Dia desses, enquanto fazia um tempo em um shopping aguardando um amigo para um café, fui à livraria de uma grande rede. Força do hábito. Entrei, olhei rapidamente os lançamentos gerais e fui ao espaço destinado aos livros de economia, finanças e negócios. Hábito, de novo! Aproveito boa parte desse tempo (meu amigo avisou que atrasaria) para ler e pesquisar temas para os artigos publicados aqui no Dinheirama.

Então encontrei um dos livros que mais gosto do amigo do Gustavo Cerbasi, “Investimentos Inteligentes”, e comecei a folheá-lo. Conforme a leitura foi se desenvolvendo, aproveitei o conforto da livraria e me sentei em um acolhedor sofá que estava ao meu lado. A leitura foi ficando cada vez melhor quando percebi, meu amigo já havia enviado 3 mensagens que me aguardava na cafeteria.

Fui colocar o livro no local de onde o retirei e, de repente, me dei conta de como a seção de economia, negócios e finanças pessoais estava vazia. Dirigindo-me a saída, passei em frente da seção de quadrinhos. Fiquei assustado com leitores que se espremiam para ler e vislumbrar parte do matéria, alguns lendo de pé, outros sentados no chão. Um sucesso absoluto.

Qual o tempo que você dedica para seu conhecimento?

Antes de prosseguir, confirmo que sou apaixonado por quadrinhos, mas esta não é a questão central do artigo. Comecei a me perguntar por que pouquíssimas pessoas aproveitam o pouco tempo que possuem para descobrirem e aprimorarem seus conhecimentos com assuntos, dicas e ferramentas que realmente sugerem mudanças na vida real?

Ah sim, muitas vezes sem precisar gastar nada, já que o período de “degustação” que a livraria oferece pode ser estendido até o fim da leitura.

Não importa se tratamos de Warren Buffett, Bill Gates, eu ou você, o tempo é igual para todos. A diferença, adivinhe, é justamente a maneira como lidamos e aproveitamos esse precioso ativo de nossas vidas.

Tempo,  um ativo precioso!

Pois é, considero o tempo um dos ativos mais importantes do atribulado mundo moderno. Ele é ingrediente indispensável para a inteligência financeira e para o sucesso profissional. O que dizer então da vida pessoal? Não há dinheiro nenhum no mundo capaz de pagar pelo prazer de encontrar tempo livre para “gastar” ao lado de alguém que amamos.

A pergunta permanece: por que a maioria das pessoas aproveita tão mal o tempo que tem?

A faculdade é um dos exemplos mais gritantes do péssimo aproveitamento do tempo e do desperdício de dinheiro. Muitos confundem faculdade com barzinho. Pagam caro pela oportunidade de se capacitar, mas desperdiçam o tempo na porta do bar. Não que a vida social não seja importante, mas o recado aqui é outro. Você, inteligente que é, certamente o compreendeu.

O que seremos no futuro depende da maneira como empregamos o nosso tempo hoje. E ai estão os planos de ser rico, trocar de carro, criar família, estudar etc.

Por melhor que sejam as intenções, elas não são garantias de um futuro mais rico e próspero. Ação. Falta ação e interesse em muitas pessoas. Descobrir a melhor maneira de usufruir do tempo é o desafio que move as pessoas de sucesso.

Alguns bons amigos se dedicam por horas a fio, descobrindo comunidades e trocando mensagens em redes de relacionamento, mas reclamam de ler um bom artigo ou texto na internet. “Ler na tela do computador é ruim” é o que dizem. Estranho. Em todo caso, fica o bom e velho conselho: o tempo é longo, mas a vida é curta!

Tempo versus Dinheirama?

Você tem razão, o texto de hoje fugiu um pouco do convencional. Mas a mudança no tom foi intencional. Preferi aproveitar para chamar sua atenção para o constante desperdício de tempo.

Se tempo é dinheiro, o desperdício financeiro tende a aparecer para os preguiçosos logo em seguida.

Para terminar o artigo, e mostrar que existe tempo para tudo (quadrinhos, esporte ou música), fica a homenagem a um clássico da música brasileira, que fala muito sobre o tempo e nos convida a uma reflexão acerca de nosso modo de vida.

Tempo Perdido – Legião Urbana (Legião Urbana) – Origem: YouTube

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários