Home Economia e Política Trump diz que vai recorrer de condenação histórica

Trump diz que vai recorrer de condenação histórica

A acusação pela qual Trump foi condenado, de falsificação de registros comerciais, acarreta uma pena máxima de 4 anos de prisão

por Reuters
0 comentário

O candidato republicano nas eleições presidenciais deste ano nos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta sexta-feira que vai recorrer do veredicto que o tornou o primeiro presidente ou ex-presidente dos EUA condenado por um crime, embora tenha que esperar até depois de sua sentença, em 11 de julho, para tomar essa medida.

Em declaração no lobby da Trump Tower, em Manhattan — mesmo local onde anunciou a sua primeira candidatura presidencial em 2015 –, Trump repetiu suas acusações de que o julgamento foi uma tentativa de travar sua candidatura à Casa Branca, e alegou que isso mostra que nenhum norte-americano está a salvo de processos por motivação política.

“Se eles podem fazer isso comigo, podem fazer isso com qualquer um”, disse Trump em um discurso improvisado de 33 minutos. Aplaudido pelos apoiadores, Trump não respondeu a perguntas dos repórteres.

A condenação na quinta-feira levou os Estados Unidos para um território desconhecido antes das eleições de 5 de novembro, quando Trump, de 77 anos, tentará reconquistar a Casa Branca das mãos do presidente Joe Biden, um democrata, de 81 anos que buscará a reeleição.

Donald Trump faz comentários à imprensa após ser condenado
Donald Trump faz comentários à imprensa após ser condenado (Imagem: Seth Wenig/Pool vía REUTERS)

A acusação pela qual Trump foi condenado, de falsificação de registros comerciais, acarreta uma pena máxima de 4 anos de prisão. Outros condenados por esse crime recebem frequentemente penas mais curtas, multas ou liberdade condicional.

Mas as críticas públicas de Trump a jurados e testemunhas durante o julgamento, que levaram o juiz Juan Merchan a impor uma multa de 10.000 dólares, podem levar o juiz a impor uma pena mais severa, disse Rebecca Roiphe, ex-promotora de Nova York.

Qualquer sentença provavelmente seria suspensa até que o processo de apelação fosse concluído. Um aliado próximo, o presidente da Câmara dos Deputados, Mike Johnson, previu que a Suprema Corte dos EUA acabaria por anular o veredicto.

“Acho que eles vão esclarecer isso, mas vai demorar um pouco”, disse ele na Fox News.

A prisão não impediria Trump de fazer campanha ou de assumir o cargo se vencer a eleição presidencial.

A sentença de Trump em 11 de julho ocorre poucos dias antes de o Partido Republicano nomeá-lo formalmente como candidato à Presidência em sua convenção em Milwaukee.

Depois de dois dias de deliberação, um júri de Nova York considerou Trump culpado de todas as 34 acusações criminais que enfrentou por falsificar documentos para encobrir um pagamento secreto à estrela pornô Stormy Daniels nos últimos dias de sua bem-sucedida campanha presidencial de 2016, quando derrotou a democrata Hillary Clinton.

Trump ainda enfrenta outros três processos criminais — dois deles por seus esforços para reverter a derrota eleitoral de 2020 — mas o veredicto de Nova York pode ser o único proferido antes da eleição, já que os outros casos estão envolvidos em disputas jurídicas.

Trump se declarou inocente em todos os quatro casos, que ele diz terem motivação política.

Uma fonte familiarizada com o funcionamento interno de sua campanha disse que se espera que o veredicto no caso de Nova York leve Trump a intensificar as conversas sobre a escolha de uma mulher como sua companheira de chapa para vice-presidente.

Divisões partidárias

Parlamentares democratas disseram que o veredicto mostrou que ninguém estava acima da lei, enquanto muitos republicanos apoiaram as afirmações de Trump de que os processos eram uma tentativa politicamente motivada de impedir seu retorno ao poder.

As pesquisas de opinião nacionais mostram Trump em uma disputa acirrada com Biden, e um em cada quatro republicanos entrevistados em uma pesquisa Reuters/Ipsos de abril disse que não votaria nele se fosse condenado por um crime por um júri.

Estrategistas de ambos os partidos questionaram se o veredicto teria um impacto significativo na disputa.

Nos segmentos pró-Trump da internet, alguns apoiadores pediram tumultos, revolução e retaliação violenta.

No Estado da Geórgia, um dos Estados decisivos na eleição de novembro, o aposentado Wendell Hill, de 65 anos, disse que o veredicto não o levaria a abandonar Trump.

“Está tudo politizado. Ainda não entendo que crime ele supostamente cometeu”, disse ele enquanto arrumava cadeiras para um show no centro de Marietta.

Carol Cuba, de 77 anos, uma eleitora republicana de longa data, disse que estava enojada com Trump.

“Pela primeira vez na minha vida, estou pensando em votar no lado negro”, disse ela, referindo-se aos democratas.

A equipe de campanha de Trump disse que arrecadou 35 milhões de dólares de pequenos doadores após o veredicto, quase o dobro de seu recorde diário anterior. Vários grandes doadores republicanos disseram que continuariam a doar para a campanha de Trump apesar da condenação.

Biden, por outro lado, fez um apelo aos norte-americanos para que votem contra Trump em novembro.

“Só há uma maneira de manter Donald Trump fora do Salão Oval: Nas urnas”, disse ele nas mídias sociais após o veredicto.

Depoimento explícito

O júri considerou Trump culpado de falsificar documentos comerciais após um julgamento que contou com o depoimento explícito de Daniels sobre um encontro sexual que ela diz ter tido com Trump em 2006, quando ele era casado com sua atual esposa, Melania. Trump nega ter tido relações sexuais com Daniels.

Michael Cohen, ex-advogado e assessor que resolvia as pendências de Trump, testemunhou que Trump aprovou um pagamento de 130.000 dólares para Daniels nas últimas semanas da campanha eleitoral de 2016, quando ele enfrentava várias acusações de mau comportamento sexual.

Cohen testemunhou que cuidou do pagamento e que Trump aprovou um plano para reembolsá-lo por meio de pagamentos mensais disfarçados de trabalho jurídico.

Falsificar documentos comerciais é normalmente uma contravenção em Nova York, mas os promotores do escritório do procurador distrital de Manhattan, Alvin Bragg, elevaram o caso a crime, alegando que Trump estava ocultando uma contribuição ilegal de campanha.

Se eleito, Trump poderia encerrar os dois processos federais que o acusam de tentar reverter ilegalmente sua derrota nas eleições de 2020 e de manipular indevidamente documentos confidenciais após deixar o cargo em 2021. Ele não teria o poder de impedir um caso separado de subversão eleitoral que está ocorrendo na Geórgia.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.