Ser sustentável é conseguir administrar da melhor forma possível os recursos disponíveis. A sustentabilidade se aplica a várias áreas, principalmente nas quais esses recursos são mais escassos. Cada vez mais, ouvimos falar sobre sustentabilidade ambiental, por exemplo, mas não é só aí que o conceito pode ser aplicado.

Na vida pessoal, uma das coisas mais difíceis é a sustentabilidade financeira. Mas nunca é tarde para aprender e algumas dicas podem ajudar a melhorar as finanças pessoais. Primeiro, é importante lembrar que para sua vida financeira ser saudável, você não pode esquecer um conceito básico: não pode gastar mais do que recebe. É simples, mas muita gente erra exatamente aqui.

Comprar mais do que pode pagar é o começo do fim, principalmente se for no cartão de crédito. O rotativo, que acontece quando se paga apenas parte da parcela, tem um dos juros mais altos praticados no mercado.

De acordo com uma pesquisa divulgada em janeiro pela Associação Proteste de Consumidores e a Fundação Getúlio Vargas, a taxa anual de refinanciamento no rotativo pode chegar a 700% no Brasil, disparada a taxa mais alta da América Latina.

Para não viver apenas para pagar contas, deve-se ter planejamento. Saber quanto se consegue poupar e o que fazer com esse dinheiro no longo prazo. Por mais difícil que seja, essa é a melhor maneira de não se ver em apuros.

Uma prova de como o planejamento financeiro funciona é que mesmo grandes empresas adotam medidas para consolidar o crescimento no médio e longo prazo. A Cielo, por exemplo, dona de 53% do mercado de credenciamento de cartões, pretende priorizar o crescimento orgânico no Brasil em 2014, visando lucros obtidos através da expansão no mercado da empresa.

Já as empresas do Grupo EBX, de Eike Batista, são um exemplo de como não gerir financeiramente sua vida. Duas empresas do grupo – a construtora naval OSX e a petrolífera OGX – entraram em recuperação judicial no fim do ano passado.

Antes disso, em junho, o Grupo EBX havia tentado a reestruturação da dívida, como explicamos detalhadamente aqui no Dinheirama. Ou seja, prometeram mais do que poderiam cumprir.

O exemplo das empresas é apenas para ilustrar que gestão é fundamental, e existem maneiras de facilitar o planejamento pessoal. Uma delas é o uso de tabelas. Isso mesmo, planilhas de despesas ajudam muito no controle das finanças.

Sistematicamente, com o tempo você irá conhecer seus gasto fixos mensais e o que anda gastando além disso, assim podendo eliminar essas despesas quando forem inúteis. Segundo a BankFacil, há três vantagens em se usar uma planilha para controle de gastos:

  • Com uma planilha de despesas é possível conhecer receitas e gastos;
  • Com uma planilha de despesas é possível quitar dívidas e prevenir endividamento;
  • Com uma planilha de despesas é possível planejar o futuro.

Em resumo, isso é seu planejamento: saber de onde sai cada centavo do seu dinheiro, para ele vai e como fazer para guardá-lo. Com o tempo você passará a viver para gastar e não mais gastar para viver. Definir suas prioridades, planejar-se para elas, gastar menos do que ganha e investir, isso é sustentabilidade financeira.

Foto “Business woman”, Shutterstock.

Agatha Cavalcantti
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários