Home Empresas TCU acata denúncia contra mudança em política de indicações da Petrobras, mas mantém assembleia

TCU acata denúncia contra mudança em política de indicações da Petrobras, mas mantém assembleia

A proposta será julgada nesta quinta-feira, em assembleia geral extraordinária de acionistas

por Reuters
0 comentário

O Tribunal de Contas da União (TCU) concedeu medida cautelar impedindo que a Petrobras (PETR4) registre alterações em sua política de indicações, caso aprovadas em assembleia de acionistas na tarde desta quinta-feira, até que o órgão julgue denúncia de irregularidades.

As mudanças no estatuto, que visam eliminar restrições para a indicação de membros para a alta cúpula da Petrobras, foram propostas pelo Conselho de Administração da petroleira em outubro, em passo que poderá abrir caminho para a entrada de políticos na empresa.

No documento, datado da véspera, o TCU decidiu que caso as mudanças sejam aprovadas, não poderão ser levadas a registro, na Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro (Jucerja). Também determinou promover a oitiva da Petrobras para, no prazo de 15 dias, se manifeste quanto a alguns “indícios de irregularidades que maculam a proposição”.

Dentre os indícios, o TCU citou a possível ocorrência de falha procedimental, pontuando que a decisão pela proposta tomada pelo conselho teria ocorrido “sem que houvesse o concurso de parecer jurídico ou manifestação de área técnica da companhia, já que teria suporte tão somente no que constou em recomendação do Comitê de Pessoas (Cope), em possível afronta ao dever de diligência”.

Proposta

Com as alterações, a empresa quer fazer valer no estatuto uma decisão liminar do então ministro do STF Ricardo Lewandowski, de março deste ano.

Na ocasião, o magistrado suspendeu os efeitos do trecho da Lei das Estatais que restringe indicações de conselheiros e diretores que sejam titulares de alguns cargos públicos ou que tenham atuado, nos três anos anteriores, na estrutura decisória de partido político ou na organização e na realização de campanha eleitoral.

O STF, no entanto, ainda não tomou uma decisão final sobre o tema.

A petroleira decidiu então excluir trechos que replicavam a lei em seu estatuto e incluir na redação que “somente considerará hipóteses de conflito de interesses formal nos casos expressamente previstos em lei”.

A proposta será julgada nesta quinta-feira, em assembleia geral extraordinária de acionistas.

O movimento da companhia foi entendido por alguns agentes do mercado como uma forma de afrouxar regras de governança instituídas nos últimos anos, após a Petrobras ter sofrido com um amplo escândalo de corrupção envolvendo políticos e partidos políticos, assim como grandes companhias e empresários.

A petroleira alega, no entanto, que as mudanças tem como objetivo somente manter o documento alinhado ao disposto na Lei das Estatais, quaisquer que venham a ser as decisões judiciais a respeito do tema.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da rede “O Melhor do Dinheirama” com as melhores análises e notícias

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.