Passado o Dia Mundial da Poupança (31 de outubro), uma dose de realidade: o brasileiro ainda é muito imediatista e pensa pouco em poupar e acumular patrimônio para o futuro. A constatação é do economista José Dutra Vieira Sobrinho.

De acordo com o especialista, a principal razão para o fato de o brasileiro poupar pouco diz respeito à falta de tradição.

“Até 1994, as elevadas taxas de inflação inviabilizavam qualquer tipo de planejamento; praticamente ninguém elaborava um orçamento doméstico e todo cidadão sabia que, comprando a prazo, o processo inflacionário se incumbiria de viabilizar o pagamento das prestações inicialmente elevadas”, conta Sobrinho.

Leitura recomendada: O que faz os jovens serem tão imediatistas?

Mesmo com o Plano Real e a estabilidade da moeda, esse tipo de pensamento de consumo imediato ficou enraizado na vida dos brasileiros. Além da falta de cultura de poupança do país, a planejadora financeira Lavínia Martins acredita que a falta de hábito de fazer orçamento doméstico ajuda a compreender por que os brasileiros não guardam dinheiro.

Ela explica que é importante criar um objetivo para economizar. “Quando você faz seu planejamento financeiro e estabelece quais sonhos quer realizar fica mais fácil mensurar o quanto será necessário poupar”, diz.

Quem tem o hábito de poupar antes de consumir consegue realizar seus sonhos de forma mais barata e organizada, considerando a ordem de prioridade para a realização de cada um dos sonhos, e construindo-os pouco a pouco, conforme o seu próprio esforço de poupança permite.

“Essas pessoas são mais felizes, porque tem a cabeça ocupada com a construção de metas e saboreiam o caminho, enquanto as pessoas endividadas pagam mais caro pela realização de seus objetivos e muitas vezes não conseguem dormir ou trabalhar bem por causa da preocupação com as dívidas. Poupar para a realização dos sonhos faz bem para o bolso e para a saúde”, diz Lavínia.

Para a planejadora financeira, não é preciso abrir mão do consumo e deixar de fazer coisas que dão prazer. “O ideal é ter equilíbrio, usando um pouco de dinheiro para montar a reserva financeira e outro pouco para o prazer imediato. Os dois não são excludentes, eles são complementares quando a pessoa tem uma vida financeira controlada e saudável”, afirma.

“O que impede a realização dos prazeres imediatos é muito mais o nível de endividamento e desorganização financeira do que o valor do salário ou rendimento que a pessoa ganha”, completa Lavínia.

Leitura recomendada: 5 Segredos e atitudes para ficar rico e ser mais feliz

Economia no dia a dia

Não existe regra para poupar mensalmente, mas todas as pessoas podem economizar alguma quantia todo mês. Em tempos de inflação, o que tem pesado muito na conta do brasileiro é o gasto com supermercado.

Lavínia acredita que fazer uma lista com os itens necessários antes de ir às compras, buscar marcas alternativas e substituir alguns itens do seu cardápio por opções mais baratas são boas práticas de economia.

Fazer várias pequenas compras durante o mês também pode ser uma boa ideia. “Compre o necessário para a semana, principalmente frutas, legumes e verduras. Além de economizar, também reduz o desperdício”, diz.

Por falar em desperdícios, essa pode ser uma boa oportunidade para rever contas e cancelar serviços que não são mais usados, como os planos de assinatura de TV a cabo e internet. Outa sugestão é procurar fazer reduções nas despesas variáveis, que normalmente são itens de alimentação, vestuário, lazer, transporte e telefonia.

Foto “Thinking about Money”, Shutterstock.

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários