Vamos falar de dinheiro?Por onde passo e com quem quer que eu fale lá está o tabu. Falar de dinheiro[bb] de uma forma extrovertida, inteligente e subjetiva parece ser proibido! Nas empresas, especialmente na relação entre líderes e liderados, a situação se agrava ainda mais. O principal questionamento que surge à mente é: você tem medo de expor parte de seus apuros ou sucessos financeiros temendo represália, chacota ou deboche?

Que tal se você pudesse ouvir uma dica sobre investimento[bb], acúmulo de patrimônio ou ferramenta de gestão financeira direto de algum colega de trabalho? Situações assim só não são freqüentes porque dinheiro parece ser assunto apenas para especialistas e gerentes de banco. Não é verdade! Falar de dinheiro significa compartilhar suas experiências e criar um canal aberto de discussão para também aprender.

Filtrar tudo aquilo que ouvimos e(ou) lemos é muito importante, claro, mas deixar de ouvir e compartilhar é seguramente um erro. Aceitar a conclusão de que falar de dinheiro é um tabu geralmente é mais cômodo do que passar a investigar seus detalhes e iniciar discussões que envolvam questões financeiras. Atitude, disciplina e comportamento são os caminhos que podem mudar este cenário. Considerar o dinheiro algo tão complicado e delicado, a ponto de nada comentar sobre ele, pode ser a razão para tamanha pobreza.

Pense de outro jeito: se você tem vergonha de seu próprio conceito sobre o dinheiro, de sua condição financeira ou de sua capacidade de poupar, a ponto de não externá-los nem às pessoas mais próximas, está aceitando e incentivando o sentimento de impotência diante do dinheiro que aparece (e desaparece) em suas mãos. A conseqüência será uma decisão de investimento insegura, pouco embasada e com grandes chances de se mostrar inapropriada – em pouco tempo.

Esqueça o sucesso enlatado…
A verdade é que quase ninguém quer discutir aspectos importantes das finanças, mas todos querem encontrar a fórmula para ficar rico[bb]. Um paradoxo intrigante, não acha? As milhões de maneiras de ficar rico são discutidas diariamente nos lugares onde há quem se interessa pelo assunto. Os autores que se aventuram a escrever livros sobre riqueza estão fazendo algo muito simples no seu dia-a-dia: estão falando sobre dinheiro, sobre como chegaram lá.

Suas obras são comentários, opiniões e experiências por eles vividas que podem demonstrar como é relevante importar-se com dinheiro e querer aprender mais sobre ele. Os autores passam seu tempo freqüentando seminários, eventos e relatam ali o que lhes parece ideal para despertar, em você, interesse no assunto. Será que os líderes de hoje sabem (ou querem) fazer o mesmo com seus colaboradores diretos e indiretos?

Cabe desafiá-lo a ir além das sentenças e chavões da moda, além do óbvio e mágico segredo destes mesmos livros. Seja como líder de uma família ou profissional, procure viver mais próximo do seu dinheiro e, assim, valorizar melhor as decisões que o envolvem. Aproveite melhor seu tempo e use-o para também disseminar oportunidades de colocar as finanças no centro de uma discussão. Experimente desafiar seus colegas e colaboradores a conversar sobre isso.

Pergunte mais. Explique mais. Arrisque mais. Experimente mais.
Tenha uma opinião formada sobre planejamento financeiro, suas vantagens para você e seus planos para  o futuro. Conhecimento transformado em estratégia é o resultado mais importante que devemos perseguir se queremos dominar nosso dinheiro. Defenda seu ponto de vista com clareza, porém de forma receptiva e cordial. Prefira escutar e aprender também com os outros, além dos livros e revistas. Vale a pena.

Certas pessoas simplesmente não ficam à vontade para lidar e falar sobre dinheiro. Você é assim? Pode ser que haja um bloqueio que o impeça de pronunciar-se nestas ocasiões. Acredito nisso! Também acredito nos resultados de uma boa terapia.

Estes bloqueios podem ser a causa, mas nunca a desculpa. São estes mesmos bloqueios que o impedem de investir em algo mais arriscado? Que o impedem de falar aos filhos o quanto as contas estão altas e que a mesada deve ser melhor controlada? Que o impedem de criar coragem para começar a controlar seu orçamento, criar limites e se educar financeiramente? Se o problema é você, a solução também é você.

Por fim, sugiro agendar um dia da semana para conversar com alguém sobre investimentos, dinheiro e seu poder de realização. Chame um amigo que gosta do assunto e discutam um pouco sobre o cenário atual da economia, o que os bancos andam oferecendo, os juros, as compras do mês, a inflação, a bolsa de valores[bb] e os descontos. Faça o mesmo com seus colegas de trabalho.

Comece devagar.
Crie e demonstre interesse através da leitura de periódicos, jornais, livros. Dedique-se, pelo menos um pouquinho, todo dia a ler uma ou duas notícias sobre economia e finanças na internet. Funciona mais ou menos assim: se você não sabe falar (e bem) de dinheiro ou compartilhar suas experiências financeiras, como poderá administrá-lo (e bem) ou estar disposto a aprender mais? Vamos falar de dinheiro?

bb_bid = “74”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “investir dinheiro,mercado de ações,cerbasi,pai rico,ficar rico”;
bb_width = “500px”;
bb_limit = “5”;

Crédito da foto para Fotografar, Vender e Viajar.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários