Ter uma empresa: pra quem quer ou pra quem pode?Aquela história de “Bota pra fazer” é verdade mesmo? Qualquer um é capaz de abrir uma empresa, de iniciar um movimento e alcançar o sucesso? Sim, sim e sim. Muitas vezes já refleti sobre isso e definitivamente digo que abrir uma empresa é para quem quer – para quem tem força de vontade, iniciativa e, principalmente, para quem tem a solução de um problema, de uma necessidade. Mas, é óbvio, temos que pensar em alguns detalhes.

O ideal para quem quer ter o seu próprio empreendimento[bb] é começar pensando grande, mas agindo em algo pequeno – no início, uma empresa com poucos funcionários, poucos pedidos e pouco faturamento é mais apropriado. Isso porque a chance de você enfrentar pequenos problemas, enquanto ainda é um iniciante, é maior. E isso é muito bom. É fundamental que enfrente os pequenos problemas, porque só assim você poderá se tornar grande e melhor com tempo, adquirindo experiência.

Não adianta querer achar a fórmula mágica para crescer e ser um sucesso da noite para o dia. Tem que ser um crescimento gradual, aos poucos. Se esse boom de sucesso acontecesse, você não daria conta da demanda, a qualidade do seu produto cairia, o atendimento seria feito às pressas e ai você ficaria com uma péssima imagem no mercado! Não é isso que queremos. Pare e pense, você acabou de começar. Tenha paciência.

Empresas grandes remetem a grandes problemas, grandes volumes de pedidos e, às vezes, grandes volumes de pessoas. E caso você erre em uma grande empresa, sendo um marinheiro de primeira viagem, o seu prejuízo será muito maior e mais perigoso. Uma falha pode decretar o fim do seu dinheiro[bb] investido. Mas, nunca decretar o sonho de empreender. Se cair, levante-se e siga em frente. Fracassar faz parte.

Já com uma empresa pequena, se você falhar, volte e arrume. Errar é normal e faz parte do crescimento da empresa. O importante é “bater a cabeça”, é atravessar os estágios enquanto se é pequeno e livre para errar. A vontade de vencer, é claro, tem de ser cada vez maior. O pensamento tem que ser: crescer, crescer, crescer. Vender, vender, vender. Mas, crescer buscando o equilíbrio entre todos os setores.

Não adianta conseguir um grande cliente se seus funcionários tiverem que extrapolar a carga de trabalho cotidianamente, ficando exauridos e desanimados. Vá com calma. Tente se desenvolver de forma sustentável. Ter que trabalhar até altas horas ou ficar com o corpo cansado, de vez em quando, é algo natural, embora a sua família nunca aceite isso. A mente é que sempre tem de se manter sadia e motivada.

Abrir uma empresa grande é para quem pode.
Como disse anteriormente, grandes empresas nos obrigam a investir muito dinheiro e a resolver grandes problemas. Tudo que acontecer de ruim, provavelmente indicará grandes perdas, grandes demissões etc. Como você imagina, o pensamento comum de quem está começando é o de que ele sabe fazer tudo.

Leu um livro do Kotler[bb] (o guru do marketing) e todo o conceito entrou em sua cabeça. Impressionante! Quem dera funcionasse assim. Longe disso. E não adianta ler, ler e não aplicar. Busque transformar o que lê em oportunidades, dinheiro, evolução e lucro. E lembre-se de também participar de eventos presenciais. Assim, investindo em formação e contatos, é que você vai evoluir. Vamos lá, comece algo e depois conte pra gente como foi. Boa sorte e bons negócios!

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários