Um olhar sobre a motivaçãoUltimamente percebo um grande volume de queixas vindas de empresários acerca da motivação de seus funcionários. Costumo dizer a eles que antes de traçarmos estratégias para motivá-los precisamos primeiro saber qual a influência da empresa nessa falta de motivação. Tudo porque a motivação[bb] é um fator interno do ser humano e, por isso, muito subjetivo.

Um dos estudos realizados sobre o tema foi feito pelo psicólogo americano Abraham Maslow (1908-1970), que apresentou a hierarquia das necessidades humanas – hoje base científica onde se apóia grande parte das pesquisas sobre motivação (imagem abaixo). Esse pesquisador constatou que o ser humano possui uma escala de necessidades básicas que precisam ser atendidas e que elas estão sempre presentes e costumam variar em intensidade, de acordo com o momento vivido por cada indivíduo.

Necessidades segundo Maslow

A figura mostra a escala das necessidades humanas, sendo que as fisiológicas e de segurança são primárias e devem ser supridas para que o indivíduo possa se desenvolver e buscar aspirações maiores. Motivação é ter motivos para agir, desejo interno de realização. As motivações variam muito de indivíduo para indivíduo em um mecanismo altamente complexo.

Um salário justo é o mínimo que a empresa deve oferecer para o funcionário, um valor capaz de atender às suas necessidades básicas. Mas não é só o fator salarial que costuma motivar os funcionários. O professor Luiz Marins alerta que as “empresas podem criar contingências necessárias para a motivação, criar um clima em que os indivíduos sintam-se motivados a empreender e fazer o que é necessário”. Segundo ele, os principais fatores motivacionais são a autonomia e a iniciativa.

No entanto, as empresas comprometem a motivação dos funcionários quando não oferecem a autonomia necessária para que eles possam exercer sua criatividade[bb]. Aliada a esse fator, a iniciativa também é afetada, pois não há um incentivo nesse sentido. Todos nós precisamos de desafios, de sermos postos à prova. No final, o sentimento de realização é um fator motivacional para seguir em frente e querer mais.

“O músico precisa fazer música, um artista tem que pintar, um poeta de escrever para que ele esteja em paz consigo mesmo. O que o homem pode ser, ele tem que ser. Ele precisa ser verdadeiro com sua própria natureza. A esta necessidade podemos chamar de autorealização. Acredito em autorealização como sendo o crescimento da pessoa na direção daquilo que ela gosta de fazer.” – Maslow

A verdade é que em relação à motivação não existe mágica. A maior ou menor disposição para realizar algo é composta de implicações pessoais que, combinadas com um ambiente favorável, provocam ou não a vontade de aprender, trabalhar e construir.

Retomando os estudos de Maslow, veja abaixo os itens que devem ser cuidados pelas empresas para atender às necessidades dos funcionários e, com isso, proporcionar um ambiente capaz de motivá-los:

  • Fisiológicas: salário adequado e benefícios;
  • Segurança: treinamento, desenvolvimento de competências, ampliação dos conhecimentos;
  • Sociais: festas de confraternização, trabalho em equipe, grêmio, congressos;
  • Estima: reconhecimento do trabalho, elogios, mudança de cargo, participação em eventos importantes, autonomia, gestão participativa;
  • Autorealização: algo muito particular e ainda objeto de estudo das ciências. Talvez a satisfação por ter realizado ou atingido os níveis anteriores e o desejo de aprender sempre.

Pense em sua vida e nos motivos que levam você a agir. Compartilhe conosco suas idéias e experiências em torno da motivação em seu ambiente de trabalho. Um abraço e até o próximo artigo.

Crédito da foto para FreeDigitalPhotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários