Tempo é dinheiro: saiba quando economizar pode ser prejudicial a você

Economizar nem sempre significa um bom negócio para seu desempenho profissional e pessoal. Será que economizar pode ser prejudicial a você?

Tempo é dinheiro: saiba quando economizar pode ser prejudicial a vocêFomos criados e acostumados a pensar que economizar sempre vale a pena. Porém, minha intenção neste artigo é mostrar que certos tipos de economia podem ter justamente o efeito contrário. Elas podem ser prejudiciais a você, podendo até mesmo retardar o seu crescimento pessoal e profissional.

E eu sei que falar sobre não economizar aqui no Dinheirama pode soar como uma heresia. Mas, fique tranquilo, eu tenho ótimos pontos para sustentar esta visão. Continue lendo o artigo para saber quando economizar pode ser ruim para você e saiba o que fazer para evitar estas situações.

Cópia a R$ 0,30 ou a R$ 0,60?
Parece uma pergunta idiota, não é mesmo? Afinal, dada a mesma qualidade do material, é claro que você optaria pela cópia de R$ 0,30. Porém, o caso é:

  • Você está na faculdade e a empresa que faz a cópia de R$ 0,60 fica ao lado de sua sala de aula;
  • Já a papelaria que faz a cópia por R$ 0,30 fica a uma hora (30 minutos de ida e 30 minutos de volta).

Sabendo que você precisará de 10 páginas copiadas, você manteria a opção de R$ 0,30, para economizar? Note que você está diante de um trade-off, ou seja, uma relação de custo-oportunidade:

  • Opção 1: gastar R$ 6,00;
  • Opção 2: gastar uma hora adicional e gastar R$ 3,00 (economizando outros R$ 3,00).

E então? Analisarei os resultados em breve, mas antes vejamos outro exemplo que ocorre frequentemente.

Gasolina a R$ 2,90 o litro ou a R$ 3,00 o litro?
Você decidiu sair de viagem com sua família e deve decidir em qual posto irá abastecer durante a viagem. Sua intenção é abastecer 50 litros de combustível e deve optar entre dois postos.

  • Posto #1: o posto fica exatamente no caminho da viagem, porém o preço é de R$ 3,00 o litro;
  • Posto #2: É preciso desviar 1 hora do trajeto original para abastecer a R$ 2,90 o litro.

Note o seguinte custo-oportunidade:

  • Opção 1: gastar R$ 150,00 (R$ 3,00 x 50 litros);
  • Opção 2: gastar 1 hora adicional e R$ 145 (economizando R$ 5,00).

Qual opção você escolheria?

Tempo é Dinheiro!
Você certamente já ouviu a frase “Time is Money” ou “Tempo é Dinheiro”. Talvez ela não tenha feito muito sentido quando você a escutou pela primeira vez, mas ela é essencial em finanças pessoais e investimentos. Compreender esta frase é saber que o seu tempo é o ativo mais importante. E sabe por quê? Porque ele não tem volta. Você está sempre correndo contra o tempo e não há mágica para recuperar um tempo perdido.

Lembre-se da frase “Tempo é Dinheiro” como um custo-oportunidade. Toda vez que você decidir gastar seu tempo em alguma atividade, saiba que ela possui um custo-oportunidade. Por exemplo: você possui uma prova amanhã, mas decide assistir uma hora de novela. Este tempo tem um custo, já que você está perdendo a oportunidade de estudar mais para garantir uma melhor nota na prova. A relação é simples assim.

“E como aplicar este conceito de custo-oportunidade aos dois casos que analisamos?”. Achei que você não fosse perguntar. Vamos lá…

Você pode estar trocando seu tempo por menos do que o salário mínimo!
Talvez você tenha escolhido economizar dinheiro em ambos exemplos. Afinal, é natural do ser humano querer obter vantagem. No caso da cópia, você poderia falar com seu amigo que pagou R$ 0,60 pela cópia algo tipo: “Nossa, você é louco, eu consegui aqui perto pela metade do preço”. Ou, no caso da gasolina: “Tá louco, você pagou R$ 3,00 o litro? Não conhece o posto de R$ 2,90?”.

Porém, precisamos analisar ambas as situações através do custo-oportunidade, ou pensando na frase “Tempo é Dinheiro”. No caso da cópia:

  • Opção 1: gastar R$ 6,00;
  • Opção 2: gastar 1 hora adicional e gastar R$ 3,00 (economia de R$ 3,00).

Veja claramente como na opção 2 você está trocando uma hora do seu tempo por R$ 3,00. Você acha que vale a pena economizar neste caso? Se você ainda respondeu “sim”, acredito que os números a seguir podem mudar sua opinião.

O salário mínimo atual é de R$ 622,73. Logo, se considerarmos um trabalhador de 40 horas semanais, ou 168 horas por mês, temos a seguinte relação de R$ 3,71 por hora de trabalho. Então, o trabalhador que recebe o salário mínimo troca uma hora de seu tempo por R$ 3,71.

Surpreendente, não é mesmo? Assim, se você prefere gastar uma hora a mais de seu dia para economizar apenas R$ 3,00, você está trocando o seu tempo por menos do que uma pessoa que recebe o salário mínimo. Este é o seu custo-oportunidade.

Ao invés de trocar R$ 3,00 por hora, você poderia gastar esta hora estudando mais para, futuramente, conseguir um salário melhor. Ou, se você recebe por hora, esta relação fica ainda mais fácil de compreender: se você recebe R$ 10,00 por hora, este tipo de economia custaria a você R$ 7,00 (R$ 10,00 que você poderia receber trabalhando – R$ 3,00 que você efetivamente economizou).

Economizar nem sempre vale a pena
Retornando ao início do artigo, economizar pode até mesmo ser prejudicial ao seu crescimento pessoal e profissional. Principalmente quando a economia potencial é muito pequena em termos absolutos.

Erro #1: Pensar em termos relativos ao invés de absolutos na economia de pequenos valores.
Note que no caso da cópia, a economia absoluta é de R$ 3,00. Porém, em termos relativos é de 50%. Ou seja, metade do preço economizado. Este é um erro fundamental que muita gente comete.

Pela natureza do ser humano – de querer obter vantagem ou contar vantagem para os outros -, ele tende a “esquecer” que, mesmo que ele esteja pagando metade do preço, ele estaria economizando apenas R$ 3,00. E, assim, decide “contar vantagem” usando os 50% como justificativa.

Erro #2: Trocar seu maior ativo (tempo) por pouco dinheiro.
Trata-se de um erro decorrente do primeiro. Seu valioso tempo não tem volta, certo? A afirmação fica ainda mais séria quando se troca seu tempo por menos do que o salário mínimo, como vimos na explicação ali em cima.

O que fazer para evitar estes erros?
Primeiramente, quero deixar um conceito bem claro: não estou dizendo que você nunca deve economizar. Eu mesmo sou um grande poupador e invisto cada centavo guardado para aproveitar o máximo do magnífico benefício dos juros compostos.

A questão é que você deve saber quando economizar. E não, você não precisa ficar maluco calculando a relação entre tempo e dinheiro ou o custo-oportunidade a cada momento. Você precisa lembrar apenas deste simples conceito: ao economizar é preciso pensar mais em termos absolutos do que relativos.

Não importa se o desconto é de 90% quando o preço do produto é R$ 5,00. Afinal, você economizaria “apenas” R$ 4,50. Digo “apenas” porque é preciso avaliar o que você deixaria de fazer (e ganhar) para conquistar este desconto.

De uma forma geral, prefira gastar seu tempo para economizar em compras de alto valor (um desconto de 10% em um produto que custa R$ 1.000,00 é excelente) ou em negociações cujos esforços são mínimos (uma cópia de R$ 0,50 do lado da de R$ 0,60 é um bom negócio, claro!).

Assim, sempre pesquise preços de TVs, aparelhos domésticos, eletroeletrônicos, carros, imóveis e afins. E perceba que, ainda que soe estranho, não vai haver muita vantagem em economizar na compra de canetas, refrigerantes, pão etc.

Mais uma vez reitero: o tempo é seu bem mais valioso; quando bem utilizado, no que realmente importa para você, ele só tem a acrescentar em sua vida. Aproveito para convidá-lo a comentar o texto e dar sua opinião sobre a questão de quando economizar. Até a próxima.

Foto de sxc.hu.

Atenção: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

Vídeos gratuitos sobre educação financeira TV Dinheirama

Aprenda de forma simples e interativa, alguns assuntos que irão fazer toda a diferença no dia a dia na sua relação com o dinheiro. Investimentos, finanças comportamentais, empreendedorismo, liderança, dicas práticas e muito mais. Clique no botão abaixo, assista e assine o canal gratuitamente para receber os novos videos diretamente no seu e-mail.

Assista grátis Ok