Sucesso financeiro e atenção ao fundamentalSandra comenta: “Navarro, os assuntos técnicos são sempre muito bem abordados no Dinheirama, mas o motivo deste contato é outro: priorizar a questão financeira não é nada fácil para nossa família, especialmente porque são muitos os afazeres por aqui. Sei que o problema é mesmo de atitude e é comigo. Queria ouvir (ler) suas palavras sobre isso – elas sempre ajudam –, para, quem sabe, finalmente agir. Obrigada pela força”.

Discutir a necessidade de atenção no dia-a-dia é uma tarefa deliciosa. Sim, porque é sempre fácil encontrar áreas, temas e tarefas que merecem muito mais atenção de nossa parte e que são comumente deixados de lado por conta de justificativas tolas, simplistas e, na maioria das vezes, simplesmente incoerentes. A falta de tempo é o exemplo clássico de uma desculpa derivada da falta de atenção. E, como você já sabe, a questão vai muito além do lado financeiro. Abro parêntesis para Roberto Adami Tranjan, autor de “Rico de Verdade” (Editora Gente):

“Melhor do que colocar a atenção num futuro ameaçador, que pode se transformar em infinita espera, é manter a atenção no presente e torná-lo intenso em todos os sentidos. Significa um viver atento. Empenhar-se no trabalho para que seja realizado com alto nível de excelência. Preparar-se para receber um cliente como se recebe um convidado especial e querido para uma festa em casa. Dedicar-se a produzir um relatório como se fosse uma obra de arte. Relacionar-se com o dinheiro com total atenção e interesse”

Repare como a mensagem aborda bem a questão paralisante da dúvida diante das alternativas para um futuro tranqüilo. A comodidade infelizmente transforma a frase do autor em “vamos viver o agora, já que não é possível prever o futuro”. Tudo errado. O autor quer dizer que o medo de não chegar lá deve servir de impulso para fazer do presente o momento para fazermos tudo muito bem feito – inclusive o controle e planejamento[bb] financeiro.

1. Será que estou fazendo o que não precisa ser feito?
A pergunta pode ser simplesmente traduzida por: estou fazendo aquilo que interessa? Se não, por que não? Se falta energia e motivação para lidar com as finanças da casa é porque anda sobrando para algo que talvez nem seja tão relevante. Novela? Futebol? Cachaça? Lembre-se que você não precisa abrir mão das coisas que gosta, mas é imperativo que haja espaço em sua agenda para as coisas realmente importantes – dinheiro, não tente negar, é das que merecem o topo desta lista.

2. Alguém pode fazer isso por mim? Quem? Quando?
Delegar é um ato comum na vida corporativa. Na vida pessoal das pessoas organizadas, também. Você pode estar sobrecarregado simplesmente porque não questiona a hierarquia doméstica e se sujeita ao já institucionalizado funcionamento da casa. Isso significa apaziguar e resolver problemas que poderiam, sem sombra de dúvida, estar “no colo” de outra pessoa. Tenho certeza de que você entendeu o recado.

3. Posso fazer algo mais?
O esforço além da medida confortável é pouco valorizado em nossa cultura. O tempo livre, infelizmente, é só tempo livre. Ora, será que sacrificar poucas horas do domingo para uma reunião familiar que trate de dinheiro vai mesmo influenciar tão negativamente o dia-a-dia do lar? E por que não abrir mão de algumas horas de navegação na Internet para atualizar o orçamento? Se as desculpas forem mais fortes que a vontade de mudar, acende-se a luz do perigoso piloto automático, você se acomoda e, advinhe, sobram as desculpas esfarrapadas.

Já dedicamos inúmeras mensagens e artigos aos mecanismos de controle financeiro, possibilidades de investimento[bb], alternativas de planejamento e práticas para uma vida financeira mais equilibrada. Acontece que, em muitos casos, tudo isso simplesmente vira mais uma informação em meio aos muitos prazeres da vida, perdendo sua relevância. A mudança de comportamento sugere mais trabalho que o continuísmo social.

Portanto, quando você se ver angustiado(a) por não tratar bem o seu dinheiro, lembre-se das inúmeras vezes em que abdicou de necessários momentos de atenção aos pontos relevantes de sua vida para simplesmente viver o presente como uma saída para os problemas arrastados do passado. Depois, ainda dormiu exausto, sem qualquer remorso ou sentimento de culpa.

Acontece que o dia amanhece, o futuro se coloca presente e o presente torna-se o novo desafio – agora sim, repleto de culpa. Encará-lo com seriedade significa definir e respeitar prioridades, com atitude e energia para também deixar de lado tudo o que for necessário, ainda que menos aplausos ou sorrisos você dê ou receba. A felicidade, afinal, está em poder dormir e acordar tranqüilo. Que baita desafio, não?

——
Conrado Navarro
, educador financeiro, formado em Computação com MBA em Finanças e mestrando em Produção, Economia e Finanças pela UNIFEI, é sócio-fundador do Dinheirama. Atingiu sua independência financeira antes dos 30 anos e adora motivar seus amigos e leitores a encarar o mesmo desafio. Ministra cursos de educação financeira e atua como consultor independente.

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários