Home Economia e Política Suprema Corte dos EUA avalia leis de Flórida e Texas que regulam plataformas de mídia social

Suprema Corte dos EUA avalia leis de Flórida e Texas que regulam plataformas de mídia social

Whitaker argumentou que os direitos da Primeira Emenda não estão em causa porque a lei da Florida regula a conduta e não o discurso ou a expressão

por Reuters
0 comentário

A Suprema Corte dos Estados Unidos explorava nesta segunda-feira os direitos de liberdade de expressão na era digital, num par de casos que testam a legalidade das leis apoiadas pelos republicanos na Florida e no Texas, que restringem a capacidade das plataformas de redes sociais para refrear conteúdos que estas empresas considerem questionáveis.

Os argumentos perante os juízes estavam em andamento.

A questão é se essas leis estaduais de 2021 que regulam as práticas de moderação de conteúdo por grandes plataformas violam as proteções de liberdade de expressão para as empresas de acordo com a Primeira Emenda da Constituição dos EUA. Os tribunais inferiores se dividiram sobre a questão, bloqueando as principais disposições da lei da Flórida e mantendo a legislação do Texas.

O juiz conservador John Roberts, que chefia a Suprema Corte, questionou Henry Whitaker, representante legal da Flórida, sobre as preocupações relacionadas com a Primeira Emenda relativamente ao fato de “o Estado regular aquilo a que chamamos a praça pública moderna”.

Whitaker argumentou que os direitos da Primeira Emenda não estão em causa porque a lei da Florida regula a conduta e não o discurso ou a expressão.

O juiz conservador Brett Kavanaugh pressionou Whitaker sobre como conciliar este argumento com decisões anteriores da Suprema Corte que “enfatizam o controle editorial como sendo fundamentalmente protegido pela Primeira Emenda”.

As leis foram contestadas pelos grupos comerciais do setor de tecnologia NetChoice e Computer & Communications Industry Association (CCIA), cujos membros incluem a Meta, a Alphabet, o TikTok e a Snap.

Nenhuma das leis entrou em vigor devido ao litígio.

Os juízes precisam decidir se a Primeira Emenda protege a arbitragem editorial das plataformas e proíbe que os governos forcem as empresas a publicar conteúdo contra sua vontade.

As empresas têm afirmado que sem essa arbitragem — incluindo a capacidade de bloquear ou remover conteúdo ou usuários, priorizar determinadas publicações em detrimento de outras ou incluir contexto adicional — seus sites seriam invadidos por spam, bullying, extremismo e discurso de ódio.

Outra questão para os juízes é se as leis estaduais sobrecarregam ilegalmente os direitos de liberdade de expressão das empresas ao exigir que elas forneçam aos usuários explicações individualizadas para determinadas decisões de moderação de conteúdo, incluindo a remoção de publicações de suas plataformas.

O governo do presidente Joe Biden, que se opõe às leis da Flórida e do Texas, tem argumentado que as restrições de moderação de conteúdo violam a Primeira Emenda ao forçar as plataformas a apresentar e promover conteúdo que consideram questionável.

Autoridades da Flórida e do Texas têm argumentado que as ações de moderação de conteúdo dessas empresas não se enquadram na proteção da Primeira Emenda porque essa conduta — que elas consideram como “censura” — não é, em si, discurso.

Ao sancionar a lei em 2021, o governador da Flórida, Ron DeSantis, disse: “Muitos em nosso Estado vivenciaram a censura e outros comportamentos tirânicos em primeira mão em Cuba e na Venezuela. Se os censores das Big Tech aplicarem as regras de forma inconsistente, para discriminar em favor da ideologia dominante do Vale do Silício, eles agora serão responsabilizados.”

A lei da Flórida exige que as grandes plataformas “apresentem algum discurso que, de outra forma, prefeririam não apresentar”, proibindo a censura ou o banimento de um candidato político ou ’empresa jornalística'”.

O governador do Texas, Greg Abbott, ao sancionar a lei em 2021, disse: “Há um movimento perigoso de algumas empresas de mídia social para silenciar ideias e valores conservadores. Isso é errado e não permitiremos isso no Texas.”

A lei do Texas proíbe as empresas de mídia social com pelo menos 50 milhões de usuários ativos mensais de agir para “censurar” usuários com base em “ponto de vista” e permite que os usuários ou o procurador-geral do Texas processem as plataformas para aplicar a legislação.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.