TAM vende passagens mais caras para brasileiros; PROTESTE atenderá os lesadosNo último dia 16, brasileiros se revoltaram pela internet contra os preços cobrados pela companhia aérea TAM. Não foi por menos, as várias críticas dos usuários tinham como base a grande diferença de preços para clientes de locais diferentes.

A discussão começou quando o usuário Leo Barbalho publicou uma foto no Facebook mostrando a diferença de preço para uma passagem no trecho Congonhas – Santos Dumont. Quando a página era acessada em inglês o preço era de, aproximadamente, R$ 116, enquanto que visualizar a mesma página em português mostrava um valor de R$ 705.

O resultado foi de reclamação quase imediata. No Facebook e no Twitter, os clientes reclamavam acusando a companhia de desrespeitar os passageiros brasileiros.

TAM responde

Aproveitando a “confusão” na rede social, a TAM afirmou em sua fanpage que um erro gerou “uma grande diferença nos preços, para iguais trechos” entre os sites do Brasil e os do exterior. No entanto, a empresa também ressaltou que define seus preços com base nas demandas de cada mercado e que, por isso, os valores podem variar.

A nota divulgada pela companhia dizia:

“Informamos que um erro no sistema de disponibilização de tarifas causou uma significativa diferença nos preços, para iguais trechos, em nossos sites do Brasil e do Exterior. Foi um erro temporário e já foi corrigido, graças ao alerta de nossos clientes. Vale ressaltar, porém, que trabalhamos com o conceito de composição dinâmica de preços, tanto no mercado brasileiro quanto no exterior. Sendo assim, o que determina o valor das passagens é a demanda de cada perfil de passageiro e a oferta disponível, o que pode variar de acordo com cada mercado. Por isso, o nosso site possui versões para cada país em que operamos, obedecendo às legislações locais. Cada uma das versões só permite compras com cartões de crédito emitidos no país selecionado pelo cliente.”

PROTESTE auxilia lesados

A entidade civil sem fins lucrativos PROTESTE divulgou em seu site oficial que atenderá os lesados pela TAM. Segundo o comunicado, a PROTESTE atenderá gratuitamente todos os consumidores que foram prejudicados com a venda de passagens com preços diferentes, nos sites em inglês e em português.

Para que os lesados possam ser orientados sobre seus direitos, a PROTESTE informou o contato com o atendimento jurídico da organização pelo telefone 0800 725 0304.

Ainda segundo a divulgação no site da entidade, tal prática é considerada abusiva, de acordo com o artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), pois estabelece valores diferentes para a mesma aquisição de produto ou serviço.

O artigo 31 do CDC também entra em questão, pois ele obriga a informar corretamente, inclusive os preços, na oferta de produtos ou serviços. Em outras palavras, quem comprou o bilhete mais caro e o equivalente no site em inglês estava mais barato, poderá pedir à empresa o reembolso.

Por que essa notícia é importante?

Infelizmente, esse tipo de prática se mostra comum no Brasil. Muitos dos produtos e serviços chegam ao pais com preços maiores do que no exterior. É verdade aqui, temos diversos pontos que devem ser considerados, principalmente a alta carga tributários, mas na ponta do lápis se percebe que os preços sim são em alguns casos abusivos.

A notícia é um alerta para que os consumidores busquem seus direitos e não aceitem qualquer oferta de preço. Se você deseja buscar alternativas para  passagens mais baratas  o Dinheirama publicou recentemente um artigo sobre o assunto: compra de passagens aéreas baratas.  Vale a leitura!

Fontes: PROTESTE | Administradores. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários