O sucesso do canal “Porta dos Fundos” no YouTubeUm fato curioso aconteceu comigo há alguns dias enquanto eu visitava o YouTube: assisti intencionalmente um anúncio que passava antes de um vídeo. A propaganda era produzida e estrelada pelo pessoal do Porta dos Fundos e eu sabia que valeria a pena assisti-la até o fim, e valeu.

Isso é um dos motivos do sucesso do canal Porta dos Fundos, liderado por Antônio Tabet (Kibe Loco), Fábio Porchat, Gregório Duvivier e Ian SBF. O mais interessante de tudo é todo o sucesso chegou em apenas nove meses de web.

A aceitação dos vídeos produzidos pelo canal tem sido tão grande que também chamou atenção da revista norte-americana Forbes, que destacou a empresa de humor como uma “magnata na internet”.

Segundo a publicação da última sexta-feira (31/05), o rápido crescimento da empresa tem atraído grandes anunciantes concorrendo diretamente com a televisão aberta e fechada. Os números não deixam mentir.

Com cerca de 10 vídeos por mês o canal do Porta dos Fundos no YouTube  já possui mais de 3,5 milhões de assinantes e  300 milhões de visualizações dos seus  vídeos. A empresa conta com 34 colaboradores e sede própria para realizar as operações necessárias.

A comparação com grandes produtores de humor é inevitável. De acordo com a reportagem, a média de visualizações (24 milhões) é cerca de quatro vezes maior do que a audiência do site americano Funny Or Die, fundado por Will Ferrell e Adam McKay, que recebeu investimento de cerca de US$ 15 milhões.

O humor como estratégia de marketing

Está cada vez mais comum a encomenda de vídeos feitos pelos humoristas. Marcas como Fiat, LG, Lacta e Spoleto já fecharam acordo com a empresa para serem alvo de piadas e, quem sabe, se tornar mais um viral do canal.

No mês passado, o Estadão publicou uma reportagem sobre o valor cobrado pelo Porta dos Fundos, segundo a publicação, o valor depende de vários fatores, como número de episódios ou tempo de veiculação, mas a média é de R$ 200 mil por vídeo.

A Forbes aponta que essas empresas estão optando por uma diferente estratégia de marketing, afinal, os vídeos aproveitam o humor para tirar sarro das próprias marcas anunciantes “coisa que elas não fariam na TV”.

Cuidados para crescer

Mesmo com o crescente demanda de anunciantes em seus vídeos, o Porta dos Fundos toma cuidado para que isso não atrapalhe o crescimento de audiência. Os vídeos produzidos para as marcas não aparecem no canal oficial da empresa, mas são exibidos pelas empresas no canal delas.

Além disso, segundo a reportagem da Forbes, a empresa não está aberta a ideia de ter um estrangeiro como parceiro de negócios. “Nós não temos nenhuma intenção de vender uma participação em nossa empresa. Queremos mantê-la como uma companhia de produção independente”, disse Fabio Porchat a Forbes.

Sobretudo, Porchat afirma que o Porta dos Fundos tem uma relação comercial com o Google – controlador dos anúncios vinculados no YouTube – que é “muito boa” e que no futuro a parceria pode reservar algo interessante para ambas partes.

Vamos acompanhar, até a próxima.

Fontes: InfoMoney | Estadão | Forbes. Foto: divulgação.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários