Transparência nas Informações, um caminho inevitávelAssistimos ao longo dos últimos cinco anos a um salto no desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro. Popularizou-se a expressão “IPO” – sigla que passou a ser adotada para resumir o processo de oferta pública de ações – e junto com ela todo um glossário de novas terminologias que gravitam em volta dessa feliz realidade de empresas com números confiáveis, governança, rigorosa prestação de contas ao público e em especial aos investidores que nela depositaram as suas apostas e confiança.

Sem a menor dúvida, um virtuoso processo de desenvolvimento que fortalece a nossa economia de mercado e projeta o nosso país, que passou a exibir e disponibilizar um dos mais sólidos e confiáveis ambientes para investimentos do mundo. Os fluxos recorrentes de investimentos externos e a nossa facilidade para encarar o recente tsunami financeiro são a prova disso.

Uma receita relativamente simples: regras claras, uma CVM (Comissão de Valores Mobiliários) eficiente e rigorosa, empreendedores conscientes e, para completar, um sistema financeiro robusto. Sem nenhuma dúvida, está aí o fruto do árduo processo de estabilização econômica e saneamento dos bancos, com adesão aos melhores e mais rigorosos padrões de gestão, iniciado em meados da década de noventa.

Certamente um cenário animador. Mas seria ainda mais interessante se empresas que não tivessem a menor preocupação em ter as suas ações listadas na bolsa de valores também passassem a se preocupar com essas saudáveis práticas simplesmente para, digamos, colher inúmeros benefícios. E não são poucos. Vejamos:

  • Acesso aos mais bem estruturados e por vezes customizados produtos de crédito;
  • Relações societárias mais estáveis, seguras e sólidas;
  • Processos sucessores menos tumultuados e mais organizados;
  • A longevidade empresarial como algo bastante possível, independentemente dos seus herdeiros.

Isso só para citar as vantagens mais óbvias. Como sabem, sou avesso a modismos de gestão de última hora ou a antigos métodos rebatizados com novos nomes e transformados em clichês inquestionáveis. Sempre achei tudo isso muito infantil e, sinceramente, incompatível com profissionais que, em tese, deveriam ser o exemplo de capacidade para conduzir as corporações pelos mares revoltos da vida empresarial.

Mas quando se fala em transparência de informações e governança corporativa, podemos afirmar que simplesmente se trata do “dever de casa”. Empresas pequenas ou médias precisam necessariamente apresentar relatórios e documentos confiáveis sobre os seus números, independentemente das exigências bancárias (e eles agradecem muito quando encontram isso), para ao menos para protegê-la de seus sócios e vice-versa.

Ainda me recordo da conversa que tive com um cliente, que dizia: “Não tenho o menor interesse em abrir o capital da minha empresa”, mas, “quero ter acesso aos melhores produtos de crédito e atrair a melhor proposta de investimentos de um bom private equity interessado” e, “Ao lado deste investidor, estabelecer o mais equilibrado relacionamento de gestão”. Ele então concluiu: “E é por isso que torno as minhas informações confiáveis e transparentes”.

Então me pergunto: Existe outro caminho? A resposta é não. Não é necessário ser um gigante da indústria onde se atua para ter uma administração competente e confiável, para ter solidez. E é só isso que o mercado pede, nada mais.

Por isso, recomendo: enquanto ainda é um diferencial, seja rápido e tome as providencias necessárias antes que se transforme numa exigência básica ou imediata. Pode representar alguma despesa (ou seria investimento?) para colocar a casa e os números em ordem, mas o benefício é gigantesco, além de melhorar o sono de muita gente: gerentes de banco, sócios, clientes, herdeiros, investidores e, é claro, o seu também.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários