dinheirama-post-tradicao-natalObserve o título deste artigo e faça uma reflexão sobre a tradição: trata-se de uma maneira de preservar cultura e costumes ou a simples atuação do viés do status quo e comportamento de manada?

Sim, estou me referindo à tradição do Natal. E para responder à pergunta acima, basta prestar atenção ao que vem à sua cabeça muito rapidamente quando se fala em Natal: presentes, ceia e adereços natalinos ou celebração cristã acerca do nascimento de Jesus Cristo? Seja sincero!

Pois é, o Natal acabou se transformando numa celebração totalmente baseada no consumo. Uma série de “tem que”. Tem que ter peru, tem que participar do amigo secreto, tem que comprar lembrancinhas e presentes para todo mundo, tem que enfeitar a casa, tem que passar com a família, tem que…

O Natal acabou virando uma espécie de check list e a gente dá um jeito de providenciar tudo o que a “tradição” manda par ter um Natal Feliz. Daí que uma das coisas que mais me chama a atenção nessa época é a quantidade de “dicas”, “passos” e “truques” para garantir todos os “tem que” do Natal com economia e criatividade. Não é assim?

Pode ser que você não concorde comigo, mas eu vejo a coisa mais ou menos assim: nós acabamos criando uma tradição que envolve um aumento substancial dos nossos gastos e aí temos que “dar nó em pingo d’água” (como diria minha mãe) para economizar quando não temos o suficiente para garantir um Natal Feliz (!), como manda o figurino (expressão de minha mãe também).

Desculpe, mas para mim isso não faz o menor sentido! Acho que o Espírito de Natal acabou se transformando em um Frenesi de Consumo! E quando a gente vê, já está lá seguindo com o bando e repetindo esse comportamento ano após ano.

Ter um Natal Feliz está diretamente ligado com a sua capacidade de consumo: a ceia perfeita, o presente tão sonhado, a roupa nova, a casa mais bem decorada da vizinhança, as fotos mais glamourosas que serão devidamente postadas no Facebook em tempo real e por ai vai… Porque não basta ter, tem que mostrar!

E aí vale tudo! Não tem tempo de armar o circo, ops!, quer dizer, providenciar uma Noite Feliz? Não tem problema nenhum: contrate pessoas para fazer isso por você! Afinal o que vale não é a intenção, nem o carinho, nem a gratidão… Essas coisas são invisíveis, não saem nas fotos do Facebook.

No último final de semana, assisti a uma matéria sobre aluguel de árvores de natal montadas: a pessoa contrata uma empresa para montar a árvore e enfeitar a casa. E o repórter dizia tratar-se da “saída perfeita para quem não tem tempo”. Eu acrescentaria: “A saída perfeita para quem está na manada, achando que Natal Feliz é uma casa bem decorada”.

E sabe o que é mais triste nisso tudo: nossas crianças estão entendendo tudo errado! E como só foram expostas a esse tipo de celebração, é assim que elas vão celebrar também quando tiverem seus próprios filhos. E assim por diante…

Veja, não estou dizendo que não devemos celebrar o Natal, muito pelo contrário. Mas é preciso encontrar um sentido mais humano para essa celebração.

Afinal, a ceia perfeita será consumida, os enfeites serão guardados num maleiro qualquer, os presentes vão perder o encanto logo que o Réveillon chegar e as fotos do Facebook vão perder o “prazo de validade”. O que vai ficar?

Bem, despeço-me por aqui desejando a todos e a cada um de vocês um Natal repleto de significado. De sentido. Aproveito também para deixar o presente mais valioso que eu posso dar: a minha gratidão por vocês e pela equipe Dinheirama. Obrigada e até 2014! Feliz Natal!

Foto “Christmas fireplace”, Shutterstock.

Adriana Spacca Olivares Rodopoulos
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários