O ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, relator da Lava Jato na Corte, determinou nesta segunda-feira (13) a remessa das investigações envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato em primeira instância na cidade de Curitiba. Na decisão, o ministro ainda anulou as escutas do ex-presidente em diálogo telefônico com a Presidente afastada Dilma Rousseff em março deste ano e apontou que Moro usurpou a competência do STF ao autorizar os grampos.

Dilma foi captada em uma conversa com o ex-presidente em que o avisa sobre o envio de um documento de posse dele próprio como ministro Chefe da Casa Civil. Por uma decisão de Moro, os áudios foram tornados públicos, aumentando ainda mais a crise vivida pelo governo Dilma. Como consequência, o ministro Gilmar Mendes, do STF, acolheu um pedido para barrar a posse de Lula na Casa Civil.

Com a decisão desta segunda, o áudio da conversa em questão não poderá ser utilizado como prova de que os dois, Lula e Dilma, atuaram para obstruir as investigações.

Procuradoria pede suspensão de direitos políticos de Cunha por 10 anos

O deputado federal afastado, Eduardo Cunha (PMDB), virou alvo de nova ação por corrupção na Petrobras – desta vez, na Justiça Federal do Paraná.

Cunha é acusado de improbidade administrativa pela força-tarefa da Operação Lava Jato, que ingressou com uma ação civil pública nesta segunda-feira (13). Os procuradores pedem, além de uma indenização de US$ 10 milhões, a suspensão dos direitos políticos do deputado por dez anos.

Em ações de improbidade, mesmo quem tem foro privilegiado, como o deputado, responde ao processo na primeira instância. O caso, porém, não deve cair nas mãos do juiz Sergio Moro, que é responsável apenas pelos processos criminais da Lava Jato.

Os procuradores afirmam que Cunha é um “beneficiário direto do esquema de corrupção instalado na diretoria Internacional da Petrobras”.

Segundo a força-tarefa, o parlamentar recebeu US$ 1,5 milhão para viabilizar a compra, pela Petrobras, de um bloco para exploração de petróleo na costa do Benin, na África, em 2011. O episódio é o mesmo que gerou a denúncia contra a mulher do deputado, a jornalista Cláudia Cruz, por lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Evento online recomendado: Workshop de finanças pessoais e empreendedorismo

Financiamento de veículos cai 25,7%

O número de veículos novos que foram comprados por meio de financiamento caiu 25,7% em maio deste ano, ante igual mês do ano passado, para 145.498 unidades, de acordo com a  Cetip, que compila dados das instituições financeiras que operam no País.  O volume, no entanto, representa alta de 1,9% na comparação com abril.

No acumulado de janeiro a maio, o financiamento de veículos novos chega a 729.866 unidades, queda de 28,4% sobre o resultado alcançado em igual intervalo do ano passado. As contrações nos financiamentos acompanham o fraco ritmo na venda de carros no Brasil, uma vez que, historicamente, algo entre 50% e 60% das compras de veículos são financiadas.

A baixa demanda deve-se principalmente ao aumento do desemprego, que reduz a renda e a confiança do consumidor, e a restrição do crédito por parte das instituições financeiras, que estão mais rigorosas na aprovação de financiamentos para a aquisição de veículos. Segundo a Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), apenas três em cada 10 pedidos de financiamentos têm sido aprovados.

Mercado Financeiro

O mercado financeiro continua acompanhando a possibilidade de o Reino Unido sair da União Europeia, definição deve sair na próxima semana após referendo popular. No Brasil, as citações em delação premiada do ministro José Serra, um dos principais articuladores do governo provisório, e da ex-ministra e provável candidata à presidência Marina Silva, aumentam ainda mais as indefinições políticas.

O Ibovespa, principal benchmark da Bolsa de Valores de São Paulo, às 11h55 caía -1,35% com 48.989 pontos, e o dólar caía -0,23%, sendo negociado por R$ 3,48.

Foto: Ricardo Stuckert/ Fotos Públicas/ IL

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários