Home Empresas TSMC estuda transferir suas fábricas para fora de Taiwan

TSMC estuda transferir suas fábricas para fora de Taiwan

As tensões entre China e Taiwan aumentaram muito desde que Pequim lançou jogos de guerra ao redor da ilha no mês passado

por Reuters
0 comentário

A fabricante taiuanesa de chips TSMC, cujos principais clientes incluem a Nvidia (NVDANVDC34), disse nesta terça-feira que manteve conversações com alguns clientes sobre a transferência de suas fábricas para fora da ilha, à medida que as tensões com a China crescem, mas que tal mudança seria impossível.

As tensões entre China e Taiwan aumentaram muito desde que Pequim lançou jogos de guerra ao redor da ilha no mês passado, após a posse do presidente de Taiwan, Lai Ching-te, que Pequim denuncia como “separatista”.

“A instabilidade no Estreito de Taiwan é, de fato, uma consideração para a cadeia de suprimentos, mas quero dizer que certamente não queremos que ocorram guerras”, disse o presidente da Taiwan Semiconductor Manufacturing Co (TSMC), C.C. Wei, a jornalistas após reunião geral anual da empresa.

O executivo disse que seria impossível transferir as fábricas de chips para fora da ilha, já que 80% a 90% da capacidade de produção está em Taiwan.

Wei não mencionou os clientes com os quais a TSMC manteve conversações sobre a possível saída de Taiwan.

A TSMC discutiu com a OpenAI, criadora do ChatGPT, sobre o fornecimento de chips para aplicações de IA, proposta que a empresa taiuanesa considerou “muito agressiva”, disse Wei, sem entrar em detalhes.

“Ele é muito agressivo, agressivo demais para eu acreditar”, disse Wei, referindo-se ao presidente-executivo da OpenAI, Sam Altman.

Altman conversou com a TSMC no ano passado sobre uma possível parceria para a construção de cerca de três dezenas de fábricas a fim de garantir que a empresa pudesse adquirir chips suficientes para atender às suas necessidades crescentes, de acordo com uma fonte familiarizada com o assunto.

As conversas foram cordiais, mas os funcionários da TSMC deixaram claro que o número de fábricas que Altman estava propondo era muito grande e que a TSMC temia não conseguir operá-las com a capacidade necessária ocupada de 80% ou mais, disse a fonte.

As projeções da TSMC na época não previam demanda suficiente para mais de 30 novas fábricas.

“Ninguém está preocupado”

Apesar das tensões com a China, o tópico sobre uma possível guerra e seu impacto sobre as cadeias de suprimento de chips quase não apareceu na feira anual de tecnologia Computex, realizada esta semana em Taipé, a não ser que fosse mencionado por jornalistas aos executivos nos bastidores.

“Ninguém está preocupado com isso ainda”, disse Frank Huang, presidente da Powerchip Semiconductor Manufacturing, a jornalistas no evento, quando perguntado se os clientes estrangeiros estavam pressionando as empresas de Taiwan a não produzirem no país devido às tensões.

“Acho que é claro que sempre há atividades militares ou confrontos, mas, novamente, Taiwan é muito importante para a IA – até mesmo os chineses sabem disso. Estamos bem, sem problemas”, disse ele.

A presidente-executiva da AMD, Lisa Su, também reiterou a importância de Taiwan na cadeia global de fornecimento de microprocessadores, quando questionada sobre como as tensões com a China e seus jogos de guerra poderiam afetar o setor.

“Fazemos grande parte de nossa fabricação aqui com fornecedores importantes como a TSMC… E também temos uma série de parceiros que nos ajudam a construir o ecossistema aqui em Taiwan”, disse ela. “Do nosso ponto de vista, o ponto principal é que é muito importante ter um ecossistema global.”

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.