Talento essencial, medo, dinheiro e sucessoSou educadora em cursos técnicos e minha disciplina é voltada para o Desenvolvimento Humano. Um dos últimos estudos realizados em classe foi baseado em um texto animador da Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva sobre os jovens e o novo mercado de trabalho. Um aspecto relevante levantado por ela foi que caminhamos para um mundo movido a talento:

“Vivemos em uma economia que é movida a talento. Ele é capaz de gerar novas e ousadas ideias que, transformadas em produtos ou serviços, geram riquezas ou promovem mudanças que podem mudar o mundo para melhor. Cada ser humano é único e possui um talento essencial. Descobrir os próprios talentos e poder expressá-los ao mundo em que vivemos justifica a nossa existência e traz realizações pessoais (profissional, afetivo, familiar, social)”.

“Nem sempre descobrimos facilmente nosso talento essencial (principalmente sozinhos), mas nunca devemos desistir de alcançá-lo. Afinal de contas, com o tempo, todos nós teremos que administrar nossas personalidades, e para isso devemos ter a habilidade de identificar e desenvolver os mais expressivos talentos pessoais”.

A receptividade ao tema foi muito boa, os alunos conseguiram ver a importância da atenção aos aspectos fundamentais para o sucesso profissional: o cuidado com o autodesenvolvimento e o foco nas busca dos objetivos pessoais. Talento e empreendedorismo[bb] caminham juntos.

Por que não fazemos o que queremos e podemos?
Como quase tudo em nossa vida, quando saímos do plano das ideias e trazemos esses elementos sinalizados pela autora e por tantos outros especialistas para a vida real, o encontro com o talento essencial ganha um novo contorno. Em outra discussão proposta dentro do tema, os alunos revelaram as dificuldades desse encontro e as barreiras de tornar real cada sonho empreendedor.

O medo foi o limitador mais citado entre as opiniões. O medo de arriscar, de pensar fora da caixa e não ser aceito. Vivemos em uma sociedade, digamos, “formatada” e é comum a inovação incomodar, pois traz a necessidade de ajuste. Em vários casos, esse medo revela a dependência que temos em relação às pessoas – é normal o ser humano buscar a aprovação, mas quando esse sentimento impede a evolução pessoal, a vida se torna uma espécie de escravidão suave no dia a dia.

A insegurança, a baixa autoestima e o comodismo vão minando as possibilidades de voos mais altos, de acordo com outros alunos. A cegueira em relação aos talentos pessoais e a imagem depreciativa que a pessoa tem de si mesma podem ser notadas por meio de frases do tipo “isso não é para mim”, “isso é para gente rica”, “estou muito velha para mudar” ou “não sei fazer nada direito”.

Os pensamentos constantes nesse sentido aprisionam e criam uma realidade limitada. Acredito que todas as pessoas tem uma missão nobre nessa existência, uma missão pessoal de superação e da busca pelo bem. Achar que talentos são para os outros parece cômodo demais, concordam?

Nem tudo se resume a mais dinheiro…
Ainda nesse aspecto, uma pequena provocação para aguçar novos pensamentos: um pouco desse comodismo e desanimo tem raízes na sociedade[bb] que insiste em prestar atenção e enaltecer a dupla “Sucesso e Dinheiro”! Muito dinheiro! Entendam que o dinheiro é resultado de um trabalho bem executado e não há nada errado em recebê-lo – o que incomoda é a distorção do conceito essencial de sucesso.

Eu e felizmente muita gente, compreendemos o sucesso como algo que vai além do aspecto financeiro. Para traduzir esse entendimento, vejam o que o filósofo Ralph W. Emerson escreveu, no século XVIII, sobre o tema:

“Rir muito e com frequência; ganhar o respeito de pessoas inteligentes e o afeto das crianças; merecer a consideração de críticos honestos e suportar a traição de falsos amigos; apreciar a beleza, encontrar o melhor nos outros; deixar o mundo um pouco melhor, seja por uma saudável criança, um canteiro de jardim ou uma redimida condição social; saber que ao menos uma vida respirou mais fácil porque você viveu. Isso é ter tido sucesso”.

O sucesso é algo pessoal!
É óbvio que cada um é livre para entender o sucesso segundo seus próprios filtros, mas é preciso atenção à avalanche de conceitos excludentes que acabam contribuindo para que muitas pessoas não expressem seu talento porque alguns falam que “isso não dá dinheiro” ou “aquilo não é para você”. Ora, todos os talentos são essenciais, todas as profissões cooperam para a construção de uma sociedade (a questão das incoerências salariais já é outra história).

Assim, em meio às contradições diárias existe um espaço muito especial para a esperança! Saber ler a vida com olhos de atento aprendiz é aproveitar cada dia para ser uma pessoa melhor. Evoluir é o caminho. Descobrir os talentos, tomar posse deles e usá-los para construir uma vida e um mundo melhor é uma questão de aprendizagem.

Aprender liberta e oferece ferramentas para buscar a excelência pessoal. Sou testemunha de muitas conquistas dos meus alunos e isso sempre me emociona. Afinal, já está na hora de quebrar modelos desgastados que não atendem aos anseios de mentes conscientes do Belo, do Bem e do Bom.

Compartilhe conosco seu ponto de vista sobre talento e sucesso usando o espaço de comentários abaixo. Será muito bom conhecer o pensamento de vocês sobre esse tema ainda polêmico. Abraço grande e até a próxima.

Foto de sxc.hu.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários