A tal tempestade perfeita para a economia brasileira parece estar se formando no horizonte, a ponto de embolar o processo eleitoral e prejudicar o país nos próximos anos. Como temos afirmado, não temos um projeto de Nação, e sim projeto de perpetuação no Poder, o que prejudica o crescimento e desenvolvimento do Brasil.

O quadro econômico só se deteriora, sem que o governo externamente introjete qualquer culpa por isso, o que dificulta a mudança de nosso modelo econômico populista de elevados gastos públicos, sem qualquer correspondência com o crescimento.

Nesse estágio, gostaria de lembrar alguns pontos:

  • O saldo de nossa balança comercial até a primeira semana de abril atinge déficit de US$ 6,5 bilhões, o pior desde que a série é coletada em 1994;
  • No mês de fevereiro, o país registrou déficit primário, o que dificulta o atingimento da meta de 1,9% anunciada pelo ministro Mantega, que já era baixa. Há suspeitas que nem isso seja alcançado, até por que temos o comprometimento de aportar recursos nas distribuidoras de energia;
  • A produção industrial mensal segue mostrando grande assimetria e os investimentos privados não crescem como participação no PIB;
  • Os investimentos externos diretos, que no passado não muito remoto cobriam mais de 100% do déficit em conta corrente, hoje mal alcançam 50% e com tendência de encolher em 2014. O governo acena com fluxo de recursos positivos para o país, mas esses possuem características de “hot money”, para aproveitar juros elevados e achatamento de preços de outros ativos, inclusive ações;
  • Convivemos com constante redução das estimativas de PIB para 2014, seja por parte do Banco Central (BC), dos agentes do mercado, ou mesmo a mais recente previsão elaborada pelo FMI, de 1,8%;
  • A inflação começa a chegar próxima do teto da meta (6,5%), tendo atingido nos últimos 12 meses 6,15% (até março). O governo não sinaliza que pretende conter gastos e o BC que se vire para domar a inflação, sem ampliar muito os juros diante do crescimento baixo projetado.

Tudo isso ainda é permeado pela crescente possibilidade de racionamento de água e principalmente de energia, situação que poderia reduzir ainda mais o crescimento de 2014, ou mesmo passando para o campo negativo com alguma recessão.

Além disso, a presidente Dilma começa a cair nas pesquisas de corrida presidencial, e isso acaba dificultando mudanças absolutamente requeridas para a economia, com o modelo populista em plena vigência.

Desse jeito, vamos ter que rezar para São Pedro encher nossos reservatórios e pedir ajuda de outros tantos santos que aceitem a empreitada de ajudar o País. Mudanças mesmo somente no pós-eleições ou quando da posse do novo presidente. Será que o país aguenta até lá?

Efetivamente estamos melhores do que no início dos anos 2000, mas a situação vai gradativamente se deteriorando sem expectativas de mudanças no horizonte. Isso é o que parece o pior.

Diante disso, seguimos recomendando prudência em seus investimentos, principalmente em função da volatilidade e imprevisibilidade, exigindo correto posicionamento segundo a propensão de risco e retorno desejada por cada investidor.

Sugiro acessar nosso site Orama.com.br e avaliar opções de aplicações em fundos de investimento e produtos de renda fixa, de acordo com suas características. Bons negócios e até a próxima.

Foto “Ships wheel”, Shutterstock.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários