Home Comprar ou Vender Vale traz pacote de boas notícias junto ao 2º trimestre acima do esperado

Vale traz pacote de boas notícias junto ao 2º trimestre acima do esperado

O Ebitda ficou em US$ 4,14 bilhões no período, 12% acima do trimestre anterior e 10% acima da projeção do banco BTG Pactual

por Gustavo Kahil
0 comentário
Vale 13

O mercado recebeu da Vale (VALE3) um pacote de boas notícias que pode ajudar a reconquistar os investidores das ações da mineradora, que só em 2023 derrubaram os papéis em 21%, enquanto o Ibovespa (IBOV) sobe quase 13%.

A mineradora apresentou melhora no seu balanço do segundo trimestre após um período de janeiro a março visto como “altamente decepcionante”. Segundo o BTG Pactual, os números podem “ajudar a elevar o sentimento em torno do caso.

O Ebitda ficou em US$ 4,14 bilhões no período, 12% acima do trimestre anterior e 10% acima da projeção do banco (US$ 3,762 bilhões). A queda refletiu, principalmente, os menores preços realizados de finos de minério de ferro e níquel.

“Atribuímos o melhor desempenho em relação às nossas projeções de embarques de minério de ferro mais fortes (4% acima de nós) e preços de pelotas ligeiramente mais altos (+5%)”, avaliam os analistas Leonardo Correa e Caio Greiner.  

O número também ficou acima do esperado pela XP Investimentos, de US$ 4 bilhões.

Vale 14
“Estamos mais confiantes de que a baixa operacional da empresa ficou para trás”, disse o BTG (Imagem: Reprodução/ Facebook da Vale)

A receita líquida de vendas foi de US$ 9,673 bilhões, um pouco acima do estimado pelo BTG e XP, e 15% maior do que o visto no mesmo trimestre do ano anterior. O lucro líquido chegou a US$ 892 milhões, 63% inferior ao projetado pelo BTG e 43% abaixo pela XP, e 85% abaixo dos US$ 6,151 bilhões um ano antes.

“A Vale passou por uma série de contratempos operacionais durante o primeiro semestre de 2023, o que vem impactando o sentimento sobre o nome. Agora estamos mais confiantes de que a baixa operacional da empresa ficou para trás e que a produção/exportação e desempenho de custos devem continuar a melhorar à frente – acreditamos que há muito pouco disso precificado nas ações neste momento”, analisa o BTG.

Dividendos

A Vale também anunciou que irá distribuir R$ 8,276 bilhões em juros sobre o capital próprio (JCP). O valor bruto corresponde a R$ 1,917008992 por ação, apurados conforme o balanço de 30 de junho de 2023.

Níquel
Com sede em Toronto, Canadá, a Vale Metais Básicos é um dos maiores produtores mundiais de níquel, cobre, cobalto e metais do grupo da platina (Imagem: Divulgação/ Vale)

VBM

A mineradora assinou uma joint venture que tratá investimentos na Vale Base Metals Limited (VBM), empresa controladora do negócio de Metais para Transição Energética da Vale, que opera em níquel e cobre. Esta unidade faz parte de uma série de ações estratégicas levadas nos últimos 18 meses para posicionar a mineradora no fornecimento de minerais essenciais para as megatendências globais de descarbonização e eletrificação.

A nova empresa será constituída com a Manara Minerals, uma joint venture entre a estatal saudita Ma’aden e o PIF (Fundo Soberano da Arábia Saudita), no qual a Manara investirá na VBM considerando um valor implícito para a companhia de US$ 26 bilhões.

Ao mesmo tempo, a Vale e a empresa de investimento Engine No. 1 celebraram um acordo vinculante no qual a Engine No. 1 realizará um investimento na VBM sob os mesmos termos econômicos. O valor total a ser pago à VBM com os dois acordos é de US$ 3,4 bilhões, pagos à vista pela Manara, que levará 10%, enquanto a Engine No. 1 deterá uma participação de 3%.

“Esta parceria estratégica irá acelerar o crescimento da VBM, apoiando a transição energética global. Ao longo da próxima década, espera-se que a VBM invista entre US$ 25 a US$ 30 bilhões em projetos minerais estratégicos, possibilitando um potencial aumento de produção significativo em cobre de cerca de 350 kt/ano para 900 kt/ano e em níquel de cerca de 175 kt/ano para mais de 300 kt/ano”, estima a Vale.

O fechamento da transação está previsto para o 1º trimestre de 2024.

Barragens

Outro documento divulgado pela Vale foi à respeito da gestão das barragens de rejeitos, as Estruturas de Armazenamento de Rejeitos (EARs), e a adesão ao Padrão Global da Indústria para a Gestão de Rejeitos (GISTM, em inglês), o primero do tipo do setor mineral.

Do total de suas 50 EARs, a Vale implementou o GISTM em 48 estruturas, sendo 35 da unidade de Minério de Ferro no Brasil e 13 do negócio de Metais para Transição Energética (11 no Canadá e 2 no Brasil).

As outras duas EARs de Ferrosos no Brasil possuem classificação de consequência mais baixa e estarão em conformidade com o Padrão até agosto de 2025. As 48 EARs em conformidade atendem aos requisitos do GISTM e alguns deles possuem planos de ação em andamento, conforme os Protocolos de Conformidade, explica a Vale.

A Vale também informou que segue avançando na descaracterização das suas estruturas alteadas a montante no Brasil.

“Desde 2019, das 30 barragens deste tipo previstas no Programa, 12 já foram descaracterizadas, o que equivale a 40% do total. A previsão é concluir a descaracterização da próxima estrutura ainda neste ano, com a conclusão total do Programa prevista para 2035”, mostrou a Vale.

Projeções

Por fim, a mineradora revelou ter estimado um custo caixa C1 do minério de ferro – excluuindo as compras de terceiros para um intervalor entre US$ 21,5 e 22,5 por tonelada. O valor inclui uma mudança na expectativa da taxa de câmbio média USD/BRL para 4,94 para 2023 (versus US$ 5,20 anteriormente).

O custo all-in minério de ferro² (US$/t) foi projetado em US$ 52 a US$ 54, que inclui impacto potencial de fatores externos, como a redução dos prêmios pagos por produtos de alta qualidade, levando os prêmios all-in da Vale para cerca de US$ 4/t (vs. cerca de US$ 8/t anteriormente).

Por fim, o custo all-in níquel³ (US$/t) foi a US$ 15.500-16.000/t, que assume impactos dos preços mais baixos do que o esperado para os subprodutos, nomeadamente cobalto e PGMs, que caíram 30-40% desde o guidance de mercado, volumes de subprodutos mais baixos do que o esperado, principalmente resultantes do impacto mais alto do que o previsto da mudança no método de mineração na mina Colema e preços de níquel e cobre mais altos do que o esperado, impactando os custos de compra de feed de terceiros.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.