Sustentabilidade: insistimos em aperfeiçoar uma roda quadrada?A memória extrativista nômade, legado de nossos ancestrais mais longínquos, perpetuada durante toda a Antiguidade e Idade Média[bb] e remodelada durante a Idade Moderna continua a exercer uma forte influência sobre as relações de poder e o modo de produção vigentes. Se por um lado nossa supremacia como espécie foi viabilizada pelo extrativismo nômade por milhares de anos, hoje ele representa o maior obstáculo à continuidade da nossa espécie.

Apesar de, historicamente, não sermos mais considerados extrativistas nômades desde o Período Neolítico (8.000 A.C. – 4.000 A.C.), essa característica vem nos acompanhando desde o aparecimento do Homem sobre a Terra. Buscamos os recursos (naturais, gente, dinheiro), os usamos até a exaustão e partimos para novos lugares (regiões, mercados, instituições).

Assim como o Homem extrativista nômade do Período Pré-Histórico era basicamente um coletor, durante a Antiguidade, Idade Média, Idade Moderna e Contemporânea, os grandes centros de poder também funcionaram e funcionam até hoje como grandes coletores.

Sim, esses centros eram fixos, como foi o caso do Império Romano[bb], mas seus braços se estendiam sobre outras regiões para subjugá-las e extrair (sem repor) todo o tipo de riqueza que essas regiões poderiam oferecer: minerais, mão de obra, capital, recursos naturais e etc. E, quando uma dessas regiões era totalmente exaurida, esses braços se mudavam para outras regiões – daí o conceito de nomadismo.

Somos assim?
O extrativismo nômade assumiu várias formas durante todos esses anos: Imperialismo, Colonialismo, Globalização. Talvez um grande exemplo de extrativismo nômade que podemos observar atualmente aqui no nosso país é esse interesse “súbito”, principalmente por parte das instituições financeiras, pelas classes C e D, ou até mesmo o pré-sal.

O grande problema do extrativismo nômade é, como o próprio nome diz, a extração sem a devida reposição, o que gera o esgotamento de um recurso, de um povo, de um grupo, para saciar a fome de poder ou recursos de um ente maior – que, ao perceber esse esgotamento, redireciona a sua atenção e esforços para outros lugares (ou pessoas) que possam ser igualmente explorados.

A expectativa de vida aumenta os perigos da exploração!
A questão é que agora temos “um tal de longo prazo” que afeta diretamente essa equação extrair/esgotar/redirecionar. Nos últimos 200 anos, ganhamos um excedente de vida de impressionantes 30 anos. A curva de expectativa de vida humana é algo que se manteve praticamente estável até o final da Antiguidade, quando vivíamos em torno de 20 anos. Durante toda a Idade Média chegávamos aos 30, 35 anos.

E, de repente, a partir do século XIX essa curva entra numa ascendente vertiginosa, chegando hoje aos 75 anos. Se fôssemos traçar uma curva de tendência, hoje estaríamos vivendo em torno de 45 anos – e neste caso, caro leitor, eu não estaria escrevendo esse artigo, primeiro porque não estaríamos enfrentando o desafio que me levou a escrever o artigo e segundo porque eu provavelmente já “não estaria mais aqui”.

Onde isso vai nos levar?
Embasamos toda a nossa evolução no princípio de uma espécie de roda quadrada. E sinto que todo esse movimento em torno do tema sustentabilidade[bb] que vemos hoje parece ter como objetivo aperfeiçoar a “quadradice” dessa roda para que o nosso trajeto seja mais suave.

Do meu ponto de vista, é urgente abandonar essa memória e sair questionando e quebrando todos os paradigmas que envolvem o modo de produção e as relações de poder vigentes para então começar a vislumbrar a possibilidade de se construir uma roda redonda. Essa sim, apropriada e adequada para dar continuidade ao nosso trajeto como espécie.

Gostaria de saber sua opinião sobre o tema. Como você vê a “evolução” das relações de poder, o capitalismo, a globalização e essa insistência nos mesmos modelos de extrativismo nômade de nossos ancestrais? Sente que algo precisa mudar? Use o espaço de comentários abaixo para alimentar a discussão. Até a próxima.

Foto de sxc.hu.

Adriana Spacca Olivares Rodopoulos
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários