Home Agronegócio Vendas de soja do Brasil têm atraso ante média histórica, diz Safras

Vendas de soja do Brasil têm atraso ante média histórica, diz Safras

A negociação da safra que está sendo colhida avançou apenas 2,8 pontos percentuais ante o índice do mês anterior

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/Freepik/@vecstock)

A comercialização da safra brasileira de soja do ciclo atual (2023/24) foi estimada em 31,9% da produção projetada para o país, indicou a consultoria Safras & Mercado nesta segunda-feira, apontando um atraso na comparação com a média histórica para o período (44,5%), em meio a preços mais baixos do produto no mercado global.

A negociação da safra que está sendo colhida avançou apenas 2,8 pontos percentuais ante o índice do mês anterior.

“Esta queda dos preços travou completamente as negociações, o produtor não quer vender nesses preços baixos. Ele acabou segurando à espera de preços melhores que acabaram não vindo”, disse o analista da Safras para soja, Luiz Fernando Roque.

Os contratos futuros da soja negociados na bolsa de Chicago chegaram a bater nesta segunda-feira uma mínima desde dezembro de 2020, mas depois passaram a operar em leve alta, a cerca de 11,96 dólares por bushel.

Essa mínima em Chicago ocorreu apesar de uma quebra acentuada da safra do Brasil, pressionada principalmente por uma produção menor que a esperada em Mato Grosso, o principal Estado produtor do país.

De outro lado, os preços internacionais sofrem impacto do avanço esperado na colheita da Argentina, que tem potencial de dobrar na comparação com a temporada anterior atingida pela seca.

Até a semana passada, o Brasil havia colhido pouco mais de 15% da safra projetada, segundo números da Safras.

Apesar da comercialização atrasada na comparação com a média histórica para o período, o ritmo está ligeiramente à frente do visto nesta mesma época do ano passado (30,5%) para a temporada anterior.

Segundo o analista, a comercialização tende a avançar à medida que a oferta do Brasil aumente com o desenvolvimento da colheita, ainda que os preços não melhorem.

“O produtor que está descapitalizado agora vai ter que vender nos próximos meses durante a colheita para fazer caixa, então de alguma forma pode ser que, mesmo com preço mais baixo, em fevereiro, a partir de março, o ritmo de negócios melhore um pouco”, opinou Roque.

Soja
(Imagem:Pixabay/CJ)

“Porque muito produtor vai ter de vender mesmo na baixa de preço para poder fazer caixa.”

Os trabalhos de colheita no Brasil estão mais adiantados se comparados com o mesmo período do ano passado (7,8%) e também superam a média dos últimos cinco anos, de 10,4%.

Segundo a Safras, a colheita no Paraná é de 22%, comparada com a média de 9,8%. Em Mato Grosso, os trabalhos chegaram a 39%, superando a média de 28% para o período, conforme números da consultoria divulgados na sexta-feira.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.