Um novo consumidor e cidadão: o poder da classe média brasileiraPara surpresa dos estudiosos e políticos, nas três ultimas décadas o Brasil deixou de ter aquela distribuição econômica e social que podia ser representada por uma pirâmide, com uma larga faixa de pobreza[bb] na base, uma classe média reduzida e um pico menor ainda, relativo à classe alta.

Atualmente, estamos partindo para uma nova representação gráfica, o “losango”, onde a base está mais estreita, pois a Classe D engrossou a Classe C (ou classe média), com consequências para os hábitos e consumo. O pico, por sua vez, também se alargou ligeiramente, com novos ricos que integraram a elite.

Hoje, a Classe C é constituída por famílias que contam com uma renda mensal entre três e dez salários mínimos. Esse rendimento, para uma grande parte dessa população, foi alcançado nos últimos anos em decorrência de diversos fatores, dentre eles as políticas de eliminação da pobreza e inclusão social dos governos recentes e o crescimento econômico do país como um todo.

Com o aumento do poder de compra e a utilização de várias formas de crédito, a nova classe média tem demonstrado um grande interesse em novas tecnologias, bens de consumo e itens cotidianos. Assim, este grupo aumentou o consumo, melhorando seu padrão de vida e movimentando o mercado interno de produtos industrializados, bem como o de comércio e serviços.

Estudos da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e da Federação do Comércio (Fecomércio) preveem que o movimento de ascensão das classes D e E vai continuar por pelo menos oito anos – a Classe C, ou classe média, já representa 50,5% da população do país. Esse é um novo dado que deverá ser considerado pelos governos na adoção de políticas públicas. Além disso, é um fator extremamente relevante para o planejamento, o marketing[bb] e os estudos sociais.

O mercado interno é forte…
A nova situação da maioria da população brasileira, ou seja, de 95 milhões de brasileiros que se localizam na classe média, faz com que existam perspectivas de crescimento sustentável para o Brasil, com menor dependência da situação econômica externa.

Somente nos últimos 10 anos, 31 milhões de brasileiros passaram a fazer parte da classe média, com aumento da escolaridade e poder de compra de consumidores. Além do grande número de novos postos de trabalho, no mercado formal e informal, as mulheres também passaram a trabalhar, alterando a situação de renda das famílias. Mais itens passaram a fazer parte do cotidiano dos brasileiros.

…mas a crise internacional merece atenção!
É claro que o Brasil também está sujeito às consequências de uma crise mundial. Dependemos de investimentos[bb] externos e temos grande parte de nossa economia sustentada por nossas exportações. Nosso crescimento tem relação, sim, com o que acontece lá fora.

E, por esse motivo, o brasileiro vai precisar ficar mais atento antes de fazer novas dívidas. A classe média e a classe baixa, que nos últimos tempos melhoraram de vida graças ao crédito e financiamentos concedidos, verão uma mudança nas regras do mercado.

O que você precisa colocar em prática em relação ao seu dinheiro?
As compras de carro em prestações a perder de vista, por exemplo, terão que ser bem avaliadas, porque o momento exige cuidado. É preciso aprender a selecionar melhor as compras, pesquisar o melhor preço e, se possível, quitar as dívidas – afinal, o cenário é incerto. É importante:

  • Estabelecer um orçamento mensal por escrito;
  • Tentar viver com seu próprio salário e dentro de suas possibilidades;
  • Preferir comprar à vista;
  • Evitar fazer empréstimo pessoal com taxas de juros elevadas, esse é um último recurso a ser utilizado;
  • Ao fazer um financiamento, observar o quanto se vai pagar de juros ao ano e não só dentro do mês;
  • Evitar a armadilha do parcelamento, já que a compra nesta modalidade pode significar pagar duas (e até três) vezes o valor do bem à vista.

A evolução deve ser acompanhada de participação
A participação social e consciência da cidadania também acompanham a ascensão social. Hoje há maior controle do consumidor sobre seus direitos, o que indiretamente também leva a um maior interesse na participação política. Além de determinarem mudanças no setor produtivo, esses novos consumidores também desenvolvem novos hábitos de informação, o que leva a novos níveis de exigência e, espera-se, maior rigor na escolha de representantes políticos.

Não somente estratégias comerciais precisam ser desenvolvidas para cativar o novo público, mas também estratégias políticas de efetiva representação. A nova e maior camada social brasileira tem agora e no futuro um novo e grande poder para determinar os rumos do país. Saberemos usar essa força de maneira inteligente? Tomara que sim!

Foto de sxc.hu.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários