dentro deste tema, se ele quer viver em um mundo cheio de montanhas de lixo, como no filme Wall-E, da Disney, entre outras justificativas bem ilustradas que façam sentido para a criança.

Conclusão

Assim, fundamentando tudo isso, introduza a ideia de que dinheiro é finito e apresente o conceito de negociação, isto é, a noção de que para se ter uma coisa, é necessário abrir mão de outra. Só não confunda negociação com a tão arraigada chantagem, no velho estilo “se não comer tudo, não vai ganhar tal coisa”; isso só serve para criar outro chantagista.

Ficou claro como velhas crenças podem ser prejudiciais? Parece bobagem, um detalhe entre tantos, mas não é. A relação de respeito e confiança se constrói, literalmente, desde o berço.

Está em nossas mãos deixar um rastro duradouro e uma nova forma de pensar e agir. Pouco importa o que nossos avós falavam. O que importa é que as crianças são seres como nós, com a enorme vantagem de estarem como uma folha em branco: prontas para ganharem contornos e cores.

Criar um “serzinho” é uma oportunidade única; não a desperdice. Um abraço e boa sorte com a próxima ida ao shopping! Até nosso próximo encontro.

Ebook gratuito recomendado: Como falar sobre dinheiro com o seu filho

 

Renato De Vuono
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários