Home Economia e Política Taxas futuras de juros sobem no Brasil com preços ao produtor acima do esperado nos EUA

Taxas futuras de juros sobem no Brasil com preços ao produtor acima do esperado nos EUA

"Até agora, dá para dizer que foi uma estratégia que se pagou, que valeu a pena", disse durante evento do Bradesco Asset Management

por Reuters
0 comentário

As taxas dos DIs fecharam a sexta-feira com alta firme no Brasil, em especial entre os contratos mais curtos, refletindo o avanço dos rendimentos dos Treasuries no exterior, após novos dados de inflação reforçarem a ideia de que o corte de juros nos Estados Unidos pode ocorrer mais à frente.

O Departamento do Trabalho dos EUA informou que o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) para a demanda final aumentou 0,3% em janeiro, depois de uma queda revisada de 0,1% em dezembro.

Economistas consultados pela Reuters previam alta de 0,1%, após uma queda de 0,2% relatada anteriormente. Nos 12 meses até janeiro, o índice subiu 0,9%, depois de ter avançado 1,0% em dezembro.

O PPI foi mais um indicador de preços, referente a janeiro, que veio acima do projetado pelo mercado. Além dele, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), divulgado na terça-feira, e o índice de preços de importação, anunciado na quinta-feira, vieram acima das expectativas do mercado, lembrou Lais Costa, analista da Empiricus Research.

“Já é o terceiro dado ruim de inflação do mês de janeiro. Então, é muito difícil não ver a postergação do corte de juros pelo Fed”, comentou Costa.

O anúncio do PPI, ocorrido às 10h30, fez o rendimento do Treasury de dez anos atingir o pico da sessão logo em seguida, às 10h41. No mesmo horário, no Brasil, a taxa do DI (Depósito Interfinanceiro) para janeiro de 2027 chegou a subir quase 9 pontos-base.

(Imagem: Pixabay)
(Imagem: Pixabay)

Por trás do movimento estava a redução de apostas, na curva de juros norte-americana, de que o Fed cortará os juros em junho embora esta perspectiva ainda seja majoritária.

“E o mercado ainda tem alguma probabilidade (precificada) para corte de juros (pelo Fed) em maio. Então, ainda há espaço para o juro norte-americano subir mais no curto prazo, e consequentemente subir aqui também”, avaliou Costa.

A elevação das taxas nesta sexta-feira no Brasil foi maior entre contratos de menor prazo, como o janeiro 2026 e o janeiro 2027 dois dos mais líquidos, justamente porque a política monetária costuma impactar mais a ponta curta da curva.

Na ponta longa mais sujeita ao noticiário fiscal brasileiro, que anda morno o avanço das taxas nesta sexta-feira foi menor.

No fim da tarde a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 10,04%, ante 10,001% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 9,875%, ante 9,796% do ajuste anterior.

Já a taxa para janeiro de 2027 estava em 10,035%, ante 9,977%, enquanto a taxa para janeiro de 2028 estava em 10,285%, ante 10,245%. O contrato para janeiro de 2031 marcava 10,67%, ante 10,672%.

(Imagem: Pixabay/ joelfotos)
(Imagem: Pixabay/ joelfotos)

Pela manhã, o diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo, afirmou que a sinalização feita pela instituição sobre cortes futuros de juros deu bom resultado até o momento.

“Até agora, dá para dizer que foi uma estratégia que se pagou, que valeu a pena”, disse durante evento do Bradesco Asset Management.

Perto do fechamento a curva a termo brasileira precificava 90% de chances de o corte da taxa básica Selic em março ser de 0,50 ponto percentual, como vem sinalizando o BC. Atualmente a Selic está em 11,25% ao ano.

Às 16:41 (de Brasília), o rendimento do Treasury de dez anos referência global para decisões de investimento subia 5,70 pontos-base, a 4,2969%.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.